A área cerebral com a qual interpretamos o Mundo!



Quando se trata de compreensão linguística, o IPL anterior no hemisfério esquerdo do cérebro torna-se ativo (verde). Para atenção, é o IPL anterior no lado direito do cérebro (rosa). Se, por outro lado, forem necessárias habilidades sociais, as partes posteriores do IPL em ambos os hemisférios do cérebro entram em ação simultaneamente (laranja, roxo).


Diferentes áreas do lobo parietal inferior são especializadas em funções cognitivas distintas, como processamento de linguagem e cognição social. No entanto, essas áreas trabalham juntas em conjunto com diferentes áreas cerebrais de maneiras específicas do processo. Instituto Max Planck

Normalmente, as diferentes áreas do cerebrum assumem uma função muito específica. Por exemplo, eles processam nossos movimentos ou coisas que vemos ou ouvimos, ou seja, informações físicas diretas. No entanto, algumas áreas do cérebro entram em jogo ao lidar com tarefas mentais mais avançadas. Eles processam informações recebidas que já foram pré-processadas e, portanto, já estão em um nível abstrato.

Já se sabia que o lobo parietal inferior (IPL) é uma dessas regiões do cérebro humano. No entanto, não ficou claro como essa área é capaz de processar funções tão diferentes. Em um grande estudo, cientistas do Instituto Max Planck de Ciências Cognitivas e Cerebrais Humanas (MPI CBS) em Leipzig e na Universidade McGill em Montreal ajudaram a resolver essa questão.

De acordo com seus achados, as diferentes partes do IPL são especializadas em diferentes funções cognitivas – como atenção, linguagem e cognição social, com esta última refletindo a capacidade de tomada de perspectiva. Ao mesmo tempo, essas áreas trabalham em conjunto com muitas outras regiões cerebrais de forma específica do processo.

Quando se trata de compreensão linguística, o IPL anterior no hemisfério esquerdo do cérebro torna-se ativo. Para atenção, é o IPL anterior no lado direito do cérebro. Se, por outro lado, forem necessárias habilidades sociais, as partes posteriores do IPL em ambos os hemisférios do cérebro entram em ação simultaneamente.

"A cognição social requer a interpretação mais complexa", explica Ole Numssen, primeiro autor do estudo subjacente, que agora foi publicado na revista eLife. "Portanto, os IPLs de ambos os lados do cérebro provavelmente trabalham juntos aqui."

Além disso, essas subáreas individuais cooperam com diferentes regiões do resto do cérebro. No caso da atenção e da linguagem, cada sub-região IPL se conecta principalmente a áreas de um lado do cérebro. Com habilidades sociais, são áreas de ambos os lados. Mais uma vez, isso mostra que quanto mais complexa a tarefa, mais intensiva é a interação com outras áreas.

"Nossos resultados fornecem uma visão do funcionamento básico do cérebro humano. Mostramos como nossos cérebros se adaptam dinamicamente às mudanças nos requisitos. Para isso, conecta áreas individuais especializadas, como o IPL, com outras regiões mais gerais. Quanto mais exigentes as tarefas, mais intensamente as áreas individuais interagem entre si. Isso torna possível funções altamente complexas, como linguagem ou habilidades sociais", diz Ole Numssen.

"O IPL pode, em última análise, ser considerado como uma das áreas com as quais interpretamos o mundo."

Mesmo em grandes macacos, diz Numssen, regiões cerebrais que correspondem ao IPL não apenas processam estímulos puramente físicos, mas também informações mais complexas. Ao longo da evolução, eles parecem sempre ter sido responsáveis pelo processamento de conteúdo cada vez mais complexo. No entanto, partes do IPL são únicas para o cérebro humano e não são encontradas em grandes macacos – um indício de que essa região evoluiu no curso da evolução para permitir funções-chave da cognição humana.

Os pesquisadores de Leipzig e Montreal investigaram tais correlações de comportamento cerebral com a ajuda de três tarefas que os participantes do estudo tiveram que resolver enquanto estavam deitados no scanner de ressonância magnética.

Na primeira tarefa, eles tinham que provar sua compreensão da linguagem. Para isso, eles viram palavras significativas como "pombo" e "casa", mas também palavras sem sentido (conhecidas como pseudopacinhas) como "pulre", e tiveram que decidir se era uma palavra real ou não.

Uma segunda tarefa testou a atenção visual-espacial. Para esta tarefa, eles tiveram que reagir a estímulos de um lado da tela, embora esperassem que algo acontecesse do outro lado.

A terceira tarefa sondou sua habilidade de perspectiva usando o chamado teste de Sally Anne. Esta é uma tira de quadrinhos composta por quatro imagens em que duas pessoas interagem uma com a outra.

Uma pergunta no final só poderia ser respondida corretamente se os participantes do estudo pudessem se colocar no lugar das respectivas pessoas.

“Functional specialization within the inferior parietal lobes across cognitive domains” by Ole Numssen, Danilo Bzdok, Gesa Hartwigsen. eLife


87 visualizações0 comentário