Consumo de cogumelos pode diminuir o risco de depressão




O consumo regular de cogumelos pode reduzir o risco de uma pessoa desenvolver depressão, relata um novo estudo.

Fonte: Penn State

Cogumelos têm feito manchetes devido às suas muitas vantagens para a saúde. Eles não só reduzem o risco de câncer e morte prematura, mas uma nova pesquisa liderada pela Penn State College of Medicine também revela que esses superalimentos podem beneficiar a saúde mental de uma pessoa.

Pesquisadores da Penn State usaram dados sobre dieta e saúde mental coletados de mais de 24.000 adultos americanos entre 2005 e 2016. Eles descobriram que as pessoas que comem cogumelos tinham menores chances de ter depressão.

De acordo com os pesquisadores, os cogumelos contêm ergothioneina, um antioxidante que pode proteger contra danos celulares e tecidos no corpo. Estudos têm mostrado que os antioxidantes ajudam a prevenir várias doenças mentais, como esquizofrenia, transtorno bipolar e depressão.

"Os cogumelos são a maior fonte dietética do aminoácido ergothioneine — um anti-inflamatório que não pode ser sintetizado por humanos", disse o pesquisador principal Djibril Ba, recém-formado no programa de doutorado em epidemiologia da Faculdade de Medicina. "Ter altos níveis disso pode diminuir o risco de estresse oxidativo, o que também pode reduzir os sintomas da depressão."

Os cogumelos de botão branco, que são a variedade de cogumelos mais consumida nos EUA, contêm potássio, o que acredita-se que reduz a ansiedade. Além disso, algumas outras espécies de cogumelos comestíveis, especialmente Hericium erinaceus, também conhecido como Juda de Leão, podem estimular a expressão de fatores neurotróficos, como a síntese do fator de crescimento nervoso, que poderia ter um impacto na prevenção de distúrbios neuropsiquiátricos, incluindo a depressão.


De acordo com os pesquisadores, mulheres brancas não-hispânicas com formação universitária eram mais propensas a comer cogumelos. A idade média dos participantes pesquisados foi de 45 anos, e a maioria (66%) eram brancos não hispânicos. Os pesquisadores observaram associação significativa entre o consumo de cogumelos e menores chances de depressão após a contabilização de sociodemografia, principais fatores de risco, doenças autorreendidas, medicamentos e outros fatores alimentares. Eles disseram, no entanto, que não havia um benefício adicional claro com a ingestão relativamente alta de cogumelos.

"O estudo se soma à crescente lista de possíveis benefícios para a saúde de comer cogumelos", disse Joshua Muscat, pesquisador do Penn State Cancer Institute e professor de ciências da saúde pública.

A equipe realizou uma análise secundária para ver se o risco de depressão poderia ser reduzido substituindo uma porção de carne vermelha ou processada por uma porção de cogumelos todos os dias. No entanto, os achados mostram que essa substituição não estava associada a menores chances de depressão.

Antes desta pesquisa, houve poucos estudos para examinar a associação entre consumo de cogumelos e depressão, e a maioria foram ensaios clínicos com menos de 100 participantes. Os pesquisadores disseram que este estudo destaca a potencial importância clínica e de saúde pública do consumo de cogumelos como forma de reduzir a depressão e prevenir outras doenças.

Os pesquisadores observaram algumas limitações que poderiam ser abordadas em estudos futuros. Os dados não forneceram detalhes sobre os tipos de cogumelos. Como resultado, os pesquisadores não conseguiram determinar os efeitos de tipos específicos de cogumelos na depressão. Os códigos alimentares emitidos pelo Departamento de Agricultura dos EUA foram usados para determinar a ingestão de cogumelos; portanto, algumas entradas podem ter sido mal classificadas ou registradas incorretamente.

John Richie e Xiang Gao do Penn State Cancer Institute; Laila Al-Shaar e Vernon Chinchilli da Penn State College of Medicine; e Robert Beelman, da Penn State College of Agricultural Sciences, também contribuíram para esta pesquisa. Os pesquisadores não declaram conflitos de interesse ou apoio específico ao financiamento.

“Mushroom intake and depression: A population-based study using data from the US National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), 2005–2016” by Djibril Ba et al. Journal of Affective Disorders


117 visualizações0 comentário