Desigualdades na educação ligadas ao aumento do envelhecimento cognitivo nas mulheres



As mulheres mais velhas tendiam a ter piores escores de fluidez de memória do que os homens da mesma faixa etária. No entanto, o inverso foi verdadeiro para as mulheres mais jovens. Pesquisadores propõem que a diferença pode ser resultado de mulheres mais jovens terem mais acesso ao ensino superior do que as gerações anteriores.

Melhorias no acesso à educação para meninas ao longo do último século no Reino Unido provavelmente terão diferenças reduzidas no envelhecimento cognitivo entre homens e mulheres, reduzindo potencialmente as disparidades sexuais no risco de demência, revela um novo grande estudo de coorte liderado pela UCL.

Embora pesquisas anteriores indiquem que as mulheres têm maior risco de demência do que os homens, o estudo, publicado hoje no The Lancet Public Health,descobriu que as desigualdades históricas nos níveis de educação foram parcialmente responsáveis pelas diferenças no envelhecimento cognitivo entre homens e mulheres, potencialmente contribuindo para disparidades sexuais no risco de demência.

Utilizando dados combinados do Estudo Longitudinal inglês do Envelhecimento (ELSA) e do estudo Whitehall II, os pesquisadores avaliaram o impacto da educação e coorte de nascimentos sobre diferenças nas trajetórias de "memória" e "fluência" de 15.924 participantes nascidos entre 1930 e 1955.

A memória foi avaliada pedindo aos participantes que memorizem uma lista de palavras e, em seguida, lembrem-se o máximo possível em dois minutos. A fluência foi avaliada pedindo aos participantes que listassem o maior número possível de animais em um minuto.

No geral, a equipe constatou que as mulheres tiveram um desempenho melhor do que os homens no teste de memória, com diferenças mais marcantes encontradas nas mulheres nascidas mais recentemente. Além disso, as mulheres também experimentaram taxas mais lentas de declínio da memória do que os homens.

Verificou-se que as mulheres apresentaram piores escores de fluência do que os homens na coorte de nascimentos mais velhos, mas essa diferença se inverteu progressivamente em coortes de nascimento mais recentes, com mulheres nascidas entre 1946 e 1955 com pontuações melhores do que seus homólogos masculinos. Os pesquisadores descobriram que essas mudanças poderiam ser parcialmente explicadas pelo aumento do nível de escolaridade das mulheres nascidas posteriormente; enquanto os homens eram mais propensos do que as mulheres a ter alto nível de escolaridade em todas as coortes de nascimento, o nível de educação das mulheres aumentou a cada coorte sucessiva de nascimentos.

Dado que o fraco desempenho nos testes de memória e fluência está fortemente associado à demência, os autores concluem que o aumento das oportunidades educacionais que impulsionam melhorias na cognição de meia-idade para as mulheres pode, portanto, reduzir as diferenças sexuais no risco de demência para as gerações futuras.

Realizado com pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica da França, acredita-se que o estudo seja o primeiro desse tipo nesta escala a avaliar de forma abrangente as diferenças sexuais nos desfechos cognitivos que também examinam o papel das mudanças seculares (de longo prazo) na educação.

A autora principal, a doutoranda Mikaela Bloomberg (Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da UCL), disse: "Nossas descobertas sugerem que, entre as pessoas educadas na primeira metade do século XX, as desigualdades de gênero no acesso à educação levaram a níveis de educação mais baixos entre as mulheres e isso provavelmente impactou negativamente o envelhecimento cognitivo e, portanto, aumentou o risco de demência para as mulheres. Nosso estudo sugere que isso pode mudar no futuro, à medida que as disparidades no acesso à educação diminuem, destacando a importância do acesso equitativo à educação para a saúde, particularmente em países onde o acesso à educação para mulheres e meninas ainda é limitado."

A coautora, Dra Séverine Sabia, (Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da UCL) disse: "Não podemos concluir definitivamente nesta fase que as diferenças no risco de demência entre homens e mulheres serão reduzidas, pois estudamos apenas dois componentes da função cognitiva, e a educação não é o único fator que influencia o risco de demência. No entanto, a tendência que surge aqui sugere que o aumento do acesso a níveis mais elevados de educação pode resultar em melhor envelhecimento cognitivo e, portanto, uma redução das diferenças sexuais no risco de demência no futuro."

Financiamento: Os financiadores do estudo incluíram o Instituto Nacional de Envelhecimento, Institutos Nacionais de Saúde; Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido; Fundação Britânica do Coração; e Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde.

“Sex differences and the role of education in cognitive ageing: analysis of two UK-based prospective cohort studies” by Mikaela Bloomberg, MSc et al. Lancet Public Health


2 visualizações0 comentário