Depressão, ansiedade, solidão estão atingindo o pico em estudantes universitários



E, crucialmente, diz ela, os instrutores devem ter em mente que o fardo da saúde mental não é o mesmo em todas as demografias dos alunos. Imagem está em domínio público

Um novo estudo revela um aumento de estudantes relatando sintomas de depressão, ansiedade e solidão. 83% dos estudantes entrevistados relataram que sua saúde mental havia impactado seu desempenho acadêmico no último mês.

Uma pesquisa realizada por um pesquisador da Universidade de Boston com cerca de 33.000 estudantes universitários em todo o país revela que a prevalência de depressão e ansiedade em jovens continua a aumentar, chegando agora a seus níveis mais altos, um sinal dos fatores de estresse crescentes devido à pandemia coronavírus, agitação política e racismo e desigualdade sistêmicas.

"Metade dos alunos no outono de 2020 apresentou positivo para depressão e/ou ansiedade", diz Sarah Ketchen Lipson, pesquisadora de saúde mental da Universidade de Boston e co-principal pesquisadora da pesquisa nacional publicada no Februray 11, 2021, que foi administrada online durante o outono de 2020 através da Healthy Minds Network.


A pesquisa revela ainda que 83% dos estudantes disseram que sua saúde mental impactou negativamente seu desempenho acadêmico no último mês, e que dois terços dos estudantes universitários estão lutando contra a solidão e se sentindo isolados – uma prevalência de maior prevalência de todos os tempos que reflete o pedágio da pandemia e o distanciamento social necessário para controlá-la.

Lipson, professor assistente de direito, política e gestão da ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA da BU School of Health, diz que os achados da pesquisa reforçam a necessidade de professores e professores universitários colocarem mecanismos que possam acomodar as necessidades de saúde mental dos alunos.

"Os professores precisam ser flexíveis com prazos e lembrar aos alunos que seu talento não é demonstrado apenas por sua capacidade de obter uma nota máxima durante um semestre desafiador", diz Lipson.

Ela acrescenta que os instrutores podem proteger a saúde mental dos alunos, tendo tarefas de aula previstas para as 17h, em vez de meia-noite ou 9h, horários que Lipson diz que podem incentivar os alunos a ir para a cama mais tarde e perder o sono valioso para cumprir esses prazos.

Especialmente em ambientes de sala de aula menores, onde a ausência de um aluno pode ser mais perceptível do que em palestras maiores, instrutores que notam que alguém faltando às aulas devem entrar em contato diretamente com o aluno para perguntar como eles estão.

"Mesmo em classes maiores, onde a divulgação 1:1 é mais difícil, os instrutores podem enviar e-mails de classe reforçando a ideia de que eles se preocupam com seus alunos não apenas como alunos, mas como pessoas, e circulando informações sobre os recursos do campus para saúde mental e bem-estar", diz Lipson.

E, crucialmente, diz ela, os instrutores devem ter em mente que o fardo da saúde mental não é o mesmo em todas as demografias dos alunos. "Estudantes de cor e estudantes de baixa renda são mais propensos a sofrer a perda de um ente querido devido ao COVID", diz Lipson. Eles também são "mais propensos a enfrentar estresse financeiro". Todos esses fatores podem impactar negativamente a saúde mental e o desempenho acadêmico de "maneiras profundas", diz ela.

Em um nível mais alto dentro de faculdades e universidades, diz Lipson, os administradores devem se concentrar em fornecer aos alunos serviços de saúde mental que enfatizem a prevenção, o enfrentamento e a resiliência. Os dados da pesquisa de outono de 2020 revelaram uma "lacuna de tratamento" significativa, o que significa que muitos estudantes que avaliam positivo para depressão ou ansiedade não estão recebendo serviços de saúde mental.

"Muitas vezes, os alunos só procuram ajuda quando se encontram em uma crise de saúde mental, exigindo recursos mais urgentes", diz Lipson. "Mas como podemos criar sistemas para promover o bem-estar antes que eles cheguem a esse ponto?" Ela tem uma sugestão: "Todos os alunos devem receber educação em saúde mental, idealmente como parte do currículo exigido".

Também é importante notar, diz ela, que o aumento dos desafios à saúde mental não é exclusivo do cenário universitário — em vez disso, os resultados da pesquisa são consistentes com uma tendência mais ampla de declínio da saúde mental em adolescentes e adultos jovens. "Acho que a saúde mental está piorando [em toda a população dos EUA], e além disso, agora estamos coletando mais dados sobre essas tendências do que nunca", diz Lipson.

"Sabemos que o estigma da saúde mental está diminuindo, e essa é uma das maiores razões pelas quais somos capazes de coletar dados melhores. As pessoas estão sendo mais abertas, tendo mais diálogo sobre isso, e nós somos capazes de identificar melhor que as pessoas estão lutando."

A piora da saúde mental dos americanos, de forma mais ampla, diz Lipson, pode ser devido a uma confluência de fatores: a pandemia, o impacto das mídias sociais e a mudança de valores sociais que estão se tornando mais extrinsecamente motivados (uma carreira de sucesso, ganhando mais dinheiro, obtendo mais seguidores e curtidas), em vez de intrinsecamente motivados (sendo um bom membro da comunidade).

O peso esmagador das pressões financeiras históricas é um fardo adicional. "A dívida estudantil é tão estressante", diz Lipson. "Você está mais predisposto a experimentar ansiedade quanto mais dívida você tem. E pesquisas indicam que o suicídio está diretamente ligado ao bem-estar financeiro."

Com mais de 22 milhões de jovens matriculados em faculdades e universidades dos EUA, "e com os anos tradicionais de vida universitário coincidindo com a idade de início das doenças mentais ao longo da vida", Lipson ressalta que o ensino superior é um cenário crucial onde a prevenção e o tratamento podem fazer a diferença.

Um ponto positivo potencial da pesquisa foi que o estigma em torno da saúde mental continua a desaparecer. Os resultados revelam que 94% dos estudantes dizem que não julgariam alguém por procurar ajuda para a saúde mental, o que Lipson diz ser um indicador que também se correlaciona com esses alunos que podem procurar ajuda durante uma crise pessoal (embora, paradoxalmente, quase metade dos alunos digam que percebem que outros podem pensar mais mal deles se eles procurarem ajuda).

"Somos mais duros em nós mesmos e mais críticos de nós mesmos do que com outras pessoas — chamamos isso de percepção versus estigma pessoal", diz Lipson. "Os alunos precisam perceber que seus colegas não estão julgando você."


Molly Gluck – Boston University


67 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo