top of page

Como as mídias sociais afetam sua memória





As mídias sociais pesadas prejudicam nossa capacidade de aprender, o que lembramos, como nos lembramos


A proliferação explosiva de plataformas de mídia social, e seu uso por bilhões de pessoas a cada dia, nos mostra que essa nova forma de interação entre seres humanos e tecnologia está tendo um impacto profundo.

Essa tecnologia permitiu que praticamente todos, em todo o mundo, se conectassem com vizinhos próximos e distantes e instantaneamente compartilhassem tudo, desde fotos fofas de animais de estimação até opiniões políticas acaloradas. Os cientistas sociais estão lutando para descobrir o impacto que essa mudança radical na interação humana está realmente tendo em nós – e em nossos cérebros – em cada estágio da vida. Pesquisas recentes mostram que, quando se trata de memória, o uso pesado de mídias sociais parece nos enfraquecer.


A influência dominante das mídias sociais

Seja Facebook, Youtube, Instagram, WhatsApp ou TikTok – cada um dos quais detém a atenção regular de mais de um bilhão de usuários (ou, no caso do Facebook, quase 3 bilhões) – percorrer os feeds de mídia social é um passatempo dominante para muitos. Os americanos passam, em média, pouco mais de duas horas por dia nas mídias sociais, mas esse tempo varia muito entre diferentes faixas etárias.

A geração Z, por exemplo – aqueles nascidos de meados dos anos 90 até por volta de 2010, e a primeira geração a ser criada com uma conexão de internet sempre ao alcance – gasta uma média de 4,5 horas por dia nas mídias sociais. E estas são "médias". De acordo com a Pew Research, 46% dos adolescentes e 44% dos jovens de 18 a 49 anos relatam estar on-line "quase constantemente", e é provável que essa mesma coorte gaste uma quantidade acima da média desse tempo em sites de redes sociais.

A mídia social é claramente uma influência dominante, e questões estão sendo levantadas sobre como esse meio pode estar impactando nossos relacionamentos, saúde mental e função cognitiva.


O impacto prejudicial das mídias sociais na memória

Apesar do potencial positivo das mídias sociais para fornecer conexão humana significativa, a pesquisa mostra efeitos preocupantes e prejudiciais do uso pesado de mídias sociais na saúde mental e emocional, especialmente para adolescentes.

Três estudos relacionados, publicados no Journal of Experimental Social Psychology de maio de 2018, examinaram como a memória é afetada quando os participantes registram suas experiências usando mídia digital, quando as compartilham e quando simplesmente não usam mídia. Em cada caso em que os participantes registraram ou compartilharam suas experiências, sua capacidade de lembrar detalhes de sua experiência foi reduzida.

"Em todos os três estudos, encontramos evidências de que o uso da mídia prejudica a memória, independentemente de a memória ter sido testada logo após a experiência ou mais de uma semana depois", concluíram os autores do estudo.

Outro estudo, publicado em fevereiro de 2020 em nome da Sociedade Gerontológica da América, examinou a correlação entre memória e tempo gasto em mídias sociais em adultos e descobriu que, nos dias em que o uso de mídias sociais era "alto", os participantes relataram consistentemente mais falhas de memória.

Por design – 'Dopamina Hit' mantém você viciado

As mídias sociais podem estar minando nossa capacidade de lembrar por alguns motivos: são perturbadoras e viciantes. Isso é por design.

"O processo de pensamento que entrou na construção desses aplicativos, o Facebook sendo o primeiro deles... era tudo sobre: "Como consumimos o máximo possível do seu tempo e atenção consciente?" E isso significa que precisamos dar a você um pouco de dopamina de vez em quando porque alguém curtiu ou comentou uma foto ou um post ou o que quer que seja", disse Sean Parker, o primeiro presidente do Facebook, em uma entrevista de 2017 ao Axios.

Esse mecanismo fará com que os usuários contribuam com mais conteúdo, curtidas e comentários, disse Parker.

"É um ciclo de feedback de validação social ... exatamente o tipo de coisa que um hacker como eu inventaria porque você está explorando uma vulnerabilidade na psicologia humana. Os inventores ... entendi isso conscientemente. E nós fizemos isso de qualquer maneira."

O Dr. Matt Johnson, neurocientista com doutorado em psicologia cognitiva pela Universidade de Princeton, especialista em psicologia do consumidor e autor de "Branding That Means Business", disse ao Epoch Times que experiências como essa podem antecipar a formação da memória.

"Há um processo importante que precisa acontecer para que novas memórias sejam formadas. Quanto melhor estivermos focados na experiência, melhor nos lembraremos dela mais tarde. Quando estamos tendo uma experiência e nosso telefone está lá, sempre vamos verificá-lo. Há uma série de experiências digitais que podem nos atrair para longe da experiência que poderíamos estar tendo."

Precisamente porque é difícil nos impedir de alcançar um dispositivo toda vez que ele acende com uma notificação, estamos distraídos e multitarefa mais do que nunca – mas não somos muito bons nisso. Em um estudo controlado randomizado, estudantes universitários que percorreram o Instagram enquanto ouviam um orador se lembraram significativamente menos do material apresentado do que seus colegas que ouviram sem distração digital.

Nós simplesmente não nos lembramos das coisas tão bem quando nossa atenção está dividida. E o impacto na educação é preocupante.

"Como professor, eu mesmo vejo isso", disse Johnson, observando os efeitos da distração digital na experiência em sala de aula.

"Além disso, quanto mais tempo você gasta nessas plataformas, você concorda com a gratificação imediata. Você tem uma verdadeira impaciência desconfortável com experiências que não são imediatamente gratificantes. A educação é uma proposta de longo prazo. Os alunos perdem a paciência para empreendimentos de longo prazo, como aprender um assunto ou passar por um curso."

O 'Efeito Google'

Outra maneira pela qual o uso pesado de mídias sociais pode afetar a memória é por meio de um fenômeno que os pesquisadores estão chamando de "efeito Google". Não muito tempo atrás, encontrar informações sobre um assunto desconhecido significava um esforço pessoal substancial – viagens à biblioteca, folhear livros de referência ou telefonemas para outras pessoas que pudessem estar no conhecimento.

Agora que praticamente qualquer pedaço de informação, do mais trivial ao arcano, pode ser encontrado em segundos através do Google ou de outros mecanismos de pesquisa, não só é preciso menos esforço para encontrar informações, mas a maioria de nós também se esforça menos para lembrá-las. Nós, de fato, "terceirizamos" nossa memória para a internet e usamos as mídias sociais como um de nossos bancos de memória on-line pessoais.

De fato, um estudo publicado na edição de 5 de agosto de 2011 da Science descobriu que "quando as pessoas esperam ter acesso futuro à informação, elas têm taxas mais baixas de lembrança da própria informação e lembrança aprimorada para onde acessá-la". Em outras palavras, é mais provável que nos lembremos de qual site pesquisar do que as informações reais que estamos procurando.

Johnson disse que quando se trata de aprender, o esforço é importante.

"Há uma relação muito forte entre o esforço que você tende a colocar em uma tarefa e a probabilidade de se lembrar dela. Quanto mais você forçar suas faculdades cognitivas, melhor você será capaz de se lembrar disso. Se você realmente tem que trabalhar para isso, combinando muitos processos cognitivos diferentes, essa será uma memória muito forte. Online, você receberá a resposta, mas basicamente não terá memória dessa experiência e terá que procurá-la novamente. Exportamos nossa memória de longo prazo para esses dispositivos."

Quebrando o hábito

Até que ponto as mídias sociais podem criar experiências agradáveis e conexões significativas entre as pessoas pode estar em debate, mas uma coisa não é – a quantidade de tempo que a maioria de nós gasta nas mídias sociais está mudando o que lembramos, como nos lembramos e, possivelmente, até mesmo nossa capacidade de memória. E um crescente corpo de pesquisas sugere que, em grandes quantidades, o efeito sobre a memória é principalmente prejudicial.

É impossível dizer com precisão quanto tempo gasto nas mídias sociais é demais, mas existem algumas diretrizes simples que podem ajudar a gerenciar o uso, especialmente para adolescentes. Pesquisas sugerem que os efeitos negativos para a saúde mental aumentam quando mais de duas horas são gastas em sites de redes sociais diariamente, de modo que pode ser um bom limite superior para estar ciente.

Johnson também sugere refletir regularmente sobre suas experiências recentes de mídia social e estar ciente de quaisquer arrependimentos ou experiências negativas associadas a esse tempo.

Colocar limites claros no tempo gasto nas mídias sociais também é prudente. Johnson sugere usar um temporizador para ter um lembrete audível de quando o tempo acabou.

"Quando o temporizador disparar, desligue [o aplicativo] mesmo que seja no meio do vídeo. Configure uma estrutura rígida para quanto tempo você se permite permanecer nesses aplicativos. Essencialmente, temos de exportar a nossa abordagem para regras externas. Se deixarmos isso para nossa própria autodisciplina, os aplicativos nos vencerão todas as vezes, porque é para isso que eles são projetados.


Volume 76, May 2018, Pages 161-168


Media usage diminishes memory for experiences

Author links open overlay panelDiana I. Tamir a 1, Emma M. Templeton b 1, Adrian F. Ward c, Jamil Zaki d

Show more

Share

Cite

Abstract

People increasingly use social media to record and share their experiences, but it is unclear whether or how social media use changes those experiences. Here we present both naturalistic and controlled studies in which participants engage in an experience while using media to record or share their experiences with others, or not engaging with media. We collected objective measures of participants' experiences (scores on a surprise memory test) as well as subjective measures of participants' experiences (self-reports about their engagement and enjoyment). Across three studies, participants without media consistently remembered their experience more precisely than participants who used media. There is no conclusive evidence that media use impacted subjective measures of experience. Together, these findings suggest that using media may prevent people from remembering the very events they are attempting to preserve.



277 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page