Como se relacionar com seus filhos de acordo com a neurociência




Novas pesquisas, medindo simultaneamente a atividade cerebral de pais e filhos, oferecem algumas percepções.


Novas pesquisas que mediram simultaneamente a atividade cerebral em crianças e seus pais oferecem insights sobre o vínculo.

Muitas pessoas em todo o mundo ainda vivem sob restrições duras ou confinamentos por causa da pandemia, ficando em casa o máximo possível. Isso significa que muitos pais estão passando mais tempo do que nunca com seus filhos. Mas como você transforma esse tempo em uma relação mais profunda?

Novas pesquisas, medindo simultaneamente a atividade cerebral de pais e filhos, oferecem algumas percepções.

Para interagir efetivamente com os outros, devemos estabelecer uma conexão emocional, bem como inferir rapidamente e com precisão os objetivos e intenções uns dos outros. Pesquisas mostram que isso funciona melhor se coordenarmos nosso comportamento e respostas corporais. Felizmente, temos uma tendência natural de entrar em sincronia com os outros. Por exemplo, nós automaticamente imitamos uns aos outros - com exemplos clássicos, incluindo rir e bocejar - e nos envolvemos em padrões complexos de olhar ou toque coordenado.


Até sincronizamos socialmente nossa fisiologia, por exemplo, através do alinhamento de nossos batimentos cardíacos e secreção hormonal(como cortisol e ocitocina). Quando nos ligamos aos outros, é como se todo o nosso corpo se envolvesse em uma "dança social".

Socialmente dançando com os outros nos permite sentir mais facilmente o que eles estão sentindo e pensar o que eles estão pensando. Esse processo, chamado de sincronia bioinsetointal,nos ajuda a nos conectarmos mais fortemente uns com os outros. Durante a infância, estar em sincronia com os outros também é vital para o desenvolvimento social, emocional e cognitivo.


Sincronia cérebro-cérebro

Pesquisadores começaram recentemente a testar o que acontece no cérebro quando duas pessoas interagem dessa forma. Usando espectroscopia funcional quase infravermelha(fNIRS)"hiperscaning", a atividade cerebral pode ser medida enquanto as pessoas estão fazendo várias tarefas e usando uma tampa ligada a sensores ópticos. Isso é feito para cada participante, e a atividade cerebral é então comparada. A sincronia surge quando há reduções alinhadas e aumenta na mesma área cerebral aproximadamente ao mesmo tempo.

Estudos que utilizam essa abordagem com adultos têm mostrado que a atividade cerebral também tende a se coordenar durante as interações. Além disso, a sincronia cérebro-cérebro foi encontrada como mais alta em parceiros românticos em comparação com amigos ou estranhos.

Mas e os pais e filhos? Nossa nova pesquisa revela que a sincronia cérebro-cérebro também é aumentada quando mãese pais interagem com seus filhos, especialmente quando brincam ou resolvem problemas, como quebra-cabeças, juntos. Quanto mais forte for a sincronia cérebro-cérebro, mais problemas pais e filhos podem resolver. Também encontramos aumento da sincronia cérebro-cérebro nas mães e nos filhos quando eles falam uns com os outros.

Envolver-se em atividades com os filhos, como resolver problemas através da brincadeira ou simplesmente ter uma conversa, deve, portanto, ser sempre visto pelos pais como oportunidades para fortalecer o vínculo pai-filho e ajudar seus filhos a desenvolver habilidades sociais, emocionais e cognitivas vitais.


Mães e pais

A sincronia cérebro-cérebro tem sido observada como mais forte para crianças interagindo com seus pais do que com um adulto desconhecido. Embora isso mostre que a relação pai-filho é especial em termos de cérebros coordenados – provavelmente refletindo seu vínculo emocional mais próximo – ainda não revela muito sobre as qualidades subjacentes das relações. Quando olhamos mais de perto como a sincronia cérebro-cérebro entre os pais e seus filhos relacionada à interação e qualidade de relacionamento, encontramos várias pistas adicionais. Curiosamente, essas pistas diferem um pouco entre mães e pais.

Vimos uma sincronia cérebro-cérebro mais forte durante a resolução do quebra-cabeça e a conversa se mães e crianças se revezavam mais, o que significa que eles realizavam a tarefa ou falavam alternadamente – ou em sucessão. O mesmo aconteceu quando as crianças foram capazes de se engajar mais fortemente na tarefa em vez de serem conduzidas por suas mães, e assim dada mais autonomia.

Por outro lado, a sincronia diminuiu durante a resolução de quebra-cabeças quando as mães relataram estar estressadas. Nesses momentos, fazer uma pequena pausa e se engajar no autocuidado pode ser benéfico tanto para as mães quanto para os filhos.

Em pares pai-filho, no entanto, não encontramos nenhuma ligação entre sincronia cérebro-cérebro e tomada de turno, autonomia infantil ou estresse. Por sua vez, vimos maior sincronia nos pares onde os pais indicaram que estar envolvido em cuidados infantis é importante para o desenvolvimento infantil e recompensa para si mesmos.

Mensagem de levar para casa

Parece que a sincronia cérebro-cérebro entre mães e pais e seus filhos pode ser alcançada por diferentes meios. Uma possível explicação pode ser que as interações mãe-filho são marcadas por mais ritmo e estrutura, enquanto as interações pai-filho podem ser um pouco mais idiotas e energéticas. Tais experiências diferentes permitem que as crianças interajam com sucesso e simultaneamente com diferentes tipos de cuidadores e pratiquem uma variedade de habilidades sociais, emocionais e cognitivas.

Em pares pai-filho, no entanto, não encontramos nenhuma ligação entre sincronia cérebro-cérebro e tomada de turno, autonomia infantil ou estresse. Por sua vez, vimos maior sincronia nos pares onde os pais indicaram que estar envolvido em cuidados infantis é importante para o desenvolvimento infantil e recompensa para si mesmos.

Mas é importante notar que os papéis sociais – como as atitudes dos pais em relação à paternidade – também podem ter influência. Revisões recentesenfatizam o valor de reconhecer os pais como cuidadores e figuras de apego para seus filhos. Por isso, é vital continuar promovendo o papel dos pais no desenvolvimento infantil e permitir que eles passem e aproveitem mais tempo com seus filhos.

Financiamento: Pascal Vrticka recebeu financiamento da Fundação Nacional de Ciência suíça, do Stanford Center for Cognitive and Neurobiological Imaging, do Stanford Child Health Research Institute e da Max Planck Society por partes de seu trabalho sobre a neurociência social da conexão social e apego descrito nesta peça.


30 visualizações0 comentário