Definição do Microbioma de Parkinson fortalece os laços com a saúde intestinal



A meta-análise fornece a imagem mais clara até agora sobre o microbioma intestinal de Parkinson


Um estudo de meta-análise revela que alterações no microbioma intestinal podem desencadear problemas gastrointestinais associados à doença de Parkinson. Além disso, os problemas gastrointestinais podem ocorrer anos antes de outros sintomas de Parkinson se desenvolverem.

Pesquisadores do Instituto Quadram realizaram uma meta-análise do microbioma intestinal na doença de Parkinson, dando a imagem mais clara até o momento das mudanças associadas à condição.

Ao reanalisar dados de dez estudos diferentes, surge um padrão comum de alterações na abundância de tipos de bactérias na doença de Parkinson, sugerindo que a alteração no microbioma intestinal pode desencadear alguns dos problemas gastrointestinais observados em pacientes.

Parkinson é uma condição progressiva que afeta células nervosas que produzem dopamina, que coordena o movimento. À medida que mais células nervosas morrem, menos dopamina é produzida, levando a tremores gradualmente piores, movimento mais lento e rigidez muscular.

Além disso, muitas pessoas com Mal de Parkinson têm problemas gastrointestinais que podem aparecer vários anos antes dos sintomas de movimento físico. Eles também podem ter inflamação e intestino "vazado", sinais de um microbioma intestinal desequilibrado.


Essas observações levaram estudos de sequenciamento de genomas a identificar os tipos de bactérias no microbioma de pessoas com Mal de Parkinson, e comparar isso com pessoas sem a condição.

Vários estudos mostraram diferenças no microbioma de Parkinson, mas nenhum consenso claro surgiu. As diferenças entre os estudos podem refletir diferentes metodologias, mas também a variabilidade inerente no microbioma humano, moldada pelo estilo de vida e variações alimentares em diferentes populações ao redor do mundo.

Regimes de tratamento medicamentoso e uso de antibióticos também impactam nas bactérias intestinais, por isso a variabilidade entre diferentes estudos não é uma surpresa, mas torna mais difícil tirar conclusões definitivas sobre a associação entre o microbioma e o Parkinson.

Para lidar com isso, os pesquisadores do Instituto Quadram procuraram reanaliser os dados do paciente emparelhados com seu controle coletado em estudos de seis países diferentes. Este grande pool de 1200 amostras permitiu que as pesquisas identificassem diferenças robustas entre os microbiomas de pessoas com ou sem mal de Parkinson. O estudo foi apoiado pelo Conselho de Pesquisa em Biotecnologia e Ciências Biológicas (BBSRC), parte da UKRI.

A meta-análise, publicada na revista NPJ Parkinson's Disease,confirmou que o microbioma de Parkinson é diferente com uma redução das bactérias dominantes geralmente encontradas em um intestino humano saudável.

Mas para entender como as mudanças no microbioma afetam a saúde, precisamos saber o que essas bactérias estão fazendo. Que produtos químicos, metabólitos ou sinais eles produzem e como isso muda com a doença?

Os pesquisadores relatam que algumas das bactérias empobrecidas no butirato de Parkinson produzem, que é usada pelas células que alinham o intestino para manter sua integridade como barreira. Butirato e outros ácidos graxos de cadeia curta também desempenham papéis importantes nas interações entre o intestino, o sistema nervoso e o cérebro.


Em estudos anteriores, os pacientes com Mal de Parkinson mostraram ter níveis mais baixos de butirato e aumento da inflamação e permeabilidade do revestimento intestinal. Esgotamentos semelhantes em espécies bacterianas-chave, níveis de butirato e integridade do revestimento intestinal são vistos em pacientes com Doença Inflamatória Intestinal (DII) e pacientes com IBD têm um risco 20%-30% maior de desenvolver doença de Parkinson.

Outras bactérias envolvidas na produção de metano são enriquecidas no intestino dos pacientes com Parkinson. Isso juntamente com uma abundância crescente de bactérias capazes de degradar o muco dentro do intestino pode afetar o tempo de trânsito e explicar os problemas de constipação que são recorrentemente observados em pacientes com Parkinson.

Este estudo faz backup e adiciona às evidências que ligam o microbioma intestinal, inflamação intestinal e função imunológica no Parkinson, e fornece dicas intrigantes sobre mecanismos potenciais pelos quais o microbioma intestinal influencia a doença.

No entanto, a equipe ressalta que os dados disponíveis não podem responder à questão se as alterações do microbioma causam a Doença de Parkinson ou são um efeito dele, e sugerem estratégias amostrais que poderiam ajudar a entender a ligação causal entre a doença e o microbioma intestinal.

O Dr. Stefano Romano, que liderou o estudo, comentou "A variabilidade entre os estudos é muito grande. No entanto, ainda podemos detectar diferenças entre o microbioma intestinal dos pacientes e os controles. Isso significa que as alterações de microbioma na doença de Parkinson são consistentes entre as coortes amostrais."

"Há uma necessidade clara de pesquisar mais mudanças microbianas intestinais ligadas a doenças em aplicações diagnósticas ou prognósticas."

Alterações de microbioma também podem ser usadas como biomarcadores, especialmente úteis para detectar o início mais precoce da doença, e abrir novos alvos para terapias.

"A restauração de um microbioma equilibrado em pacientes pode aliviar alguns dos sintomas do Parkinson, e esta é uma rota realmente emocionante de pesquisa que estamos explorando."


Press Office – Quadram Institute


94 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo