top of page

Bebês expostos ao tempo excessivo de tela mostram diferenças na função cerebral além dos oito anos

Atualizado: 2 de fev. de 2023





Maior exposição ao tempo de tela durante a infância foi associada à baixa auto-regulação e imaturidade cerebral aos oito anos de idade.

Fonte: Agência de Ciência, Tecnologia e Pesquisa

Mais crianças estão agora expostas a dispositivos digitais móveis em uma idade jovem como uma avenida para entretenimento e distração.

Um estudo de coorte longitudinal em Singapura confirmou que o tempo excessivo de tela durante a infância está ligado a resultados prejudiciais nas funções cognitivas, que continuam a ser aparentes após os oito anos de idade.

A equipe de pesquisa analisou dados de 506 crianças que se inscreveram no estudo de coorte Growing Up in Singapore towards Healthy Outcomes (GUSTO) desde o nascimento.

Quando as crianças tinham 12 meses de idade, os pais foram convidados a relatar a quantidade média de tempo de tela consumido nos dias de semana e fins de semana a cada semana. As crianças foram então classificadas em quatro grupos com base no tempo de tela por dia – menos de uma hora, uma a duas horas, duas a quatro horas e mais de quatro horas. Aos 18 meses de idade, a atividade cerebral também foi coletada usando eletroencefalografia (EEG), uma ferramenta altamente sensível que rastreia mudanças na atividade cerebral.

Além de se submeter ao EEG, cada criança participou de vários testes de capacidade cognitiva que mediram sua capacidade de atenção e funcionamento executivo (às vezes referido como habilidades de autorregulação) aos nove anos de idade.

A equipe primeiro examinou a associação entre o tempo de tela e a atividade cerebral do EEG. As leituras de EEG revelaram que os bebês que foram expostos a um tempo de tela mais longo tiveram maiores ondas de "baixa frequência", um estado que se correlacionou com a falta de alerta cognitivo.

Para descobrir se o tempo de tela e as mudanças observadas na atividade cerebral têm algum resultado adverso durante a infância posterior, a equipe de pesquisa analisou todos os dados em três pontos para as mesmas crianças – aos 12 meses, 18 meses e nove anos. À medida que a duração do tempo de tela aumentava, maior a atividade cerebral alterada e mais déficits cognitivos eram medidos.

Crianças com déficits de função executiva muitas vezes têm dificuldade em controlar impulsos ou emoções, manter a atenção, seguir instruções de várias etapas e persistir em uma tarefa difícil.

O cérebro de uma criança cresce rapidamente desde o momento do nascimento até a primeira infância. No entanto, a parte do cérebro que controla o funcionamento executivo, ou o córtex pré-frontal, tem um desenvolvimento mais prolongado.

As funções executivas incluem a capacidade de manter a atenção, processar informações e regular estados emocionais, todos os quais são essenciais para a aprendizagem e o desempenho escolar. A vantagem desse crescimento mais lento no córtex pré-frontal é que a imbuição e a formação das habilidades da função executiva podem acontecer ao longo dos anos escolares até o ensino superior.

No entanto, essa mesma área do cérebro responsável pelas habilidades de funcionamento executivo também é altamente vulnerável a influências ambientais durante um longo período de tempo.

Este estudo aponta o tempo excessivo de tela como uma das influências ambientais que podem interferir no desenvolvimento da função executiva. Pesquisas anteriores sugerem que os bebês têm problemas para processar informações em uma tela bidimensional.

Ao assistir a uma tela, a criança é bombardeada com um fluxo de movimentos acelerados, luzes piscando continuamente e mudanças de cena, que exigem amplos recursos cognitivos para entender e processar. O cérebro fica "sobrecarregado" e é incapaz de deixar recursos adequados para amadurecer em habilidades cognitivas, como funções executivas.

Os pesquisadores também estão preocupados com o fato de que as famílias que permitem que crianças muito pequenas tenham horas de tempo de tela muitas vezes enfrentam desafios adicionais. Estes incluem estressores, como insegurança alimentar ou habitacional e problemas de humor dos pais. Mais trabalho precisa ser feito para entender as razões por trás do tempo excessivo de tela em crianças pequenas.

Mais esforços são necessários para distinguir a associação direta do uso da tela infantil versus fatores familiares que predispõem o uso precoce da tela em comprometimentos da função executiva.

O estudo foi um esforço colaborativo composto por pesquisadores da Escola de Medicina Yong Loo Lin, da Universidade Nacional de Cingapura (NUS Medicine), do Instituto de Ciências Clínicas de Cingapura (SICS) da A*STAR, do Instituto Nacional de Educação, do KK Women's and Children's Hospital, da McGill University e da Harvard Medical School. Foi publicado no JAMA Pediatrics em 31 de janeiro de 2023.

A autora principal, Dra. Evelyn Law, do Programa de Neurociência Translacional da NUS Medicine e da SICS, disse: "O estudo fornece evidências convincentes para estudos existentes de que o tempo de tela de nossos filhos precisa ser monitorado de perto, particularmente durante o desenvolvimento inicial do cérebro". O Dr. Law também é Consultor na Divisão de Desenvolvimento e Pediatria Comportamental do Khoo Teck Puat – Instituto Médico Infantil da Universidade Nacional, Hospital Universitário Nacional.

O professor Chong Yap Seng, decano da NUS Medicine e diretor clínico da SICS, acrescentou: "Essas descobertas do estudo GUSTO não devem ser tomadas de ânimo leve porque têm um impacto no desenvolvimento potencial das gerações futuras e do capital humano.

"Com esses resultados, estamos um passo mais perto de entender melhor como as influências ambientais podem afetar a saúde e o desenvolvimento das crianças. Isso nos permitiria tomar decisões mais informadas para melhorar a saúde e o potencial de cada cingapuriano, dando a cada criança o melhor começo de vida".

O professor Michael Meaney, diretor do Programa de Neurociência Translacional da SICS, disse: "Em um país como Cingapura, onde os pais trabalham longas horas e as crianças são expostas a frequentes visualizações de tela, é importante estudar e entender o impacto do tempo de tela no cérebro em desenvolvimento das crianças".


Author: Sharmaine Loh

Source: Agency for Science, Technology and Research

Contact: Sharmaine Loh – Agency for Science, Technology and Research


Original Research: Open access.

“Associations Between Infant Screen Use, Electroencephalography Markers, and Cognitive Outcomes” by Evelyn Law et al. JAMA Pediatrics


412 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page