Como as crianças aprendem a línguagem




Pesquisadores revelam como os estilos de comunicação dos pais ajudam seus filhos a desenvolver habilidades linguísticas.

Fonte: Universidade Carnegie Mellon

Crianças pequenas aprendem a língua em um ritmo muito mais rápido do que adolescentes ou adultos. Uma explicação para essa vantagem de aprendizagem não vem das diferenças entre crianças e adultos, mas das diferenças na forma como as pessoas conversam com crianças e adultos.

Pela primeira vez, uma equipe de pesquisadores desenvolveu um método para avaliar experimentalmente como os pais usam o que sabem sobre a linguagem de seus filhos quando conversam com eles. Eles descobriram que os pais têm modelos extremamente precisos do conhecimento linguístico de seus filhos, e usam esses modelos para ajustar a linguagem que usam ao falar com eles.

Os resultados estão disponíveis em uma publicação on-line antecipada da revista de Ciência Psicológica.

"Sabemos há anos que os pais conversam com crianças de forma diferente de outros adultos de muitas maneiras, por exemplo, simplificando sua fala, reduplicando palavras e esticando sons vocálicos", disse Daniel Yurovsky, professor assistente de psicologia da Universidade Carnegie Mellon. "Essas coisas ajudam as crianças a se depararem com a linguagem, mas não fizemos se os pais mudam a maneira como falam quando as crianças estão adquirindo a linguagem, dando às crianças uma contribuição linguística que é 'justa' para aprender a próxima coisa."


Adultos tendem a falar com as crianças mais lentamente e em um tom mais alto. Eles também usam enunciação mais exagerada, repetição e estrutura linguística simplificada. Os adultos também apimentam sua comunicação com perguntas para medir a compreensão da criança. À medida que a fluência linguística da criança aumenta, a estrutura da sentença e a complexidade utilizada pelos adultos aumentam.

Yurovsky compara isso à progressão que um aluno segue ao aprender matemática na escola.

"Quando você vai para a escola, você começa com álgebra e depois toma geometria de avião antes de passar para o cálculo", disse Yurovsky. "As pessoas falam com crianças usando o mesmo tipo de estrutura sem pensar nisso. Eles estão rastreando o quanto seu filho sabe sobre a linguagem e modificando a forma como eles falam para que as crianças as entendam."

Yurovsky e sua equipe procuraram entender exatamente como os cuidadores sintonizam suas interações para combinar com o desenvolvimento da fala de seus filhos. A equipe desenvolveu um jogo onde os pais ajudaram seus filhos a escolher um animal específico de um conjunto de três, um jogo que crianças (de 15 a 23 meses) e seus pais jogam rotineiramente em suas vidas diárias. Metade dos animais no jogo correspondente eram animais que as crianças normalmente aprendem antes dos 2 anos (por exemplo, gato, vaca), e a outra metade eram animais que são tipicamente aprendidos mais tarde (por exemplo, pavão, leopardo).

Os pesquisadores pediram a 41 pares de crianças e adultos para jogar o jogo em um ambiente naturalista em laboratório. Eles mediram as diferenças na forma como os pais falavam sobre animais que achavam que seus filhos conheciam em comparação com aqueles que achavam que seus filhos não conheciam.

"Os pais têm um conhecimento incrivelmente preciso da linguagem de seus filhos porque eles os viram crescer e aprender", disse Yurovsky. "Esses resultados mostram que os pais aproveitam seu conhecimento sobre o desenvolvimento linguístico de seus filhos para ajustar as informações linguísticas que fornecem."

Os pesquisadores descobriram que o cuidador usava uma variedade de técnicas para transmitir o animal 'desconhecido' para a criança. A abordagem mais comum foi o uso de descritores adicionais familiares à criança.

"Essa abordagem [de pesquisa] nos permite confirmar experimentalmente ideias que desenvolvemos com base em observações de como crianças e pais se envolvem em casa", disse Yurovsky. "Descobrimos que os pais não só usavam o que já sabiam sobre o conhecimento linguístico de seus filhos antes do estudo, mas também que, se descobrissem que estavam errados – seu filho não conhecia 'leopardo', por exemplo, eles mudaram a maneira como falavam sobre aquele animal na próxima vez."

O estudo consistiu em 36 ensaios experimentais onde cada animal apareceu como alvo pelo menos duas vezes no jogo. Os participantes representaram uma composição racial semelhante aos Estados Unidos (56% brancos, 27% negros e 8% hispânicos).

Os resultados refletem uma perspectiva parental ocidental, bem como cuidadores com maior escolaridade do que representativo no país. Os pesquisadores não mediram independentemente o conhecimento das crianças sobre cada animal. Os resultados deste estudo não podem diferenciar se as crianças aprenderam algum novo animal durante o jogo.

Yurovsky acredita que os resultados podem ter alguma relevância para pesquisadores que trabalham no campo da machine learning.

"Esses resultados podem nos ajudar a entender como pensar sobre sistemas de linguagem de aprendizagem de máquina", disse ele. "No momento, treinamos modelos de idiomas dando a eles todos os dados de idiomas que podemos colocar em nossas mãos de uma só vez. Mas poderíamos fazer melhor se pudéssemos dar-lhes os dados certos no momento certo, mantendo-os no nível certo de complexidade para o que eles estão prontos."

Yurovsky se juntou a este projeto por Ashley Leung na Universidade de Chicago e Alex Tunkel na Escola de Medicina e Ciências da Saúde da Universidade George Washington. Este projeto recebeu fundos da Fundação James S. McDonnell.

Universidade Carnegie Mellon

Stacy Kish - Universidade Carnegie Mellon

O estudo aparecerá em Ciência Psicológica

183 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo