top of page

A Pfizer escondeu dados sobre a diminuição da imunidade, enquanto milhões faziam fila para V@c



Novos registros regulatórios mostram que a Pfizer tinha evidências, no início da campanha de vacinação, de que a eficácia de sua vacina diminuiu, mas esperou meses antes de alertar o público.


No final de 2020, as vias aéreas ficaram saturadas com relatos triunfantes das vacinas "95% eficazes" contra a covid-19 da Pfizer e da Moderna. Milhões arregaçaram as mangas com a crença de que alcançar a imunidade de rebanho acabaria com a pandemia.

Mas, em junho de 2021, a história do fim do jogo da pandemia havia saído do roteiro. Países altamente vacinados como Israel estavam experimentando uma nova onda de infecções por covid, as taxas de vacinação estavam começando a desacelerar e o ceticismo público estava se tornando uma bola de neve.

As autoridades tentaram acalmar os temores dizendo que novas infecções eram "avanços raros", mas os dados se tornaram muito difíceis de ignorar.

No início de julho, o Ministério da Saúde de Israel informou que a eficácia da vacina contra infecções e doenças sintomáticas havia caído para 64%. Três semanas depois, estimativas revisadas colocam a vacina da Pfizer em apenas 39% de eficácia.

Divulgação atrasada

Os registros regulatórios datados de abril de 2021 mostram que a Pfizer tinha fortes evidências de que a eficácia de sua vacina diminuiu – resultados que a empresa não divulgou publicamente até o final de julho.

Peter Doshi, professor associado da Escola de Farmácia da Universidade de Maryland, acessou esses documentos do regulador de medicamentos canadense, Health Canada.

"Está claro nos documentos que essas análises tinham quase quatro meses de idade no momento em que se tornaram públicas", disse Doshi.

"É decepcionante que nem a Pfizer, nem os reguladores, divulgaram esses dados até que fosse óbvio demais ignorar novos surtos em Israel e Massachusetts, o que deixou claro que o desempenho da vacina não estava se sustentando".

Quando as vacinas de mRNA foram autorizadas pela primeira vez em 2020, os cientistas da FDA listaram "lacunas" críticas na base de conhecimento. Dois deles - eficácia contra a transmissão viral e duração da proteção.

Mas em 1º de abril de 2021, quando a Pfizer anunciou seus dados de 6 meses de seu teste de fase III, não houve menção à diminuição da imunidade pela Pfizer ou pelos reguladores. Pelo contrário, as autoridades repetiram pontos de discussão padrão.

Falando em rede nacional de TV, Anthony Fauci disse ao público americano que "quando você é vacinado, você não apenas protege sua própria saúde ... você se torna um beco sem saída para o vírus".

Então, em uma campanha de vacinação de porta em porta, Fauci disse a um residente não vacinado: "na chance muito, muito, muito rara de você obtê-lo, mesmo que esteja vacinado ... você nem se sente doente, é como se você nem soubesse que foi infectado."

Martin Kulldorff, bioestatístico e professor de medicina em Harvard (de licença), diz que está desapontado com a falta de transparência.

"Na saúde pública, é importante ser honesto com o público. A Pfizer deveria ter relatado o declínio da eficácia da vacina em seu comunicado de imprensa de 1º de abril de 2021, que eles claramente sabiam na época", disse Kulldorff.

A Pfizer não deu nenhuma explicação sobre por que atrasou a publicação de seus dados. A FDA não confirmou quando soube pela primeira vez sobre a diminuição da eficácia e a Health Canada não respondeu até o prazo.

Resultado da ocultação de dados?

Nesse atraso de quatro meses, aproximadamente 90 milhões de americanos fizeram fila para se vacinar (ver gráfico), sem saber que os dados já estavam em mãos, sugerindo que duas doses podem não ser o pedido final.


Doshi especulou que, se o público foi informado sobre a diminuição da eficácia em abril de 2021, isso pode ter dificultado uma campanha de vacinação que teve um enorme impulso.

"Divulgar publicamente que a eficácia diminuiu tão logo após a autorização pode ter minado a credibilidade das autoridades, que vinham projetando grande confiança sobre a capacidade das vacinas de acabar com a pandemia", disse Doshi.

"Além disso, a avaliação de segurança foi baseada em um curso de duas doses, de modo que a publicação de dados que podem impulsionar uma conversa sobre pessoas que precisam de doses extras certamente poderia ter levantado questões sobre a segurança da vacina", acrescentou Doshi.

Poucas semanas depois de a Pfizer publicar seus dados sobre a diminuição da eficácia, o presidente Biden determinou que todos os trabalhadores federais (e funcionários de empreiteiros) fossem vacinados dentro de 75 dias, caso contrário, enfrentariam punição ou teriam seu emprego encerrado.


1.555 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page