Aplicativo prevê risco de desenvolver Alzheimer




Resumo: Um novo aplicativo combina dados básicos com informações sobre biomarcadores específicos encontrados no sangue de um indivíduo para avaliar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer dentro de dois a quatro anos. Publicado neste mês na Nature Aging

Um novo estudo da Universidade de Lund, na Suécia, mostra que biomarcadores validados podem revelar o risco de um indivíduo desenvolver a doença de Alzheimer. Usando um modelo que combina os níveis de duas proteínas específicas no sangue daqueles com prejuízo de memória leve, os pesquisadores são capazes de prever o risco de desenvolver Alzheimer. Os pesquisadores também desenvolveram um aplicativo que os médicos podem usar para dar aos pacientes uma avaliação de risco.

Oskar Hansson e seus colegas têm pesquisado diferentes biomarcadores há muito tempo para produzir melhores diagnósticos em um estágio inicial da doença de Alzheimer. Ao longo do último ano, eles também desenvolveram marcadores precisos em exames de sangue para Alzheimer. O objetivo tem sido identificar a doença em um estágio inicial de sua progressão, antes do estágio real de demência, a fim de iniciar o tratamento para aliviar os sintomas, evitar exames desnecessários e criar uma sensação de segurança entre os pacientes.

"Muitas pessoas com Alzheimer atualmente procuram atendimento quando só desenvolveram prejuízo de memória leve, ou seja, muitos anos antes do estágio de demência da doença. Muitas vezes é difícil para os médicos dar o diagnóstico correto em pessoas com prejuízo de memória mais leve, como muitas condições diferentes do Alzheimer podem ser a causa. Neste estudo desenvolvemos um modelo baseado nos resultados de um simples exame de sangue e que com alto grau de validade pode prever quem desenvolverá demência de Alzheimer dentro de quatro anos", explica Oskar Hansson, professor de neurologia da Universidade de Lund e consultor da unidade de pesquisa de memória clínica do Hospital Universitário de Skåne.

Entre os muitos biomarcadores que os pesquisadores investigaram ao longo dos anos, o presente estudo mostra que um modelo que combina a concentração e os níveis das duas proteínas 'tau fosforilado' e 'luz neurofilameta' no sangue é o que dá o resultado e prognóstico mais confiáveis comparáveis às análises atuais da coluna vertebral (CSF) do fluido cerebral. O modelo também fornece uma resposta mais confiável do que o modelo básico atual envolvendo testes de idade, sexo, educação e memória básica.

"Além dessa avaliação inicial, os métodos atualmente oferecidos para o diagnóstico da doença de Alzheimer são métodos caros e demorados utilizando câmeras PET e análises de CSF, que só estão disponíveis em determinados ambientes especializados de saúde. Nosso objetivo nos últimos anos tem sido encontrar métodos simples que possam ser usados na atenção primária para fazer um diagnóstico precoce e iniciar o tratamento para aliviar os sintomas em um estágio inicial. Isso exigirá mais estudos, mas estamos absolutamente um passo mais próximo do nosso objetivo", acrescenta Hansson.

Os pesquisadores também desenvolveram uma ferramenta online – um aplicativo – que combina dados básicos (idade, sexo, educação e testes básicos de cognição) com resultados dos biomarcadores do indivíduo no sangue. Juntos, estes fornecem informações sobre o risco de um paciente desenvolver a doença de Alzheimer dentro de dois ou quatro anos. Atualmente, o aplicativo é destinado apenas à pesquisa e deve ser validado em mais estudos antes de poder ser usado em cuidados de saúde. O aplicativo está disponível em: https://brainapps.shinyapps.io/plasmaatnapp/


O estudo envolveu um total de 573 pessoas com comprometimento cognitivo leve e idade média de 71 anos. Os participantes, que representaram uma seleção de indivíduos, vieram dos dois principais estudos multicêntricos: o Estudo BioFinder sueco e a ADNI, a Iniciativa de Neuroimagem da Doença de Alzheimer. O estudo foi liderado por Oskar Hansson e Niklas Mattsson-Carlgren da Universidade de Lund e é uma colaboração com Henrik Zetterberg e Kaj Blennow na Academia Sahlgrenska e no Hospital Universitário Sahlgrenska, no Laboratório de Neuroquímica Clínica em Mölndal e na empresa farmacêutica americana Eli Lilly, entre outros.



19 visualizações0 comentário