top of page

Café dobra risco de morte para pessoas com pressão alta




A maioria das pessoas considera seu café com leite matinal saudável e prazeroso. Muitos estudos mostraram que o café está associado a benefícios para a saúde, como risco reduzido de diabetes e doenças cardíacas.

No entanto, uma nova pesquisa descobriu que as pessoas com um problema de saúde cada vez mais comum não devem exceder mais de uma xícara de café por dia.

Estudo analisou mais de 18.500 pessoas, ao longo de 19 anos

O estudo, publicado recentemente no Journal of the American Heart Association (JAHA), descobriu que pessoas com hipertensão grave tinham um risco significativamente maior de morte por ataque cardíaco, derrame ou outra doença cardiovascular bebendo duas ou mais xícaras de café diariamente.

Os pesquisadores descobriram isso observando 12.035 mulheres e 6.574 homens inscritos no estudo de coorte colaborativa do Japão para avaliação do risco de câncer (JACC).

Os participantes tinham entre 40 e 79 anos quando ingressaram no programa, entre 1988 e 1990, e foram acompanhados até 2009. Eles auto-relataram sua ingestão diária de café e chá durante o período do estudo.

Os pesquisadores dividiram os participantes em cinco categorias de pressão arterial – dois normais e três graus de pressão alta.

Menos de 130/85 foi considerado ótimo/normal, com 130-139/85-89 considerado alto normal.

Os três níveis de hipertensão foram:

· Hipertensão grau 1: 140-159/90-99.

· Hipertensão grau 2: 160-179/100-109.

· Hipertensão de grau 3: 180/110 ou superior.

Pessoas com pressão alta mais suscetíveis aos efeitos da cafeína

Durante quase 19 anos de acompanhamento, os pesquisadores registraram 842 mortes relacionadas ao sistema cardiovascular.

Os dados do estudo mostraram que duas ou mais xícaras de café por dia estavam associadas ao dobro do risco de morte por doença cardiovascular em pessoas com pressão arterial de 160/100mmHg ou mais em comparação com aquelas que não bebiam café.

"Na maior parte, desde que você consuma café moderadamente, aqui não há grandes preocupações com a saúde", disse Sreenivas Gudimetla, MD, cardiologista da Texas Health Fort Worth e Texas Health Physicians Group.

Beber uma xícara diária de café ou qualquer quantidade de chá verde não foi associado ao aumento do risco de morte por doença cardiovascular para qualquer categoria de pressão arterial.

As pessoas que bebiam café com mais frequência também tendiam a ser mais jovens, serem bebedores atuais, comer menos vegetais e ter níveis mais altos de colesterol total e menor pressão arterial sistólica, independentemente da categoria atribuída.

O coautor Masayuki Teramoto, MD, Escola de Pós-Graduação em Medicina da Universidade de Osaka, no Japão, e do departamento de epidemiologia e bioestatística da Universidade da Califórnia, em São Francisco, disse ao Epoch Times que essas descobertas não contradizem necessariamente pesquisas anteriores que descobriram que o café reduziu o risco de doenças cardíacas.

Teramoto disse que este estudo analisou se o efeito protetor conhecido do café também se aplica a indivíduos com diferentes graus de hipertensão, enquanto também examina os efeitos do chá verde na mesma população.

"Até onde sabemos, este é o primeiro estudo a encontrar uma associação positiva entre o consumo pesado de café e a mortalidade por doenças cardiovasculares entre pessoas com hipertensão grave", disse Teramoto.

Ele acredita que isso ocorre porque as pessoas com pressão alta são mais suscetíveis aos efeitos da cafeína.

"Os efeitos nocivos da cafeína podem superar seus efeitos protetores e aumentar o risco de mortalidade em pessoas com hipertensão grave", concluiu Teramoto.

Tenha cuidado ao tomar dados pelo valor nominal

Gudimetla alertou que devemos ter cuidado ao tomar dados como esse pelo valor nominal.

"Como é uma análise retrospectiva com pacientes dessa coorte até 2009", disse ele, já que muito tempo se passou desde que os dados foram coletados.

Ele descreveu os dados do estudo como sendo "em todo o lugar", em relação ao consumo de café e ao risco de eventos cardiovasculares. Além disso, os dados foram autorreferidos, o que poderia ter afetado sua precisão.

"Existe uma relação direta entre o consumo de café e o risco de eventos cardíacos mais altos, ou é o fato de que suas pressões sanguíneas são muito altas, onde eles teriam um risco maior de eventos cardíacos de qualquer maneira?" Gudimetla perguntou.

Os dados auto-relatados fornecem apenas informações sobre a potencial associação de causa e efeito, não uma ligação direta entre causa e efeito.

"A confiabilidade e a validade dos estudos auto-relatados podem ser muito falhas", disse ele. "Como a lembrança de dados pode ser potencialmente imprecisa, e os sujeitos tendem a responder a perguntas em ambos os extremos, e não necessariamente no meio."

Isso não significa que esses tipos de estudos não tenham valor e que se destacam em levantar questões que merecem uma investigação mais aprofundada. "Para que possamos avaliar melhor a precisão das informações e incorporá-las em nossa tomada de decisão clínica", disse Gudimetla.

Mensagens mistas

Alguns estudos iniciais mostraram que o consumo de café pode ser prejudicial, como este estudo de 1981 que encontrou uma "forte associação entre o consumo de café e o câncer de pâncreas".

Um artigo de 1984 descreveu o café como um problema social emergente e descreve como beber café tem sido "suspeito" por 300 anos e há evidências de que ele pode causar, entre outras doenças graves, doenças cardíacas.

"No entanto, nesses estudos, houve uma associação de que a maioria dos indivíduos inscritos eram fumantes e / ou sedentários, o que provavelmente desempenhou um papel maior em seus resultados cardiovasculares adversos do que o consumo de café", disse Gudimetla.

"O consumo moderado de café, ou seja, 2 a 5 xícaras por dia", explicou ele, "não demonstrou estar associado a um aumento nos eventos cardiovasculares, mas demonstrou diminuir potencialmente o risco de doença cardiovascular".

Pesquisas recentes descobriram que o café está associado a benefícios significativos para a saúde, como a redução da incidência de:

· Doença cardiovascular.

· Depressão.

· Certos tipos de câncer.

· Diabetes tipo 2.

Em 2020, os cientistas descobriram que a cafeína estava associada a um risco significativamente reduzido de desenvolver a doença de Parkinson. Outro estudo descobriu que o café era protetor contra a demência e a doença de Alzheimer.

Embora haja uma situação particular em que a cafeína pode causar danos.

Um estudo de outubro de 2022 descobriu que mesmo pequenas quantidades de consumo diário de cafeína por mulheres grávidas estavam associadas a bebês mais curtos em comparação com aqueles nascidos de mulheres que não tinham cafeína durante a gravidez, e a diferença persistiu na infância.


Coffee and Green Tea Consumption and Cardiovascular Disease Mortality Among People With and Without Hypertension

Masayuki Teramoto, Kazumasa Yamagishi, Isao Muraki, Akiko Tamakoshi and Hiroyasu Iso

Originally published21 Dec 2022https://doi.org/10.1161/JAHA.122.026477Journal of the American Heart Association. 2022;0:e026477


298 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page