10 MANEIRAS QUE A NEUROCIÊNCIA PODE MUDAR A EDUCAÇÃO



O recente foco da neurociência no que facilita a aprendizagem ao longo da vida levou a avanços no mundo da educação. Escolas, professores e pais têm a oportunidade de abordar e entender o aprendizado como nunca antes. Aqui estão 10 maneiras que a pesquisa da neurociência pode mudar a educação.

1. Melhor Compreensão do Desenvolvimento Infantil

Uma incorporação mais aprofundada dos estudos de desenvolvimento infantil para professores da pré-escola e do ensino fundamental pode ter um enorme impacto no sucesso posterior. Os Pesquisadores afirmam que muitos educadores têm equívocos sobre a educação infantil. Entender o que leva as crianças a aprender e como superar as desvantagens precoces pode ter um enorme impacto no sucesso de aprendizagem ao longo dos anos. Abraçar as informações fornecidas pela neurociência pode preencher essa lacuna de compreensão.

2. Adaptação de aulas para facilitar o aprendizado

Muitas escolas estão mudando seus programas e rotinas para beneficiar o progresso dos alunos. Uma pequena mudança que o CDC recomendou, em um artigo de 2015 sobre Smithsonian.com, foi atrasar os horários de início. Pesquisas mostraram que apenas 30 minutos a mais de sono pode melhorar consideravelmente a função cognitiva e o estado de alerta em sala de aula.

3. Aprendizado de espaçamento para absorção ideal

Outra mudança importante que os distritos escolares podem fazer, de acordo com a neurociência, é permitir que os alunos escolham entre um guia de cursos diversificado e aulas de espaçamento ao longo do tempo. O efeito espaçamento basicamente diz que aprender ideias complicadas ao longo do tempo, em vez de tudo de uma vez, melhora a compreensão e a criação de novos neurônios. Os professores podem desviar para esse conhecimento em desenvolvimento e aperfeiçoamento curricular.

4. Tutoria Cognitiva

O uso da tutoria cognitiva em alunos que lutam com matemática é um grande avanço para os educadores. Como até 20% dos indivíduos têm alguma forma de deficiência matemática de aprendizagem, melhorar a forma como a matemática é processada e entendida é primordial para o sucesso.


5. Direcionamento de estilos de aprendizagem gratificante

Em A Neurociência Social da Educação,Louis Cozolino fala sobre coisas que os educadores precisam saber sobre o cérebro. Um ponto principal é que os alunos precisam de repetição e abordagens variadas para tirar o máximo da aprendizagem. Isso significa que jogos, atividades em grupo, aulas físicas e aprendizado inconsciente podem ter um lugar na sala de aula. Um artigo de ensino E 2016 foca em aulas variadas e pausas nos alunos para melhorar o desempenho. Esse recurso sugere a incorporação de atividade física e estudo pessoa-pessoa em aulas diárias.

6. Incorporação de Atividades Sociais

Como discutido no artigo de março de 2011 da Greater Good Magazine , More Friends, Bigger Brain, HUMANOS SÃO SERES SOCIAIS. A incorporação e o foco nas atividades sociais e no subsídio para conexões em sala de aula podem ajudar a viabilizar a aprendizagem. Esta é uma pequena mudança que os professores podem empregar em sala de aula para ajudar os alunos a alcançar seu potencial.

7. Integração da Tecnologia na Sala de Aula

A pesquisa de nossos cérebros e como aprendemos está continuamente proporcionando possíveis aprimoramentos tecnológicos para os professores. As opções de aplicativos de aprendizagem e software para envolver os alunos, o aprendizado espacial corretamente e desenvolver o cérebro dos alunos estão crescendo a cada dia. Entender o básico de como usar esses produtos para influenciar o aprendizado positivamente em sala de aula é essencial.

8. Aumentar a capacidade cerebral através do aprendizado

Em um artigo de dezembro de 2012, oDr. Mercola discutiu o uso ou a perda da política de plasticidade cerebral. A ideia básica é que a educação continuada diminuirá a taxa de declínio para nossos cérebros à medida que envelhecemos. Isso significa que os institutos educacionais devem incentivar a aprendizagem continuada, ao longo da vida, a informar uma comunidade saudável.

9. Abordagem melhorada com estudantes autistas

A neurociência está ajudando a diagnosticar crianças com Autismo e Síndrome de Asperger desde os 18 meses de idade. O departamento de Neurociência de Cambridge até desenvolveu um DVD animado para ajudar as crianças a aprender sobre emoções. Um artigo KappanMagazine.com de 2013 observou que programas especializados impulsionados por pesquisas científicas estão ajudando a melhorar a maneira como ensinamos crianças no espectro do autismo. Por exemplo,o teste de produto Fast ForWord Language mostrou um avanço de até 1,5 ano de fala em crianças que passaram pelo programa.

10. Superação das Dificuldades de Aprendizagem

No campo da Educação Especial, a neurociência tem lições especialmente interessantes. No artigode julho de 2011 no Forum, Neurociência e Educação Especial, o link é examinado. O artigo sugere que diferentes abordagens beneficiarão uma criança disléxica versus uma criança com TDAH. Educadores que tiram tempo para aplicar resultados científicos em sala de aula podem ver uma diferença marcante na forma como seus alunos se desenvolvem.

Essas 10 influências da neurociência na sala de aula e educadores continuarão influenciando os alunos nos anos seguintes. A pesquisa sugere que essa é uma conexão positiva que pode beneficiar o sistema educacional e a sociedade como um todo.

Ainda perguntas a serem respondidas e julgamentos a serem realizados antes que algumas ideias possam se tornar mais amplamente aceitas. No entanto, manter-se a par dos desenvolvimentos é sugerido para qualquer educador.

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo