A felicidade realmente vem de graça



Os resultados sugerem que altos níveis de bem-estar subjetivos podem ser alcançados com monetização mínima, desafiando a percepção de que o crescimento econômico aumentará automaticamente a satisfação com a vida entre populações de baixa renda


O dinheiro pode realmente não ser a chave para a felicidade, de acordo com um novo estudo. Pesquisadores descobriram que pessoas que vivem em sociedades onde o dinheiro desempenha um papel limitado tendem a levar uma vida mais feliz.

O crescimento econômico é frequentemente prescrito como uma maneira segura de aumentar o bem-estar das pessoas em países de baixa renda, mas um estudo liderado por McGill e pelo Instituto de Ciências e Tecnologias Ambientais da Universitat Autònoma de Barcelona (ICTA-UAB) sugere que pode haver uma boa razão para questionar essa suposição.

Os pesquisadores se propuseram a descobrir como as pessoas avaliam seu bem-estar subjetivo em sociedades onde o dinheiro desempenha um papel mínimo, e que geralmente não são incluídos em pesquisas globais de felicidade. Eles descobriram que a maioria das pessoas relatou níveis notavelmente altos de felicidade. Isso foi especialmente verdade nas comunidades com os menores níveis de monetização, onde os cidadãos relataram um grau de felicidade comparável ao encontrado em países escandinavos que tipicamente classificam mais alto no mundo.


Os resultados sugerem que altos níveis de bem-estar subjetivo podem ser alcançados com monetização mínima, desafiando a percepção de que o crescimento econômico aumentará automaticamente a satisfação com a vida entre populações de baixa renda.

Medindo a felicidade

Para explorar como a monetização afeta o senso de bem-estar das pessoas, os pesquisadores passaram um tempo em várias pequenas comunidades pesqueiras, com diferentes graus de monetização, nas Ilhas Salomão e Bangladesh, dois países de baixa renda. Durante um período de alguns meses, com a ajuda de tradutores locais, eles entrevistaram cidadãos tanto em áreas rurais quanto urbanas várias vezes.

As entrevistas, realizadas tanto presencialmente quanto por meio de telefonemas em momentos inesperados, foram projetadas para obter informações sobre o que constituiu felicidade para os sujeitos do estudo, bem como para ter uma noção de seus humores de passagem, seu estilo de vida, atividades de pesca, renda familiar e nível de integração de mercado.

Ao todo, os pesquisadores entrevistaram 678 pessoas, com idade entre 20 e 50 anos, com uma idade média de cerca de 37 anos. Quase 85% dos participantes do estudo eram do sexo masculino. O número desproporcional de homens no estudo deveu-se ao fato de que as normas culturais em Bangladesh dificultaram a entrevista com as mulheres. Nas Ilhas Salomão, as respostas às perguntas do estudo de homens e mulheres não foram significativamente diferentes. No entanto, isso não é necessariamente aplicável à situação em Bangladesh, uma vez que as realidades sociais e estilos de vida de homens e mulheres diferem tanto. Novas pesquisas precisarão abordar se as normas sociais relacionadas ao gênero impactam a associação encontrada neste estudo.

Estágios iniciais da monetização podem ser prejudiciais à felicidade

Os pesquisadores descobriram que nas comunidades onde o dinheiro estava em maior uso, como no Bangladesh urbano, os moradores relataram níveis mais baixos de felicidade.

"Nosso estudo sugere possíveis formas de alcançar a felicidade que não estão relacionadas à alta renda e riqueza material", diz Eric Galbraith, professor do Departamento de Ciências Da Terra e Planetária da McGill e autor sênior do estudo, que foi publicado recentemente no PLOSOne. "Isso é importante, porque se replicarmos esses resultados em outros lugares e pudermos identificar os fatores que contribuem para o bem-estar subjetivo, isso pode nos ajudar a contornar alguns dos custos ambientais associados à obtenção do bem-estar social nas nações menos desenvolvidas."

"Em sites menos monetizados, descobrimos que as pessoas relataram uma maior proporção de tempo gasto com a família e contato com a natureza como sendo responsáveis por fazê-las felizes", explica Sara Miñarro, autora principal do estudo que é Pesquisadora de Pós-Doutorado (ICTA-UAB). "Mas com o aumento da monetização, descobrimos que os fatores sociais e econômicos comumente reconhecidos nos países industrializados desempenharam um papel maior. No geral, nossos achados sugerem que a monetização, especialmente em seus estágios iniciais, pode realmente ser prejudicial à felicidade."

Curiosamente, enquanto outras pesquisas descobriram que a tecnologia e o acesso a informações de culturas distantes com estilos de vida diferentes podem afetar o senso de seu próprio bem-estar das pessoas, oferecendo padrões aos quais as pessoas comparam suas próprias vidas, isso não parece ser o caso nessas comunidades.

"Este trabalho se soma a uma percepção crescente de que importantes apoios à felicidade não estão, em princípio, relacionados à produção econômica", acrescenta Chris Barrington-Leigh, professor da Escola Bieler do Meio Ambiente da McGill. "Quando as pessoas estão confortáveis, seguras e livres para desfrutar da vida dentro de uma comunidade forte, elas são felizes – independentemente de estarem ou não ganhando dinheiro."

“Happy without money: Minimally monetized societies can exhibit high subjective well-being” by Sara Miñarro et al. PLOS ONE


14 visualizações0 comentário