top of page

Alimentos ultraprocessados podem levar ao declínio cognitivo





Resumindo: Os alimentos ultraprocessados têm sido associados ao declínio cognitivo acelerado associado ao envelhecimento e a um risco aumentado de desenvolver demência. Os pesquisadores dizem que pode ser possível mitigar alguns efeitos negativos da dieta sobre a cognição adotando uma dieta mais saudável, como a dieta cetogênica ou mediterrânea.

Os cientistas sabem há anos que dietas pouco saudáveis – particularmente aquelas que são ricas em gordura e açúcar – podem causar alterações prejudiciais ao cérebro e levar ao comprometimento cognitivo.

Muitos fatores que contribuem para o declínio cognitivo estão fora do controle de uma pessoa, como fatores genéticos e socioeconômicos. Mas pesquisas em andamento indicam cada vez mais que uma dieta pobre é um fator de risco para deficiências de memória durante o envelhecimento normal e aumenta o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

Mas ao avaliar como algumas dietas podem corroer a saúde do cérebro à medida que envelhecemos, a pesquisa sobre os efeitos do consumo de alimentos minimamente processados versus ultraprocessados tem sido escassa – isto é, até agora.

Dois estudos recentes em larga escala sugerem que comer alimentos ultraprocessados pode exacerbar o declínio cognitivo relacionado à idade e aumentar o risco de desenvolver demência. Em contraste, outro estudo recente relatou que o consumo de alimentos ultraprocessados não estava associado a uma pior cognição em pessoas com mais de 60 anos.

Embora mais pesquisas sejam necessárias, como neurocientista que pesquisa como a dieta pode influenciar a cognição mais tarde na vida, acho que esses primeiros estudos adicionam uma nova camada para considerar como a nutrição é fundamental para a saúde do cérebro.

Muitos ingredientes, nutrição mínima

Os alimentos ultraprocessados tendem a ser mais baixos em nutrientes e fibras e mais ricos em açúcar, gordura e sal em comparação com alimentos não processados ou minimamente processados. Alguns exemplos de alimentos ultraprocessados incluem refrigerantes, biscoitos embalados, batatas fritas, refeições congeladas, nozes aromatizadas, iogurte aromatizado, bebidas alcoólicas destiladas e fast foods. Mesmo os pães embalados, incluindo aqueles ricos em grãos integrais nutritivos, qualificam-se como ultraprocessados em muitos casos por causa dos aditivos e conservantes que contêm.

Outra maneira de olhar para isso: você provavelmente não encontrará os ingredientes que compõem a maioria desses alimentos em sua cozinha doméstica.

Mas não confunda alimentos ultraprocessados com alimentos processados, que ainda mantêm a maioria de suas características naturais, embora tenham passado por alguma forma de processamento – como vegetais enlatados, massas secas ou frutas congeladas.

Analisando a pesquisa

Em um estudo de dezembro de 2022, os pesquisadores compararam a taxa de declínio cognitivo ao longo de aproximadamente oito anos entre grupos de pessoas que consumiram diferentes quantidades de alimentos ultraprocessados.

No início do estudo, mais de 10 mil participantes residentes no Brasil relataram seus hábitos alimentares dos últimos 12 meses. Então, nos anos seguintes, os pesquisadores avaliaram o desempenho cognitivo dos participantes com testes padrão de memória e função executiva.

Aqueles que comeram uma dieta contendo mais alimentos ultraprocessados no início do estudo mostraram um pouco mais de declínio cognitivo em comparação com aqueles que comeram pouco ou nenhum alimento ultraprocessado. Esta foi uma diferença relativamente modesta na taxa de declínio cognitivo entre os grupos experimentais. Ainda não está claro se a pequena diferença no declínio cognitivo associada ao maior consumo de alimentos ultraprocessados terá um efeito significativo no nível de uma pessoa individual.

O segundo estudo, com cerca de 72.000 participantes no Reino Unido, mediu a associação entre a ingestão de alimentos ultraprocessados e demência. Para o grupo que comeu as maiores quantidades de alimentos ultraprocessados, aproximadamente 1 em cada 120 pessoas foram diagnosticadas com demência durante um período de 10 anos. Para o grupo que consumiu pouco ou nenhum alimento ultraprocessado, esse número foi de 1 em 170.

A pesquisa que examina a relação entre saúde e alimentos ultraprocessados usa a classificação NOVA, que é um sistema de categorização baseado no tipo e extensão do processamento industrial de alimentos. Alguns nutricionistas criticaram a classificação NOVA por não ter definições claras de processamento de alimentos, o que poderia levar a uma classificação incorreta. Eles também argumentam que os riscos potenciais para a saúde do consumo de alimentos ultraprocessados podem ser explicados por baixos níveis de fibras e nutrientes e altos níveis de gordura, açúcar e sal na dieta, em vez da quantidade de processamento.

Muitos alimentos ultraprocessados são ricos em aditivos, conservantes ou corantes, além de terem outras características de uma dieta pouco saudável, como ser pobre em fibras e nutrientes. Assim, não está claro se comer alimentos que passaram por mais processamento tem um impacto negativo adicional na saúde além da baixa qualidade da dieta.

Por exemplo, você pode comer um hambúrguer e batatas fritas de uma cadeia de fast food, que seria rico em gordura, açúcar e sal, além de ser ultraprocessado. Você poderia fazer a mesma refeição em casa, que também poderia ser rica em gordura, açúcar e sal, mas não seria ultraprocessada. Mais pesquisas são necessárias para determinar se um é pior que o outro.

Dietas saudáveis para o cérebro

Mesmo quando os processos que levam à demência não estão ocorrendo, o cérebro envelhecido sofre mudanças bioquímicas e estruturais que estão associadas à piora da cognição.

Mas para adultos com mais de 55 anos, uma dieta mais saudável pode aumentar a probabilidade de manter uma melhor função cerebral. Em particular, a dieta mediterrânea e a dieta cetogênica estão associadas a uma melhor cognição em idade avançada.

A dieta mediterrânea enfatiza o consumo de alimentos à base de plantas e gorduras saudáveis, como azeite, sementes e nozes. A dieta cetogênica é rica em gordura e pobre em carboidratos, com a principal fonte de fibra sendo de vegetais. Ambas as dietas minimizam ou eliminam o consumo de açúcar.

Nossa pesquisa e o trabalho de outros mostram que ambas as dietas podem reverter algumas dessas mudanças e melhorar a função cognitiva – possivelmente reduzindo a inflamação prejudicial. Embora a inflamação seja uma resposta imune normal a lesões ou infecções, a inflamação crônica pode ser prejudicial ao cérebro. Estudos mostraram que o excesso de açúcar e gordura pode contribuir para a inflamação crônica, e os alimentos ultraprocessados também podem exacerbar a inflamação prejudicial.

Outra maneira pela qual a dieta e os alimentos ultraprocessados podem influenciar a saúde do cérebro é através do eixo intestino-cérebro, que é a comunicação que ocorre entre o cérebro e o microbioma intestinal, ou a comunidade de microrganismos que vivem no trato digestivo.

Não só o microbioma intestinal ajuda na digestão, mas também influencia o sistema imunológico, enquanto produz hormônios e neurotransmissores que são críticos para a função cerebral.

Estudos têm demonstrado que as dietas cetogênica e mediterrânea alteram a composição de micro-organismos no intestino de maneiras que beneficiam a pessoa. O consumo de alimentos ultraprocessados também está associado a alterações no tipo e abundância de microrganismos intestinais que têm efeitos mais nocivos.

As incertezas

Desembaraçar os efeitos específicos de alimentos individuais no corpo humano é difícil, em parte porque manter um controle rigoroso sobre as dietas das pessoas para estudá-las por longos períodos de tempo é problemático. Além disso, ensaios clínicos randomizados e controlados, o tipo mais confiável de estudo para estabelecer causalidade, são caros de realizar.

Até agora, a maioria dos estudos nutricionais, incluindo esses dois, mostrou apenas correlações entre o consumo de alimentos ultraprocessados e a saúde. Mas eles não podem descartar outros fatores de estilo de vida, como exercício, educação, status socioeconômico, conexões sociais, estresse e muitas outras variáveis que podem influenciar a função cognitiva.

É aqui que os estudos baseados em laboratório usando animais são incrivelmente úteis. Os ratos mostram declínio cognitivo na velhice que se assemelha aos seres humanos. É fácil controlar dietas de roedores e níveis de atividade em laboratório. E os ratos vão da meia-idade para a velhice dentro de meses, o que encurta os tempos de estudo.

Estudos baseados em laboratório em animais permitirão determinar se os alimentos ultraprocessados estão desempenhando um papel fundamental no desenvolvimento de deficiências cognitivas e demência em pessoas. À medida que a população mundial envelhece e o número de adultos mais velhos com demência aumenta, esse conhecimento não pode vir em breve.


Author: Sara N. Burke

Source: The Conversation

Contact: Sara N. Burke – The Conversation


96 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page