Contribuição Genética para a Ansiedade é parcialmente mediada pelo microbioma intestinal




Um micrografo eletrônico de varredura de Escherichia coli, que é uma das muitas cepas de bactérias encontradas nas entranhas dos mamíferos.


Pesquisadores identificaram variantes genéticas específicas e famílias de micróbios intestinais associados ao comportamento semelhante à ansiedade, incluindo genes hospedeiros que influenciam a ansiedade indiretamente.

A prevalência de transtornos de ansiedade, já a doença mental mais comum em muitos países, incluindo os EUA, aumentou durante a nova pandemia coronavírus. Um estudo liderado por pesquisadores da Área de Biociências do Berkeley Lab fornece evidências de que cuidar do nosso microbioma intestinal pode ajudar a mitigar um pouco dessa ansiedade.

A equipe usou uma linhagem geneticamente heterogênea de camundongos conhecidos como Cruz Colaborativa (CC) para sondar conexões entre genes, composição de microbioma intestinal e comportamento semelhante à ansiedade. Eles primeiro categorizaram 445 ratos em cepas de 30 CC como alta ou baixa ansiedade com base em seu comportamento no ensaio da caixa clara/escura: uma caixa com dois compartimentos — um transparente e iluminado, o outro preto e não iluminado — conectado por uma abertura. O grau em que a aversão inata dos roedores a espaços abertos e iluminados substitui (ou não) seu instinto de explorar um novo ambiente é um análogo áspero para ansiedade alta (ou baixa).

Os pesquisadores então realizaram análises de estudo de associação genoma-em todo o genoma (GWAS), comparando camundongos de alta e baixa ansiedade, e também analisaram e compararam a composição do microbioma intestinal em animais de alta versus baixa ansiedade. Eles identificaram variantes genéticas específicas e famílias de micróbios intestinais associados ao comportamento semelhante à ansiedade, incluindo genes hospedeiros que influenciam a ansiedade indiretamente, modulando a abundância de microrganismos específicos no intestino.

"Esperamos que este estudo informe pesquisas futuras para avaliar tratamentos para ansiedade que levem em conta tanto o genoma hospedeiro quanto o microbioma", disse o coautor principal Antoine Snijders, cientista da divisão de sistemas biológicos e engenharia.

“Gut microbiome partially mediates and coordinates the effects of genetics on anxiety-like behavior in Collaborative Cross mice” by X. Jin, Y. Zhang, S. E. Celniker, Y. Xia, J.-H. Mao, A. M. Snijders & H. Chang. Scientific Reports


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo