COVID-19 tem influência negativa no comportamento pró-social





As infecções do COVID-19 nas famílias ampliaram a lacuna pró-social quase três vezes entre pessoas com maior nível socioeconômico e aquelas de origens de menor nível socioeconômico.

Fonte: Instituto Max Planck

O COVID-19 tem efeitos particularmente negativos em pessoas que vêm de origens economicamente mais fracas e menos instruídas, especialmente quando olhamos para saúde, segurança do trabalho e educação – isso é mostrado por números e estudos dos últimos meses. Como a pandemia coronavírus afeta o comportamento pró-social, por outro lado, ainda é amplamente desconhecida.

Um grupo de pesquisadores econômicos liderados por Matthias Sutter agora foi capaz de mostrar que o comportamento pró-social também é afetado negativamente pela pandemia. E aqui, também, são principalmente os indivíduos socialmente mais fracos que são afetados.

Uma infecção pelo coronavírus dentro da família leva a uma redução drástica do comportamento pró-social em adolescentes de famílias socioeconomicamente mais fracas. Isso significa que sua vontade de confiar em outras pessoas, cooperar com elas ou ajudá-las diminui significativamente.

Esse achado é resultado de um estudo conduzido pelo economista comportamental Matthias Sutter, que trabalha nas Universidades de Innsbruck e Colônia e no Instituto Max Planck de Pesquisa em Bens Coletivos em Bonn, em colaboração com uma equipe de pesquisa da Universidade de Lausanne e da Escola de Economia de Toulouse.