Anticorpos vacinais declinam 7 meses após segunda vacina da Pfizer: estudo dos EUA




Por Tammy Hung

3 de outubro de 2021


Os níveis de anticorpos gerados por duas doses da vacina Pfizer-BioNTech podem sofrer uma redução de até 10 vezes sete meses após a segunda vacinação, sugere a pesquisa.

A queda nos níveis de anticorpos comprometerá a capacidade do corpo de se defender contra o COVID-19 se o indivíduo for infectado.

Em um estudo recente da BioRxiv publicado antes da revisão por pares, muitos receptores da vacina apresentaram declínio substancial de anticorpos para o vírus CCP (Partido Comunista Chinês),ou SARS-CoV-2, e suas variantes, incluindo Delta, Beta e Mu.

Bali Pulendran, da Universidade de Stanford, e Mehul Suthar, da Universidade de Emory, disseram à Reuters que o estudo mostra que "a vacinação com a vacina Pfizer-BioNtech induz altos níveis de anticorpos neutralizantes contra a cepa original da vacina, mas esses níveis caem quase 10 vezes em sete meses".

Embora o corpo tenha outros mecanismos de defesa para afastar o vírus, Pulendran e Suthar acrescentaram que os anticorpos "são criticamente importantes na proteção contra a infecção pelo SARS-CoV-2".

O estudo concentrou-se em 56 participantes saudáveis que receberam duas doses da vacina Pfizer-BioNTech. O sangue dos participantes foi testado uma vez após receber a segunda vacina e mais uma vez após seis meses.

Pesquisadores sugeriram a administração de um terceiro reforço vacinal como medida para melhorar a eficácia da vacina.

Relatos anteriores de dados de um estudo de fase um mostraram que os participantes tinham um nível mais alto de titulação de anticorpos de neutralização contra a variante Delta do vírus CCP depois de receber um booster — uma terceira dose — em comparação com aqueles que acabaram de receber duas doses, disseram as autoridades.

"A terceira dose eleva os anticorpos neutralizantes em nossos estudos laboratoriais para níveis até 100 vezes mais altos [após a terceira dose] em comparação com [antes]", disse Mikael Dolsten, diretor científico da Pfizer, a investidores em uma ligação no início deste ano.

A vacina de duas doses da Pfizer foi considerada 96% eficaz nos dois primeiros meses após a segunda dose, de acordo com um estudo de 28 de julho dos cientistas da empresa.