top of page

"Consenso científico" nada mais é do que consentimento fabricado






Uma teoria amplamente aceita, como a teoria da evolução, depende de um consenso sendo alcançado entre a comunidade científica – mas deve ser alcançada sem censura ou represália.


Por Maryanne Demasi

Em uma entrevista recente, o famoso astrofísico Neil deGrasse Tyson foi desafiado sobre suas visões científicas sobre a C -19. Ele disse: "Eu só estou interessado em consenso" – palavras que teriam Nicolau Copérnico e Galileu Galilei rolando em seus túmulos.

O apelo ao "consenso científico" está repleto de problemas, assim como "A ciência está resolvida" e "Confie na ciência" e outros tropos autoritários que dominaram a pandemia.

Uma teoria amplamente aceita, como a teoria da evolução, depende de um consenso ser alcançado entre a comunidade científica, mas deve ser alcançada sem censura ou represália.

Como Aaron Kheriaty, membro do Centro de Ética e Políticas Públicas, disse recentemente:

"A ciência é uma busca contínua pela verdade e essa verdade tem pouco a ver com consenso. Todo grande avanço científico envolve desafios a um consenso. Aqueles que defendem o consenso científico em vez de descobertas experimentais específicas não estão defendendo a ciência, mas o partidarismo.

Consenso por censura

Não é difícil chegar a um consenso científico quando você reprime vozes dissidentes.

A origem da C-19 é um exemplo clássico.

Vinte e sete cientistas publicaram uma carta na Lancet condenando "teorias da conspiração" que sugeriam que o vírus não tinha uma origem natural. Opiniões dissidentes foram censuradas nas mídias sociais e rotuladas de "desinformação".

Só agora que o Departamento de Energia dos EUA e o FBI dizem que o vírus provavelmente foi o resultado de um vazamento de laboratório em Wuhan, é possível ter essas discussões abertamente.

A Declaração de Great Barrington é outro exemplo. Três eminentes professores das Universidades de Harvard, Stanford e Oxford argumentaram contra os lockdowns, que, segundo eles, prejudicariam desproporcionalmente os desfavorecidos.

Mas o ex-diretor do NIH, Francis Collins, os descartou como "epidemiologistas marginais", pedindo ao Dr. Anthony Fauci "uma retirada rápida e devastadora" da declaração.


O consenso científico tornou-se uma construção fabricada, ditada pela política e pelo poder.

O recente lançamento dos "Arquivos do Twitter" revela como as agências governamentais, as Big Tech, a mídia e a academia conspiraram em um esforço para policiar o conteúdo on-line e censurar vozes dissidentes para criar uma falsa percepção de consenso.

Um exemplo flagrante foi o Projeto de Viralidade da Universidade de Stanford, que reuniu acadêmicos de elite, especialistas em inteligência artificial e empresas de mídia social para censurar histórias "verdadeiras" de lesões por vacinas sob o pretexto de combater a desinformação.

O Dr. Robert Malone, médico e pioneiro da tecnologia de mRNA, resumiu a situação com precisão quando disse:

"O verdadeiro problema aqui é a maldita imprensa e os gigantes da internet. A imprensa e esses players de tecnologia agem para fabricar e reforçar o "consenso" em torno de narrativas selecionadas e aprovadas. E então isso está sendo armado para atacar dissidentes, incluindo médicos altamente qualificados."

A pandemia tornou esse comportamento insidioso mais visível, mas a realidade é que isso vem acontecendo há muito tempo – eu saberia – eu fui pego nisso.

Consenso na grande mídia

Como apresentador de TV no programa de ciência "Catalyst" da ABC por mais de uma década, meu papel era investigar questões científicas e, se necessário, desafiar a ortodoxia.

O ABC não é financiado pela indústria privada, mas pelo erário público, para evitar o viés que se abate sobre as redes comerciais. Ou assim eu pensava.

Vários anos atrás, minha carreira de sucesso no ABC chegou a um impasse depois que os defensores do "consenso científico" criticaram vários documentários que produzi, que questionavam várias ortodoxias médicas, como medicamentos para baixar o colesterol, diretrizes nutricionais e a prescrição excessiva de medicamentos.

Um documentário questionou os impactos na saúde da exposição prolongada a dispositivos sem fio (como iPads, laptops e smartphones) que emitem radiação de baixa frequência – fizemos nossa devida diligência e empreendemos um processo excruciante de revisão do programa quanto à integridade legal, editorial e factual.

No programa, questionamos por que a autoridade de segurança de radiação do governo australiano (ARPANSA) tinha padrões de segurança desatualizados e excluía evidências importantes de vários artigos revisados por cientistas independentes.

Isso desencadeou uma tempestade de reclamações da indústria de telecomunicações, da autoridade reguladora e da ARPANSA, que estavam se preparando para o maior lançamento sem fio que o país já havia visto.

Especialistas do setor emergiram das sombras, e a mídia obrigou, relatando acriticamente críticas ao programa, ignorando aqueles que o defendiam. Nenhuma atenção foi dada à influência da indústria sobre a ciência.

Os críticos reclamaram que eu havia dado peso a uma posição "marginal" que não era apoiada pela ciência. E por "marginal" eles estavam se referindo a Devra Davis, Ph.D., MPH, professora de epidemiologia na Universidade de Pittsburgh, com uma carreira distinta na Academia Nacional de Ciências e no Conselho Nacional de Pesquisa.

O ABC cedeu à pressão implacável e me suspendeu das tarefas no ar, concluindo que eu havia dado destaque "a visões que desafiavam o consenso científico".

E por "consenso científico", eles queriam dizer a posição tomada pela ARPANSA, a mesma organização que eu havia criticado por seus regulamentos frouxos.

Eventualmente, a ABC proibiu o programa e "reestruturou" o departamento, demitindo a equipe. O que a rede acreditava que seria uma solução rápida teve consequências sérias e de longo alcance.

Isso não apenas impediria futuros jornalistas de questionar a ortodoxia, mas enviaria uma mensagem assustadora de que o ABC sucumbiria à pressão da indústria e favoreceria o consenso científico.

Acho que Michael Crichton – médico, produtor e escritor – explicou melhor quando deu uma palestra sobre ciência, política e consenso em 2003:

"Eu considero a ciência do consenso como um desenvolvimento extremamente pernicioso que deve ser interrompido friamente em seus trilhos. Historicamente, a reivindicação de consenso tem sido o primeiro refúgio dos; é uma forma de evitar o debate, alegando que o assunto já está resolvido".

Ele continuou:

"O consenso é o negócio da política. ... Os maiores cientistas da história são grandes precisamente porque romperam com o consenso. Não existe ciência de consenso. Se é consenso, não é ciência. Se é ciência, não é consenso. Ponto final."

Publicado originalmente pelo Brownstone Institute.

Maryanne Demasi é uma repórter médica investigativa com Ph.D. em reumatologia.


Visite nosso site: www.aquera.org e www.spavitatech.com




256 visualizações0 comentário

Commenti


bottom of page