top of page

A Hipótese da Biofilia: Estamos Programados para Sermos Curados pela Natureza?






Embora nossa saúde tenha claramente sofrido por estar "presa", há boas notícias: um corpo substancial de evidências sugere que nossos corpos estão programados para serem curados pela natureza.

Há evidências crescentes de que todo o tempo que passamos dentro de casa nos últimos dois anos está nos deixando doentes. Nossas mentes e corpos estão programados para se curar simplesmente indo para fora?


Há um ditado que diz: "Se você quiser ferver um sapo vivo, não aumente o calor muito rapidamente, ou o sapo pulará da panela". Além de por que você gostaria de ferver um sapo, o ponto é que podemos não notar mudanças destrutivas quando elas nos afetam lentamente até que o dano seja feito. Se isso for verdade, os lockdowns e fechamentos dos últimos dois anos podem ter fervido nosso bem-estar coletivo além do ponto de couro de sapato.

A partir de 2022, OS ESTUDOS PROVARAM sobre os efeitos devastadores dos lockdowns da COVID-19. Do aumento da obesidade e depressão ao atraso na aprendizagem e no desenvolvimento cognitivo em crianças, a evidência (pdf) é esmagadora de que os lockdowns da COVID-19 causaram significativamente mais danos do que benefícios.

Por piores que tenham sido os efeitos dos lockdowns, o maior dano à nossa saúde pode muito bem ser o aumento a longo prazo do tempo que passamos – e continuamos a gastar – dentro de casa.

A partir da década de 1980, a quantidade de tempo que os americanos passaram dentro de casa tem subido constantemente. Mesmo antes dos lockdowns, os dados mostravam que os americanos estavam gastando de 90% a 93% de seu tempo dentro de casa – o que não é bom.

Anos antes de os mandatos governamentais da COVID-19 forçarem as pessoas a ficarem dentro de casa, uma montanha de evidências revelou uma mistura desagradável de efeitos físicos e psicológicos negativos de muito tempo dentro de casa: depressão, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias, inflamação e os problemas continuam.

Embora nossa saúde tenha claramente sofrido por estar "presa", há boas notícias: um corpo substancial de evidências sugere que nossos corpos estão programados para serem curados pela natureza. Apenas 20 minutos diários passados do lado de fora, mesmo em pé em um espaço natural, demonstraram melhorar drasticamente nossa saúde.

No início da década de 1980, um pesquisador japonês, Tomohide Akiyama, começou a publicar descobertas sobre como nossos corpos respondiam a estar em um ambiente natural. Em uma série de estudos, Akiyama encorajou os participantes a sair para uma floresta ou um parque e, lentamente, conscientemente, passar curtos períodos de tempo lá, um processo que ele chamou de shinrin-yoku, ou "banho na floresta". Akiyama descobriu que estar na natureza reduziu a pressão arterial, melhorou a função cardíaca e suprimiu a liberação de hormônios do estresse.

Por que nossos corpos respondem tão bem quando passamos tempo fora?

Em 1984, o biólogo americano Edward O. Wilson publicou um livro chamado "Biofilia", no qual especulou que somos geneticamente projetados para sermos atraídos pela natureza e pelas coisas naturais. Wilson propôs que, através de milhões de anos de evolução, nossos corpos e mentes se adaptaram a viver fora e, portanto, não respondem bem a serem mantidos dentro de casa, escrevendo: "A hipótese da biofilia afirma corajosamente a existência de uma necessidade humana inerente de base biológica de se afiliar à vida e ao processo semelhante à vida".

A hipótese da biofilia de Wilson parecia apoiar o trabalho de Akiyama, mas, no entanto, provocou um debate de 20 anos dentro da comunidade científica.

Em 2005, o jornalista Richard Louv publicou "Last Child in the Woods". No livro, Louv cunhou o termo "transtorno de déficit de natureza" para descrever o que ele acreditava estar acontecendo com nossos filhos enquanto os mantínhamos dentro de casa por longos períodos de tempo.

Louv narrou taxas explosivas de obesidade, depressão adolescente em disparada e toda uma série de efeitos negativos provocados por "uma crescente divisão entre os jovens e o mundo natural".

Louv concordou com Wilson que estamos geneticamente programados para estar fora e escreveu que nossos filhos estavam sofrendo de uma deficiência grosseira do que ele chamou de "Vitamina N", isto é, "N" para a natureza. A resposta a "Last Child in the Woods" foi nada menos que sensacionalista, e o livro foi elogiado por um coro de pensadores, escritores, clínicos e políticos líderes.

Natureza Biológica ou Divinamente Nutrida?

Séculos antes de começarmos a coletar dados clínicos sobre os benefícios de estar fora, as pessoas sabiam que o mundo natural tinha o poder de curar. Dos antigos gregos aos romanos, aos povos nativos das Américas, há uma longa história de exaltar o benefício de estar dentro e ao redor da natureza.

Enquanto Akiyama, Wilson e Louv teorizaram que a razão para essa resposta de cura é a nossa biologia evolutiva, outros, como o teólogo e ecologista Dr. Christopher Thompson, argumentam que somos atraídos pela natureza por causa de nossas origens divinas.

Embora Thompson não negue os benefícios físicos de estar fora, ele enfatiza que a força motriz desses benefícios é que a natureza, com sua ordem, estrutura e ritmos previsíveis, foi criada como nossa primeira "sala de aula" na qual aprendemos sobre o Criador e como nos encaixamos na ordem criada.

Em seu livro "The Joyful Mystery", Thompson discorda da teoria de que nos sentimos melhor quando estamos na natureza por causa de uma conexão de volta a uma "inconsciência biologicamente dirigida, ... resquícios de um passado agora há muito esquecido através dos séculos de evolução e progresso."

Em vez disso, Thompson afirma que a alegria, mesmo o bem-estar que sentimos quando estamos na natureza, vem de uma profunda conexão com nossas origens metafísicas – uma visão "de nosso status como uma criatura dentro do cosmos, criada por Deus que é amor". Dito de forma clara, Thompson argumenta que nos sentimos melhor na natureza porque sentimos uma sensação de admiração, que é "um vislumbre do dom do ser".

Se os benefícios de estar fora surgem de nossa biologia ou de uma conexão com um criador, a evidência de que passar tempo fora é bom para nós é clara e conclusiva. Isso é notavelmente verdadeiro durante os meses de inverno, nos quais as horas de luz do dia são mais curtas e, à medida que a temperatura cai, tendemos a passar mais tempo dentro de casa.

De acordo com alguns estudos, durante os meses frios de inverno, passamos quase o dobro do tempo dentro de casa, inclusive quando nos exercitamos, do que durante o verão. Embora isso não seja surpreendente, mais tempo dentro de casa aumenta nossa exposição a alérgenos – como ácaros – conhecidos por causar dificuldades respiratórias como asma, especialmente em crianças.

Quando combinamos nosso tempo aumentado dentro de casa com dias de inverno mais curtos, diminuímos nossa exposição à luz solar, o que, por sua vez, reduz nossos níveis de vitamina D, essencial para combater infecções como a COVID-19. Tomados em conjunto, a queda da luz solar durante o inverno, o aumento da exposição a alérgenos e a falta de vitamina D afetam nossa saúde mental e física.

No entanto, há boas notícias: apenas 10 a 20 minutos passados ao ar livre durante os meses de inverno demonstraram melhorar a saúde física e mental, de acordo com um estudo. E os benefícios de estar ao ar livre não estão ligados a nenhuma atividade específica – caminhar, construir um boneco de neve ou apenas ficar do lado de fora pode ajudar a melhorar nossa saúde durante os meses de inverno.

Nos dias mais frios, quando a temperatura está abaixo de zero, certifique-se de se vestir adequadamente. Camadas de roupas funcionam melhor, e roupas feitas de fibras naturais, como lã ou penugem, tendem a funcionar melhor do que as sintéticas. A roupa de algodão irá mantê-lo mais quente do que o poliéster, mas como é uma fibra natural, tende a absorver e reter a umidade (do clima ou da nossa transpiração) e, quando molhada, é um isolante pobre.

Vestir-se bem e manter-se aquecido pode tornar ir ao ar livre no inverno um prazer em vez de uma tarefa e ajudar a garantir o desejo de sair. Como diz o velho ditado escandinavo: "Não há mau tempo, apenas roupas ruins".


194 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page