Anticorpos persistem por mais de um ano após infecção por COVID-19, revela estudo





POR IVAN PENTCHOUKOV

3 de outubro de 2021


Os sistemas imunológicos da grande maioria das pessoas infectadas pelo Sarcv2 continuarão a transportar anticorpos contra o vírus por pelo menos 12 meses, de acordo com um estudo revisado por pares aceito pelo European Journal of Imunology em 24 de setembro.

Cientistas do Instituto Finlandês de Saúde e Bem-Estar estudaram a presença de anticorpos em 1.292 indivíduos oito meses após a infecção. Eles descobriram que 96% dos indivíduos ainda carregavam anticorpos neutralizantes e 66% ainda carregavam um tipo de anticorpo chamado IgG de nucleoproteína.

Os cientistas então investigaram os níveis de anticorpos um ano após a infecção, selecionando aleatoriamente 367 indivíduos da coorte original que ainda não tinham sido vacinados. Oitenta e nove por cento dos indivíduos ainda carregavam anticorpos neutralizantes, e 36% ainda carregavam o anticorpo IgG.

Os níveis de anticorpos foram mais elevados em indivíduos que sofreram grave doença COVID-19. Em comparação com aqueles que tinham doença leve, esses indivíduos tinham de dois a sete vezes mais anticorpos por pelo menos 13 meses após a infecção.

"Estudos de indivíduos que se recuperaram da infecção pós CVD19 são cruciais para determinar por quanto tempo os anticorpos persistem após a infecção e se esses anticorpos protegem contra a reinfecção", escreveram os cientistas(pdf).

Apesar da proteção duradoura contra a cepa original do vírus CCP, o estudo descobriu que a eficiência de neutralização contra as variantes Alfa, Beta e Delta diminuiu com o tempo. A redução da eficiência foi "consideravelmente diminuída" para a variante Beta e foi "apenas ligeiramente reduzida" em relação à variante Alpha. Para a variante Delta, que é a cepa dominante nos Estados Unidos, o estudo descobriu que 80% dos indivíduos ainda tinham proteção imunológica 12 meses após a infecção.

Um estudo publicado na Nature Medicine em maio descobriu que os níveis de anticorpos neutralizantes em uma pessoa são altamente preditivos da proteção imunológica contra infecções e doenças graves causadas pelo vírus comumente conhecido como o novo coronavírus. Estudos anteriores mostraram que os anticorpos persistem de seis a 12 meses após a infecção.

Apesar da proteção robusta e duradoura após uma infecção, os mandatos de vacina contra o vírus sarscv2 nos Estados Unidos não oferecem isenções baseadas na imunidade adquirida. Uma revisão bibliográfica sobre os mandatos de vacinas para faculdades e universidades dos EUA não encontrou uma única escola oferecendo isenções para estudantes que haviam adquirido imunidade. Os mandatos recentes impostos ao nível estadual e federal também ignoraram a imunidade adquirida.

Persistence of neutralizing antibodies a year after SARS-CoV-2 infection in humans Anu Haveri1*, Nina Ekström1*, Anna Solastie1, Camilla Virta1, Pamela Österlund1, Elina Isosaari2, Hanna Nohynek1, Arto A Palmu2, and Merit Melin1 * equal contribution 1 Department of Health Security, Finnish Institute for Health and Welfare, Helsinki, Finland 2 Department of Public Health and Welfare, Finnish Institute for Health and Welfare, Helsinki, Finland Corresponding authors: Anu Haveri and Nina Ekström, Finnish Institute for Health and Welfare, POB 30, 00271 Helsinki, Finland. anu.haveri@thl.fi; nina.ekstrom@thl.fi Co-authors: anna.solastie@thl.fi; camilla.virta@thl.fi; pamela.osterlund@thl.fi; elina.isosaari@thl.fi; hanna.nohynek@thl.fi; arto.palmu@thl.fi; merit.melin@thl.fi Keywords: SARS-CoV-2, neutralizing antibodies, IgG antibodies, seroprevalence, variants of concern Received: 07 22, 2021; Revised: 09 02, 2021; Accepted: 09 24, 2021 This article has been accepted for publication and undergone full peer review but has not been through the copyediting, typesetting, pagination and proofreading process, which may lead to differences between this version and the Version of Record. Please cite this article as doi: 10.1002/eji.202149535.


582 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo