top of page

Alvo potencial para terapêutica contra transtornos alimentares identificado




A uridina, um precursor do RNA, aumenta a fome quando ingerida, relata um novo estudo. As descobertas oferecem esperança para o desenvolvimento de novas terapias para ajudar a tratar aqueles que sofrem de distúrbios alimentares.

Fonte: Instituto Max Planck

A uridina não é apenas um bloco de construção central do RNA, mas também pode aumentar a sensação de fome quando ingerida, como pesquisadores do Instituto Max Planck de Pesquisa do Metabolismo e do Hospital Universitário de Colônia mostraram agora. A longo prazo, a uridina pode ser um alvo potencial para terapias contra transtornos alimentares em humanos.

A uridina é conhecida principalmente como um precursor do RNA, mas também desempenha um papel central em muitos outros processos no corpo. Em camundongos, pesquisadores do Instituto Max Planck de Pesquisa do Metabolismo descobriram há vários anos que a uridina tem uma função importante no controle do comportamento alimentar.

"Queríamos saber se a uridina também controla o comportamento alimentar em humanos. Em humanos, no entanto, tais estudos são muito mais complicados porque, por exemplo, a interação social tem uma grande influência. Quando outras pessoas observam o que comemos, isso pode nos levar a mudar nosso comportamento alimentar", explica Ruth Hanssen, uma das primeiras autoras do estudo.


Para minimizar essa influência, os voluntários foram separados uns dos outros antes de receberem uridina por via oral. Os voluntários foram então autorizados a comer o quanto quisessem durante o dia e foram convidados a indicar o quão famintos eles se sentiam. Eles também tiveram sangue coletado para medir a quantidade de uridina estava presente em seu sangue.

Aumento da fome após a ingestão de uridina

Os pesquisadores foram capazes de demonstrar que os indivíduos estavam significativamente mais famintos depois de tomar uridina e também consumiram mais dos alimentos oferecidos. O efeito foi particularmente forte quando a uridina foi administrada em doses que não eram muito altas.

"Agora sabemos que a uridina também pode controlar a ingestão de alimentos em humanos. Também pode ser capaz de ajudar a aumentar a sensação de fome em pacientes com distúrbios alimentares como um suplemento dietético.

"No entanto, ainda não sabemos se o efeito da uridina é forte o suficiente para superar as causas psicológicas. Mais estudos clínicos são necessários para isso", explica Lionel Rigoux, o outro primeiro autor do estudo.

Author: Press Office

Source: Max Planck Institute

Original Research: Open access.

“Circulating uridine dynamically and adaptively regulates food intake in humans” by Ruth Hanssen et al. Cell Reports Medicine



137 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page