top of page

Amígdalas: Guardiões silenciosos da imunidade, maneiras de curá-los (Parte 1)




A Série Sistema Imunológico Milagroso

A pandemia C19 nos deu uma oportunidade única de descobrir o verdadeiro poder de nossa imunidade inata – um dom de imenso poder. Com essa força incrível, alguns indivíduos foram capazes de combater o vírus sem experimentar um único sintoma.

Nesta série, "O Sistema Imunológico Milagroso", exploraremos a camada sobre camada do sistema imunológico de moléculas, células, tecidos e órgãos especializados que trabalham incansavelmente para nos proteger. Também forneceremos maneiras práticas de proteger esses dons vitais.

Imunidade Divinamente Dotada

Nossas amígdalas são nós macios, de forma oval, nem carne nem gordura, que ficam como guarda-costas no lugar onde o exterior entra em nosso interior. Eles trabalham incansavelmente para nos proteger contra vírus e germes que entram pelo ar que respiramos e pelos alimentos que comemos.

A maioria das pessoas só sabe que às vezes os médicos removem amígdalas para resolver um problema, como a amigdalite crônica. Raramente as consequências potenciais deste procedimento são descritas e nem o papel essencial que as amígdalas desempenham.

Resumo dos principais fatos

· As amígdalas são uma parte do sistema linfático que formam uma estrutura de gatekeeper ( porteiro) em forma de anel na garganta.

· Devido à sua importância estratégica em nosso sistema imunológico, as amígdalas têm papéis de "guardião" e "mensageiro".

· A amigdalite é um processo de treinamento e maturação das amígdalas.

· O tratamento médico da amigdalite com antibióticos pode ter limitações e efeitos colaterais.

· Ervas naturais são benéficas na redução dos sintomas da amigdalite.

· A combinação de antibióticos com terapias naturais à base de plantas pode ter um efeito sinérgico.

· Existem algumas maneiras de proteger as amígdalas.


Amígdalas como Gatekeepers

A área da amígdala é rica em células imunes.

Quando vírus e bactérias deslizam pela boca e nariz, as amígdalas ficam prontas, 24 horas por dia, guardando a garganta – o portão do seu corpo.

As amígdalas são tecido linfático. Eles são compostos de quatro partes: a adenoide, as duas amígdalas tubárias, as duas amígdalas palatinas e as amígdalas linguais. Juntos, estes formam um robusto anel de defesa conhecido como anel de Waldeyer.

As amígdalas palatinas têm cerca de 15 pequenos espaços chamados criptas, que aumentam sua área de superfície para aumentar a capacidade de filtrar patógenos externos.

A adenoide, também chamada de amígdala faríngea, é uma massa de tecido linfático semelhante às amígdalas palatinas que pendem da parte superior da parte de trás da cavidade nasal e, juntamente com outras partes das amígdalas, não podem ser vistas. A adenoide tende a encolher após a primeira infância e, na adolescência, muitas vezes desaparece quase completamente.

As quatro partes das amígdalas formam uma estrutura em forma de anel conhecida como anel de Waldeyer.

O principal trabalho das amígdalas é capturar vírus ou germes dos alimentos que comemos e do ar que inalamos. A área da amígdala normalmente recebe mais fluxo sanguíneo para ajudar a combater infecções comuns.

Em suma, o papel das amígdalas é proteger seu território – você. Se esses guardiões cochilarem, o inimigo, como um vírus, entrará sorrateiramente. As amígdalas usam sentidos perceptivos para se proteger contra invasores. Eles podem identificar e eliminar o vírus COVID-19 e suas variantes e milhares de outros vírus.

Além disso, de acordo com um estudo publicado em 8 de março de 2023 na revista Nature, os neurônios das amígdalas podem transmitir moléculas mensageiras ao cérebro para iniciar os comportamentos de doença durante uma infecção por gripe que ordenam que o corpo descanse ou coma menos. Isso fortalece o papel das amígdalas como guardião e mensageiro do corpo.

Todos nós já experimentamos o poder de nossas amígdalas. Um sinal comum de doença é uma dor de garganta ou desconforto na garganta. Embora possamos vê-lo como uma doença menor, podemos não estar cientes de que são as amígdalas nos alertando sobre uma violação imunológica e que devemos nos preparar para a batalha.


Papel essencial no sistema imunológico

Nossas amígdalas têm uma camada de células epiteliais que servem como células de sinal da linha de frente detectando e limpando corpos estranhos.

Essas células são conectadas por junções apertadas, formando uma barreira sólida contra a entrada de vírus e bactérias. Se eles sentirem que os invasores podem ter excedido sua capacidade de depuração, as células epiteliais passarão o sinal para outras tropas de imunidade.

Existem muitas células imunes especificamente projetadas especializadas em diferentes funções. Por exemplo, algumas células capturam e absorvem os antígenos produzidos por vírus e bactérias, algumas enviam sinais para outras, algumas são boas em matar um vírus diretamente e outras podem produzir anticorpos.

Os anticorpos, um tipo de proteína, podem se ligar a fragmentos específicos de proteínas na superfície de um vírus. Eles podem neutralizar e limpar o vírus do corpo.

Nossas amígdalas abrigam muitas dessas células que podem gerar vários tipos de anticorpos (por exemplo, IgA, IgD, IgE, IgG e IgM). Diferentes tipos de anticorpos são como irmãos em uma grande família, gerados em vários momentos durante uma infecção ou sob condições anormais, cada um visando diferentes células ou tecidos.

Durante o crescimento fetal, as amígdalas estão entre as primeiras regiões onde muitas células imunes se desenvolvem devido à sua localização estratégica. Elas se desenvolvem precocemente, por volta da 14ª semana de gestação.

Pesquisas recentes demonstram que, como o timo, as amígdalas demonstraram expressar intermediários de desenvolvimento de células T que se assemelham aos encontrados no timo e na medula óssea. Essa descoberta pode ter implicações clínicas e científicas significativas porque as células T são um tipo crítico de glóbulos brancos, células imunes que são a espinha dorsal da resposta imune adaptativa.


Amigdalite: Processo de aprendizagem para se tornar mais forte

Durante uma batalha exaustiva contra vírus ou bactérias, nossas amígdalas podem ficar aumentadas, inchadas e vermelhas. Muitas vezes sentiremos isso na forma de desconforto na área da garganta. Esses são sinais típicos de amigdalite. O inchaço é causado por um acúmulo de fluido linfático, vírus, bactérias e células imunes, e a vermelhidão resulta do aumento do fluxo sanguíneo para a área.

Em 50 a 80 por cento dos casos de amigdalite aguda, vírus como Epstein-Barr, rinovírus, vírus sincicial respiratório, adenovírus e coronavírus são a causa. Em 5 a 36 por cento dos casos, a infecção é causada por bactérias, com estreptococos beta-hemolíticos do Grupo A sendo o tipo mais comum na amigdalite.

A amigdalite ocorre frequentemente durante nossos anos mais jovens, quando nossas amígdalas ainda não são fortes o suficiente para combater vírus e bactérias de forma eficaz, apesar de seus melhores esforços. Desenvolver amigdalite não significa necessariamente que nosso sistema imunológico é fraco. Na verdade, muitas vezes sugere que nosso sistema imunológico está se desenvolvendo e se tornando mais forte à medida que aprende a combater esses invasores.

Amigdalite recorrente durante a juventude indica dinâmica entre as amígdalas, o sistema imunológico e vírus ou germes externos. Contrair amigdalite não significa que as amígdalas não estão fazendo seu trabalho – significa que elas estão lutando em meio à luta. Amígdalas jovens precisam de tempo para crescer mais forte. A amigdalite indica que as amígdalas estão sobrecarregadas e é um sinal de ajuda.


Tratamentos de amigdalite e suas limitações

Quando as amígdalas estão esgotadas, qualquer método que possa ajudar a limpar vírus ou germes, reduzir a inflamação ou aumentar a imunidade irá ajudá-los a se recuperar.

A medicina moderna se concentra principalmente no tratamento dos sintomas da amigdalite aguda usando fluidos para reidratar o corpo, ou drogas, como inibidores da dor e da febre, e corticosteroides para reduzir a inflamação.

Os antibióticos são prescritos se houver a possibilidade de que as bactérias estejam causando a infecção, mas muitas vezes é difícil dizer apenas observando os sintomas. Além disso, confiar em antibióticos pode levar a bactérias resistentes a antibióticos, o que pode ser prejudicial. Essas drogas também danificam o microbioma, que desempenha um papel essencial na função imunológica.

Alguns medicamentos usados para tratar a amigdalite aguda têm efeitos colaterais, como sangramento gastrointestinal causado por anti-inflamatórios não esteroides e supressão da respiração causada por opioides.

A remoção das amígdalas através de cirurgia às vezes é usada para tratar amigdalite aguda recorrente, mas geralmente não é feita durante a fase aguda da infecção e pode ter benefícios limitados a longo prazo.

Além de antibióticos e outras intervenções médicas, as ervas naturais podem ajudar as amígdalas a lutar e curar. A combinação de diferentes formas de terapia pode resultar em um efeito sinérgico, pois elas funcionam através de diferentes mecanismos de ação.


Maneiras sinérgicas de apoiar as amígdalas

Equinácea com azitromicina

Um estudo prospectivo randomizado e controlado de 300 crianças com amigdalite recorrente teve como objetivo medir a eficácia dos tratamentos profiláticos para prevenir a recorrência. O estudo descobriu que o uso combinado de equinácea comercialmente disponível com o antibiótico azitromicina produziu melhores resultados do que a azitromicina sozinha. Foi relatado que a azitromicina causa eventos adversos, incluindo eventos cardíacos letais, portanto, é necessário cautela.

A equinácea vem em várias formas, como suplementos, líquidos, cremes, enxaguatórios bucais e sprays para a garganta. A dosagem de equinácea varia dependendo do tipo de produto utilizado. É importante consultar um profissional de saúde para determinar o tipo de produto apropriado e dosagem para uma condição específica.


Chá verde

O chá verde é uma rica fonte de antioxidantes com propriedades anti-inflamatórias. O chá verde também pode ajudar a aliviar os sintomas de dor de garganta, comuns de faringite (inflamação da parte de trás da garganta), que muitas vezes acompanha a amigdalite. Pesquisadores relataram em Anestesiologia e Medicina da Dor que o chá verde gargarejo ajuda a afastar os sintomas de dor de garganta em pacientes pós-operatórios.


Raiz de alcaçuz, raiz de bérberis, tomilho e orégano

Um estudo in vitro (tubo de ensaio) investigou infusões de água quente de 13 ervas diferentes que podem ajudar a se defender contra a faringite causada por estreptococos, o tipo mais comum de infecção bacteriana na garganta. Faringite e amigdalite são condições intimamente ligadas que muitas vezes compartilham a mesma causa e tratamento. As ervas mais eficazes para faringite de acordo com o estudo incluem:

· Raiz de alcaçuz, a mais rápida e potente

· Raiz de bérberis

· Tomilho

· Brotos de floração de orégano

Dente de leão, hortelã

Uma revisão sistemática, publicada no estimado Cochrane Database of Systematic Reviews, analisou 12 ensaios clínicos randomizados e controlados que avaliaram fitoterápicos chineses para o tratamento de dor de garganta e amigdalite envolvendo 1.954 participantes. Os seguintes remédios foram encontrados para ser mais eficaz do que os antibióticos em seus estudos.

O dente-de-leão foi mais eficaz do que a penicilina sódica para amigdalite purulenta aguda.

Outra mistura de tratamento foi mais eficaz do que a inalação atomizada com gentamicina (nebulização) para faringite aguda. Continha principalmente as seguintes ervas:

· Menta

· Solidéu

· Crisântemo selvagem

· Madressilva

· Houttuynia cordata

Sho-Saiko-To

Uma receita chamada "Sho-saiko-to" tem sido registrada há muito tempo em livros didáticos de medicina tradicional chinesa para tratar faringite ou amigdalite. A receita é composta por seis ervas:

· Raiz de Bupleurum

· Raiz de Scutellaria

· Raiz de ginseng

· Tubérculo Pinellia

· Raiz de Glycyrrhiza

· Rizoma de gengibre

Pesquisadores japoneses testaram uma receita adaptada, Sho-saiko-to-ka-kikyo-sekko, e relataram que ela reduziu os episódios de amigdalite crônica por mais de dois anos em um pequeno ensaio clínico. Em alguns casos, os pacientes até cancelaram amigdalectomias planejadas. Esta receita adicionou gesso, raiz de Platycodon e fruta jujuba.

Ervas chinesas

Uma metanálise de 110 ensaios clínicos randomizados e controlados analisou 12.152 pacientes com amigdalite aguda. Descobriu-se que a combinação de injeções de ervas chinesas com a medicina ocidental resultou em uma melhoria de 89,5% na eficácia clínica, reduções no tempo para aliviar a dor de garganta, amígdalas vermelhas e inchadas e exsudato amigdaliano variando de 76,8% a 94,8%, e teve uma incidência de reações adversas de menos de 4,62%.

Os seguintes ingredientes ativos principais foram listados:

· Forsythia suspensa |

· Vahl •

· Lonicera japonica Thunb

· Scutellaria baicalensis Georgi (ingrediente-chave; Baicalin)

· Isatis tinctoria L

· Gardênia jasminoides J.Ellis


Dicas para proteger amígdalas

Como as amígdalas desempenham um papel tão significativo na defesa contra vírus e germes, manter e otimizar sua função é aconselhável.

A maioria dos vírus e bactérias são transmitidos através do ar. Nossas amígdalas são facilmente sobrecarregadas quando vivemos em um ambiente com muitos patógenos.

· Uma sugestão simples é manter nossos espaços limpos e bem ventilados para reduzir o risco de exposição. Além disso, evitar a fumaça é crucial, pois as toxinas na fumaça são prejudiciais.

· Manter a hidratação adequada também é um fator crítico na promoção da saúde da garganta. A umidade adequada do ar e a ingestão suficiente de água podem ajudar a manter nossas amígdalas saudáveis.

· Alimentos e bebidas são outras fontes de patógenos que podem afetar a saúde da garganta, pois tudo o que consumimos passa por essa área. Para minimizar o risco de exposição, coma alimentos orgânicos, nutritivos e integrais. Comer muitos vegetais e frutas suporta o funcionamento básico do nosso sistema imunológico.

Ao incorporar remédios mais naturalmente derivados em nossas rotinas diárias, também podemos impulsionar nosso sistema imunológico e apoiar melhor nossas amígdalas para ajudar a prevenir doenças respiratórias.

No próximo artigo:

A amigdalectomia, ou remoção cirúrgica das amígdalas, é um dos procedimentos cirúrgicos mais comuns nos Estados Unidos. Embora os benefícios da redução das infecções de garganta tenham sido evidentes dentro de um ano após a amigdalectomia, eles não persistiram além de um ano.

Um estudo acompanhou uma grande coorte de mais de 1,18 milhão de crianças dinamarquesas por 10 a 30 anos – os resultados foram surpreendentes.


◇ References

Baugh, R. F., Archer, S. M., Mitchell, R. B., Rosenfeld, R. M., Amin, R., Burns, J. J., Darrow, D. H., Giordano, T., Litman, R. S., Li, K. K., Mannix, M. E., Schwartz, R. H., Setzen, G., Wald, E. R., Wall, E., Sandberg, G., Patel, M. M., & American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery Foundation (2011). Clinical practice guideline: tonsillectomy in children. Otolaryngology—head and neck surgery: official journal of American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery, 144(1 Suppl), S1–S30. https://doi.org/10.1177/0194599810389949

Meegalla N, Downs BW. Anatomy, Head and Neck, Palatine Tonsil (Faucial Tonsils) [Updated 2022 Jun 11]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2022 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK538296/#

Bin, NR., Prescott, S.L., Horio, N. et al. An airway-to-brain sensory pathway mediates influenza-induced sickness. Nature (2023). https://doi.org/10.1038/s41586-023-05796-0

Drew L. (2023). How the brain senses a flu infection – and orders the body to rest. Nature, 10.1038/d41586-023-00675-0. Advance online publication. https://doi.org/10.1038/d41586-023-00675-0

von Gaudecker, B., & Müller-Hermelink, H. K. (1982). The development of the human tonsilla palatina. Cell and tissue research, 224(3), 579–600. https://doi.org/10.1007/BF00213754

McClory S, Hughes T, Freud AG, Briercheck EL, Martin C, Trimboli AJ, Yu J, Zhang X, Leone G, Nuovo G, Caligiuri MA. Evidence for a stepwise program of extrathymic T cell development within the human tonsil. J Clin Invest. 2012 Apr;122(4):1403-15. doi: 10.1172/JCI46125.

Tai, F. W. D., & McAlindon, M. E. (2021). Non-steroidal anti-inflammatory drugs and the gastrointestinal tract. Clinical medicine (London, England), 21(2), 131–134. https://doi.org/10.7861/clinmed.2021-0039.

Kiyatkin E. A. (2019). Respiratory depression and brain hypoxia induced by opioid drugs: Morphine, oxycodone, heroin, and fentanyl. Neuropharmacology, 151, 219–226. https://doi.org/10.1016/j.neuropharm.2019.02.008.

Abdel-Naby Awad OG. Echinacea can help with Azithromycin in prevention of recurrent tonsillitis in children. Am J Otolaryngol. 2020 Jul-Aug;41(4):102344. doi: 10.1016/j.amjoto.2019.102344.

Huang, Y., Wu, T., Zeng, L., & Li, S. (2012). Chinese medicinal herbs for sore throat. The Cochrane database of systematic reviews, (3), CD004877. https://doi.org/10.1002/14651858.CD004877.pub3

Zaroff JG, Cheetham TC, Palmetto N, et al. Association of Azithromycin Use With Cardiovascular Mortality. JAMA Netw Open. 2020;3(6):e208199. doi:10.1001/jamanetworkopen.2020.8199

Goto, F., Asama, Y., & Ogawa, K. (2010). Sho-saiko-to-ka-kikyo-sekko as an alternative treatment for chronic tonsillitis to avoid surgery. Complementary therapies in clinical practice, 16(4), 216–218. https://doi.org/10.1016/j.ctcp.2010.02.006

Jafari H, Ariaeifar MR, Yazdani Charati J, Soleimani A, Nasiri Formi E. The Effect of Green Tea Gargle Solution on Sore Throat After Coronary Artery Bypass Grafting: A Randomized Clinical Trial. Anesth Pain Med. 2016 May 9;6(3):e32108. doi: 10.5812/aapm.32108.

Wijesundara NM, Rupasinghe HPV. Herbal Tea for the Management of Pharyngitis: Inhibition of Streptococcus pyogenes Growth and Biofilm Formation by Herbal Infusions. Biomedicines. 2019; 7(3):63. https://doi.org/10.3390/biomedicines7030063

El-Anwar, M. W., Elzayat, S., & Fouad, Y. A. (2020). ENT manifestation in COVID-19 patients. Auris, nasus, larynx, 47(4), 559–564. https://doi.org/10.1016/j.anl.2020.06.003

Capriotti, V., Mattioli, F., Guida, F., Marcuzzo, A. V., Lo Manto, A., Martone, A., Molinari, G., Fabbris, C., Menegaldo, A., Calvanese, L., Latini, G., Cingolani, C., Gradoni, P., Boscolo Nata, F., De Sisti, C., Selle, V., Leone, G., Indelicato, P., Pilolli, F., Mevio, N., … Tirelli, G. (2021). COVID-19 in the tonsillectomised population. Acta otorhinolaryngologica Italica : organo ufficiale della Societa italiana di otorinolaringologia e chirurgia cervico-facciale, 41(3), 197–205. https://doi.org/10.14639/0392-100X-N1436

Descamps, G., Verset, L., Trelcat, A., Hopkins, C., Lechien, J. R., Journe, F., & Saussez, S. (2020). ACE2 Protein Landscape in the Head and Neck Region: The Conundrum of SARS-CoV-2 Infection. Biology, 9(8), 235. https://doi.org/10.3390/biology9080235

Qin, L., Zhang, Z., Guo, M., Zhang, Q., Wang, Q., Lu, Z., Zhao, H., Liu, Y., Fu, S., Wang, M., & Gao, X. (2016). Plasma metabolomics combined with lipidomics profiling reveals the potential antipyretic mechanisms of Qingkailing injection in a rat model. Chemico-biological interactions, 254, 24–33. https://doi.org/10.1016/j.cbi.2016.05.022

Gao, X., Guo, M., Peng, L., Zhao, B., Su, J., Liu, H., Zhang, L., Bai, X., & Qiao, Y. (2013). UPLC Q-TOF/MS-Based Metabolic Profiling of Urine Reveals the Novel Antipyretic Mechanisms of Qingkailing Injection in a Rat Model of Yeast-Induced Pyrexia. Evidence-based complementary and alternative medicine : eCAM, 2013, 864747. https://doi.org/10.1155/2013/864747

Shang, W., Wang, X. S., Zou, D. Y., Zhang, Z. N., Liao, X. R., & Yuan, J. (2013). Zhongguo Zhong xi yi jie he za zhi Zhongguo Zhongxiyi jiehe zazhi = Chinese journal of integrated traditional and Western medicine, 33(4), 506–509.

Tang, Y., Wang, Z., Huo, C., Guo, X., Yang, G., Wang, M., Tian, H., Hu, Y., & Dong, H. (2018). Antiviral effects of Shuanghuanglian injection powder against influenza A virus H5N1 in vitro and in vivo. Microbial pathogenesis, 121, 318–324. https://doi.org/10.1016/j.micpath.2018.06.004

Su, H. X., Yao, S., Zhao, W. F., Li, M. J., Liu, J., Shang, W. J., Xie, H., Ke, C. Q., Hu, H. C., Gao, M. N., Yu, K. Q., Liu, H., Shen, J. S., Tang, W., Zhang, L. K., Xiao, G. F., Ni, L., Wang, D. W., Zuo, J. P., Jiang, H. L., … Xu, Y. C. (2020). Anti-SARS-CoV-2 activities in vitro of Shuanghuanglian preparations and bioactive ingredients. Acta pharmacologica Sinica, 41(9), 1167–1177. https://doi.org/10.1038/s41401-020-0483-6

Chen, X., Howard, O. M., Yang, X., Wang, L., Oppenheim, J. J., & Krakauer, T. (2002). Effects of Shuanghuanglian and Qingkailing, two multi-components of traditional Chinese medicinal preparations, on human leukocyte function. Life sciences, 70(24), 2897–2913. https://doi.org/10.1016/s0024-3205(02)01541-2

Windfuhr, J. P., Toepfner, N., Steffen, G., Waldfahrer, F., & Berner, R. (2016). Clinical practice guideline: tonsillitis I. Diagnostics and nonsurgical management. European archives of oto-rhino-laryngology : official journal of the European Federation of Oto-Rhino-Laryngological Societies (EUFOS) : affiliated with the German Society for Oto-Rhino-Laryngology – Head and Neck Surgery, 273(4), 973–987. https://doi.org/10.1007/s00405-015-3872-6

Bird, J. H., Biggs, T. C., & King, E. V. (2014). Controversies in the management of acute tonsillitis: an evidence-based review. Clinical otolaryngology : official journal of ENT-UK ; official journal of Netherlands Society for Oto-Rhino-Laryngology & Cervico-Facial Surgery, 39(6), 368–374. https://doi.org/10.1111/coa.12299

Morad, A., Sathe, N. A., Francis, D. O., McPheeters, M. L., & Chinnadurai, S. (2017). Tonsillectomy Versus Watchful Waiting for Recurrent Throat Infection: A Systematic Review. Pediatrics, 139(2), e20163490. https://doi.org/10.1542/peds.2016-3490


913 visualizações1 comentário

1 Comment


Aguardo ansiosa pelo próximo post sobre este assunto 🙏🏻 meu filho de 5 anos tá pra fazer essa cirurgia de retirada das amígdalas q falaram q é bem grande, e também a retirada da adenóide q tá comprometendo 70% da parte respiratória dele.. ele tem gripe constantemente (quase mensalmente) acompanhadas de dor de ouvido e garganta inflamada.. gostaria de sua sincera opinião sobre isso,ou me indique um especialista por favor. Eu gostaria de uma segunda opinião. Desde já, agradeço!

Like
bottom of page