Dietas personalizadas são essenciais para a saúde mental



Abordagens dietéticas para melhorar o bem-estar mental entre homens maduros incluem a ingestão moderada de nozes.


Mudanças na dieta e no estilo de vida podem ser fundamentais para reduzir os riscos para transtornos psiquiátricos e melhorar a saúde mental em geral.

Dietas personalizadas e mudanças no estilo de vida podem ser a chave para otimizar a saúde mental, de acordo com novas pesquisas, incluindo professores da Universidade de Binghamton.

"Há evidências crescentes de que a dieta desempenha um papel importante na melhoria da saúde mental, mas todos estão falando sobre uma dieta saudável", disse Begdache, professor assistente de estudos de saúde e bem-estar na Universidade de Binghamton e coautor de um novo artigo em Nutrientes.

"Precisamos considerar um espectro de mudanças alimentares e de estilo de vida com base em diferentes faixas etárias e gênero", disse ela. "Não há uma dieta saudável que funcione para todos. Não há uma solução.

Begdache, que também é nutricionista registrada, acredita que as terapias de saúde mental precisam considerar as diferenças no grau de maturidade cerebral entre jovens (18 a 29 anos) e adultos maduros (30 anos ou mais), bem como a morfologia cerebral entre homens e mulheres.

Ela e sua equipe de pesquisa realizaram uma pesquisa online para examinar a ingestão de alimentos, práticas alimentares, exercícios e outros fatores de estilo de vida nessas quatro subpopulações. Durante um período de cinco anos (2014-19), mais de 2.600 participantes preencheram o questionário após responderem a postagens nas redes sociais anunciando a pesquisa. A equipe coletou dados em diferentes momentos e estações do ano e encontrou importantes contribuintes alimentares e de estilo de vida para o sofrimento mental — definidos como ansiedade e depressão — em cada um dos grupos.

Principais achados deste estudo:

· Abordagens alimentares e de estilo de vida significativas para melhorar o bem-estar mental entre as mulheres jovens incluem o consumo diário de café da manhã, frequência de exercícios moderada a alta, baixa ingestão de cafeína e abstinência de fast food.

· Abordagens dietéticas e de estilo de vida para melhorar o bem-estar mental entre mulheres maduras incluem exercícios diários e consumo de café da manhã, bem como alta ingestão de frutas com ingestão limitada de cafeína.

· Para melhorar o bem-estar mental dos jovens, as abordagens alimentares e de estilo de vida incluem exercícios frequentes, consumo moderado de laticínios, alto consumo de carne, bem como baixo consumo de cafeína e abstinência de fast food.

· Abordagens dietéticas para melhorar o bem-estar mental entre homens maduros incluem a ingestão moderada de nozes.

· Begdache e sua equipe dividiram os entrevistados em duas faixas etárias porque o desenvolvimento do cérebro humano continua até o final dos anos 20. Para adultos jovens de ambos os sexos, a qualidade da dieta parece ter um impacto no cérebro em desenvolvimento.

· "Os jovens adultos ainda estão formando novas conexões entre as células cerebrais, bem como construindo estruturas; portanto, eles precisam de mais energia e nutrientes para fazer isso", disse Begdache.

· Como resultado, adultos jovens que consomem uma dieta de má qualidade e experimentam deficiências nutricionais podem sofrer de um maior grau de distros mentais

· A idade também é a razão pela qual o alto consumo de cafeína foi associado ao sofrimento mental tanto em homens jovens quanto em mulheres jovens.

· "A cafeína é metabolizada pela mesma enzima que metaboliza os hormônios sexuais testosterona e estrogênio, e adultos jovens têm altos níveis desses hormônios", disse Begdache. "Quando homens e mulheres jovens consomem altos níveis de cafeína, ela permanece em seu sistema por muito tempo e continua estimulando o sistema nervoso, o que aumenta o estresse e eventualmente leva à ansiedade."

· A equipe também dividiu os entrevistados com base no sexo biológico, uma vez que a morfologia cerebral e a conectividade diferem entre homens e mulheres. Simplificando, o cérebro masculino é "conectado" para permitir a percepção e a coordenação, enquanto o cérebro feminino é construído para apoiar a análise e a intuição. Begdache e sua equipe acreditam que essas diferenças podem influenciar as necessidades nutricionais

· "Descobri em meus múltiplos estudos até agora, que os homens são menos propensos a serem afetados pela dieta do que as mulheres", disse Begdache. "Enquanto eles comerem uma dieta ligeiramente saudável, eles terão um bom bem-estar mental. É só quando eles consomem principalmente fast food que começamos a ver sofrimento mental.

· "As mulheres, por outro lado, realmente precisam estar consumindo todo um espectro de alimentos saudáveis e fazendo exercícios para ter bem-estar mental positivo", acrescentou. "Essas duas coisas são importantes para o bem-estar mental das mulheres em todas as faixas etárias."

· Segundo Begdache, as recomendações atuais para o consumo alimentar são todas baseadas na saúde física; não há recomendações para a saúde mental. Ela espera que isso mude — e que seu trabalho tenha um papel na realização dessas mudanças.

· "Espero ver mais pessoas pesquisando nessa área e publicando sobre a personalização da dieta com base na idade e no sexo", disse ela. "Espero que um dia, instituições e governos criem recomendações alimentares para a saúde cerebral."


Diet, Exercise, Lifestyle, and Mental Distress among Young and Mature Men and Women: A Repeated Cross-Sectional Study” by Lina Begdache et al. Nutrients



13 visualizações0 comentário