top of page

1 injeção pode aumentar a imunidade e combater o C19 em todas as variantes




Revisão de um potencial novo tratamento para C-19. Mais um tratamento COVID-19 surgiu, mas o interferon lambda é a cura milagrosa que o mundo estava esperando?

Resumo dos pontos-chave

· Os tratamentos COVID-19 atualmente disponíveis têm limitações e preocupações.

· Um novo ensaio clínico mostra promessa para o interferon lambda, eficaz contra todas as variantes e reduz as cargas virais mais rapidamente do que outros tratamentos da COVID-19.

· Interferon lambda é um tratamento "one-and-done".

· O interferon lambda tem pouca interação com outras drogas, tornando-se uma opção de tratamento mais segura para muitos indivíduos.

· A Food and Drug Administration não aprovou o interferon lambda como tratamento para C-19; a autorização de uso emergencial ainda está pendente.

·

Limitações e preocupações com os atuais tratamentos da COVID-19


Os tratamentos atualmente disponíveis para a COVID-19 estão longe de serem perfeitos, com cada um apresentando suas limitações e preocupações.

Por exemplo, foram levantadas questões sobre a segurança e a eficácia do Molnupiravir, enquanto o Paxlovid está associado a um elevado número de interações medicamentosas cruzadas, e existem preocupações sobre a gestão da síndrome do rebote.

Por outro lado, três dias de remdesivir intravenoso são complicados de configurar, exigindo uma visita a um centro de infusão ou serviço de atendimento domiciliar dedicado. Mais importante ainda, a droga causou efeitos colaterais potencialmente fatais, incluindo insuficiência renal.

Além disso, o Omicron e suas mutações subsequentes tornaram todos os monoclonais anteriormente disponíveis ineficazes.

Neste contexto, um ensaio clínico recente mostrou resultados promissores para o interferon lambda, uma proteína natural produzida pelo sistema imunitário em resposta a infeções virais. O estudo mostrou que o interferon lambda pode reduzir o risco de COVID-19 em até 50%.


O que é Interferon Lambda?


Os interferons (IFNs) são um grupo de proteínas produzidas pelo sistema imunitário em resposta a infeções virais. Essas proteínas têm efeitos antivirais, antitumorais e imunomoduladores e regulam o sistema imunológico. Existem três tipos de interferons: tipo I, tipo II e tipo III.

Todos os tipos de IFNs têm efeitos semelhantes no corpo, mas ativam diferentes conjuntos de genes.

Os interferons funcionam "interferindo" na replicação viral e na infecção. Isso é feito ativando vias pró-inflamatórias, recrutando células imunes ou visando a replicação viral, quebrando suas proteínas, enzimas e RNA.

Como os interferons matam vírus.


Os interferons tipo I e tipo II lançam uma resposta antiviral sistémica em todo o corpo. Por outro lado, os interferões do tipo III limitam-se às células epiteliais e a células imunitárias específicas, como os neutrófilos.

Isso indica que os interferons tipo III fornecem proteção direcionada para a pele, intestino e superfícies pulmonares, minimizando os efeitos colaterais.

Dadas as características dos interferons, especialmente considerando a especificidade dos interferons tipo III, eles são úteis para o tratamento de infecções virais agudas e crônicas.

Anteriormente, os IFNs tipo I foram usados para tratar infecções virais crônicas da hepatite C e B. Embora eficazes, eles têm efeitos colaterais significativos, como sintomas semelhantes aos da gripe, náuseas e fadiga, pois teoricamente podem afetar quase todas as células do corpo. Em contraste, estudos (1,2) em camundongos mostraram que o interferon tipo III (IFN-λ) foi mais eficaz na prevenção e tratamento de infecções virais por influenza com menos efeitos colaterais. Além disso, no tratamento da hepatite C, o interferon lambda foi tão eficaz quanto os IFNs do tipo I, com efeitos colaterais mais leves.

Em relação ao momento da infecção e da defesa do hospedeiro, os IFNλs são os primeiros IFNs que se defendem na barreira epitelial para inibir a disseminação inicial de vírus sem desencadear inflamação.

No contexto da COVID-19, os interferões tipo III são mais adequados para o desenvolvimento como tratamento por três razões.

Em primeiro lugar, o interferon lambda funciona nos mesmos locais, nomeadamente nos sistemas respiratório e gastrointestinal onde a COVID-19 ataca principalmente, de modo a resultar numa maior inibição da replicação viral do epitélio nasal para o trato respiratório superior.

Em segundo lugar, os pacientes mais graves com COVID-19 experimentam tempestades de citocinas. Evitar a inflamação sistêmica é essencial para reduzir o risco de uma tempestade de citocinas e prevenir a exacerbação dos sintomas da COVID-19.

Por fim, os interferons tipo III estão localizados em células epiteliais e conferem efeitos antivirais duradouros no trato respiratório superior e bloqueiam a transmissão do vírus, de acordo com um relatório de um estudo de laboratório alemão.

Classificação dos tipos de interferão e seus receptores.


Interferon Lambda funciona de forma diferente de outros tratamentos COVID-19

Enquanto a maioria dos tratamentos de COVID-19 são exógenos, o que significa que são produzidos fora do corpo e posteriormente introduzidos no corpo, o interferon lambda é endógeno, produzido naturalmente pelo corpo em resposta a infecções virais.

Isso significa que o interferon lambda, mesmo se administrado exogenamente, é menos provável que cause efeitos adversos e é menos provável que interaja com outros medicamentos.

Interferon lambda trabalha com o seu sistema imunológico natural, não contra ele. Isso difere de outros tratamentos de COVID-19, como vacinas, que visam "hackear" seu sistema imunológico para trabalhar para você. A beleza dos interferons é que seu sistema imunológico pode usá-los imediatamente. A ideia é que estamos deixando nosso sistema imunológico fazer o trabalho com um pequeno impulso de fora.

O interferon lambda triunfa acima de outros tratamentos COVID-19 devido ao seguinte:

· Eficaz contra todas as variantes do vírus, incluindo as variantes Delta e Omicron.

· Elimina as cargas virais mais rapidamente do que outros tratamentos, tornando-se uma maneira eficaz de limitar a propagação do vírus.

· Interferon lambda é um tratamento "one-and-done".

· Pouca interação com outras drogas torna uma opção de tratamento mais segura para muitos indivíduos.

Ensaio clínico com interferon lambda mostra promessa para tratamento da COVID-19


Dois estudos (1, 2) relataram os resultados de ensaios clínicos de fase 2 sobre o impacto do interferon lambda na carga viral do SARS-CoV-2. Os ensaios clínicos de fase 2 são pequenos estudos projetados para testar a segurança e a eficácia de novos medicamentos, enquanto os ensaios clínicos de fase 3 envolvem centenas a milhares de participantes.

O estudo inovador publicado no New England Journal of Medicine (NEJM), "Early Treatment With Pegylated Interferon Lambda for COVID-19", foi o ensaio de fase 3 que muitas pessoas estavam esperando, e os resultados são intrigantes.

O ensaio clínico de fase 3 recrutou 2.617 participantes, dos quais 933 receberam aleatoriamente o tratamento de interferon lambda peguilado, enquanto 1.018 receberam um placebo. Os restantes 666 doentes foram designados para outros grupos de intervenção.

O grupo placebo recebeu uma única injeção subcutânea ou um placebo oral. A mediana de idade de todos os pacientes foi de 43 anos, variando de 18 a 92 anos.

Dos pacientes no grupo de interferon, 25 de 931 (2,7%) mostraram um evento de desfecho primário, o que significa que o paciente sofreu hospitalização ou tratamento de emergência, em comparação com 57 dos 1.018 (5,6%) pacientes placebo. A diferença mostra uma redução de 51% do risco entre o controle e o placebo.

Casos de desfecho primário no controle e placebo. (O Epoch Times)

Além disso, não houve diferenças na incidência de eventos adversos entre os grupos controle e placebo, mostrando que a terapia com interferon lambda não levou, pelo menos no escopo deste estudo, a mais efeitos colaterais.

Eventos adversos entre o controle e o placebo.

No geral, os pacientes que receberam uma dose única de interferon lambda peguilado foram significativamente menos propensos a necessitar de hospitalização ou uma visita ao departamento de emergência devido à COVID-19 do que aqueles que receberam um placebo.

Nossos genes decidem a resposta ao interferon


É importante notar que existem limitações para o uso de injeções de interferon lambda. Primeiro, os pacientes com COVID-19 foram tratados precocemente – dentro de 7 dias após o início dos sintomas, conforme definido no ensaio clínico NEJM.

Em segundo lugar, apenas pacientes não hospitalizados foram incluídos no estudo. Pacientes que necessitaram de hospitalização ou que exibiram sinais de sintomas graves de COVID-19 foram excluídos do estudo.

Em terceiro lugar, nem todos respondem à terapia com interferon. Alguns fatores intrínsecos predeterminam nossa resposta aos interferons, como nossos genes.

Por exemplo, um estudo de 2022 publicado na Nature examinou o gene OAS1, que é ativado por interferons para produzir uma enzima importante que ajuda o corpo a combater infecções virais.

O estudo descobriu que um padrão genético comum de OAS1, chamado haplótipo, estava ligado a um risco aumentado de doença grave e redução da depuração do vírus COVID-19.

A avaliação da prevalência desse haplótipo é justificada, mas a interação entre a COVID-19 e genes específicos levanta uma questão maior sobre o impacto de nossos genes na doença.

Tomemos as abordagens da felicidade como exemplo. Os estilos de vida hedônicos priorizam o prazer e as emoções positivas, como alegria, excitação e satisfação, e podem envolver atividades como entregar-se a boa comida, entretenimento ou bens materiais.

Em contraste, os estilos de vida eudaimônicos priorizam o significado, o propósito e o crescimento pessoal e podem envolver a busca de objetivos desafiadores, contribuindo para o bem maior e cultivando relacionamentos significativos. Embora ambas as abordagens possam trazer sentimentos e experiências positivas, o bem-estar eudaimônico tende a ser mais sustentável e satisfatório a longo prazo, pois está enraizado no senso de propósito e realização mais profunda além da busca do prazer imediato.

Em um estudo publicado na PNAS, os pesquisadores descobriram que os indivíduos que viviam um estilo de vida eudaimônico tinham maior expressão gênica de interferon e expressão significativamente menor de genes pró-inflamatórios.

Por outro lado, indivíduos que viviam um estilo de vida hedonista apresentaram maior expressão de genes pró-inflamatórios e regulação negativa da expressão gênica do interferon.

O estudo sugere que a interconexão entre mente e corpo é poderosa e deve ser levada em conta ao tentar prevenir ou tratar doenças.


1.048 visualizações1 comentário

1 Comment


Gratidão Dr. todo seu esforço é importante! Deus sempre abençoe sua vida ♡

Like
bottom of page