top of page

Cientista proeminente rebate pesquisadores britânicos por 'insanidade' de criação de híbridos C19




Dr. Richard Ebright detonou a criação de híbridos C19, que ele disse apresentar um "risco de desencadear uma nova onda pandêmica".


Um proeminente biólogo molecular esta semana detonou uma universidade britânica de alto nível por criar cepas híbridas de COVID-19 como parte de um experimento no início deste ano, de acordo com uma reportagem exclusiva do Daily Mail. A crítica vem em meio ao aumento do ceticismo e ao escrutínio dos métodos de pesquisa do vírus após o surto do COVID-19.

O Daily Mail informou na segunda-feira que cientistas britânicos do Imperial College London, a mesma instituição financiada por Bill Gates por trás do modelo de pandemia COVID-19 antigo e impreciso que provocou bloqueios generalizados de coronavírus a partir de março de 2020, recentemente realizaram experimentos "arriscados" nos quais "criaram cepas híbridas de Sarscov2".

Dr. Richard Ebright Ph.D., professor de química e biologia química na Universidade Rutgers e diretor de laboratório do Instituto Waksman de Microbiologia, detonou a pesquisa do Imperial College em observações feitas à tomada.

"Isso é insanidade, tanto [i]n termos de redundância quanto desperdício", disse o Dr. Ebright, argumentando que tal pesquisa apresenta um "risco de desencadear uma nova onda pandêmica após a liberação acidental ou deliberada dos vírus gerados em laboratório".

Ebright, que obteve seu AB em Biologia e seu Ph.D. em Microbiologia e Genética Molecular pela Universidade de Harvard, disse que o experimento não produziu "aplicações práticas previsíveis", e, assim, representou um risco muito grande para uma recompensa muito pequena.

O estudo em questão foi publicado em 13 de maio, mas divulgado pelo Daily Mail esta semana. De acordo com a saída, pesquisadores da prestigiada universidade teriam "infectado hamsters com dois híbridos Covid quimera" durante um experimento realizado em um laboratório de biossegurança nível 3.

Vinte cientistas, incluindo um membro do painel consultivo do governo britânico, estavam envolvidos na pesquisa, de acordo com o relatório. Os cientistas combinaram aspectos da cepa original wuhan do coronavírus com partes da variante Omicron e Delta, de acordo com a pré-impressão.

O resumo do estudo pré-impressão afirma que o experimento levantou "a possibilidade preocupante de que as variantes futuras" do COVID-19 poderiam ter efeitos mais graves do que aquelas "vistas durante a infecção por Omicron".

Um porta-voz da universidade disse ao Daily Mail que o estudo, parcialmente financiado pelo dinheiro do contribuinte, era seguro e cumpria as regulamentações apropriadas.

No entanto, Ebright não estava certo de que a pesquisa do Imperial College era inofensiva ou mesmo útil.

"Se o mundo deseja evitar novas ondas pandemias e pandemias causadas por patógenos potenciais potenciais gerados pelo laboratório, então é urgentemente necessário restringir pesquisas de alto risco e baixo benefício sem sentido que criem patógenos pandemias potenciais e implementar uma supervisão nacional eficaz, com força de lei, em tal pesquisa", disse Ebright, acrescentando que o relatório "deve ser um alerta".

Ebright não está sozinho em suas críticas.

O professor Shmuel Shapira, que anteriormente chefiou o Instituto de Pesquisa Biológica do Governo israelense, pediu uma proibição total de tais pesquisas, que ele caracterizou como "brincar com fogo" devido ao risco de um vazamento de laboratório.

As notícias da experimentação do Imperial College com coronavírus híbridos vem na esteira de um projeto diferente realizado na Universidade de Boston, onde pesquisadores também criaram uma variante mutante do COVID-19. Os estabelecimentos relataram na época que a variante artificial tinha uma taxa de letalidade de 80%, causando indignação entre os opositores que temiam que tal pesquisa pudesse colocar a população em risco de outra pandemia em caso de vazamento de laboratório.

A universidade negou vociferantemente as alegações "falsas e imprecisas" sobre suas pesquisas, apontando que seu experimento realmente tornou o vírus menos perigoso, não mais.

Pesquisas relacionadas ao vírus têm gerado maior atenção e escrutínio após o surto do novo coronavírus no início de 2020.


Apesar dos primeiros esforços para anular teorias de uma origem de vazamento de laboratório do COVID-19, há fortes evidências de que o vírus ORIGINAL SARS-CoV-2 pode ter se originado no Instituto de Virologia de Wuhan, um laboratório chinês conhecido por ter conduzido pesquisas sobre coronavírus morcegos com o financiamento parcial do governo dos EUA via EcoHealth Alliance sem fins lucrativos.


118 visualizações0 comentário
bottom of page