Dificuldade em aprender palavras sem sentido pode indicar o alto risco de dislexia de uma criança




A magnetoencefalografia (MEG) foi utilizada para estudar dificuldades de leitura em crianças. Esta foto mostra os preparativos para o teste de medição. A criança na foto não fazia parte do estudo.



Crianças com alto risco de dislexia têm dificuldade em aprender novas palavras depois de ouvi-las, relata um novo estudo. Os resultados mostram que aqueles em risco de dislexia têm dificuldades de borda no processamento da linguagem no cérebro, o que pode explicar por que as dificuldades de leitura ocorrem.

Pesquisadores da Universidade de Aalto e do Instituto Niilo Mäki têm usado neuroimagem para identificar onde o cérebro ativa – ou não ativa – entre crianças identificadas como tendo alto risco de dislexia. A magnetoencefalografia (MEG) raramente tem sido usada para estudar o transtorno de leitura em crianças.


O estudo cerebral foi realizado na Universidade de Aalto medindo a atividade cerebral com o MEG, que mede os fracos campos magnéticos decorrentes da atividade elétrica no cérebro, durante um período de dois dias. Estudos anteriores mostraram que as dificuldades no processamento de sons podem ser parcialmente responsáveis pela dislexia, e que esses desafios podem estar relacionados com o córtex auditivo esquerdo que processa a linguagem.

Durante o estudo, as crianças ouviram palavras sem sentido de quatro sílabas de um alto-falante e foram solicitadas a repeti-las. Os pesquisadores então perguntaram às crianças se já tinham ouvido a palavra antes.

As palavras eram palavras sem sentido que realmente não significam nada. Queríamos ver como as crianças aprenderam a criar memórias de novas palavras. Notamos que crianças com alto risco de dislexia também têm deficiências em aprender novas palavras com base em ouvi-las. Suas memórias de novas palavras não eram muito precisas, e não eram capazes de diferenciar as palavras inventadas umas das outras. Isso é uma indicação de uma dificuldade mais ampla no processamento de palavras no cérebro, o que dificulta a aprendizagem para ler mais difícil", diz a Dra Anni Nora, pesquisadora de pós-doutorado que desenvolveu o teste de medição do MEG junto com a professora Riitta Salmelin e a professora assistente Hanna Renvall da Universidade de Aalto.

A ativação neural no hemisfério cerebral direito das crianças com alto risco de dislexia foi comparável à das crianças do grupo controle. Os problemas no processamento do conteúdo sonoro da fala e no aprendizado de novas palavras foram focados na atividade do córtex auditivo do hemisfério esquerdo — a área do cérebro especializada no processamento da linguagem e da fala, e onde o suporte à memória da palavra está localizado.

Consideravelmente menos ativação cerebral foi encontrada no hemisfério cerebral esquerdo entre crianças em risco de dislexia. Particularmente nas crianças, o processamento da linguagem e da fala também pode ser visto no hemisfério direito, mas com o tempo a ênfase se move para o lado esquerdo – cada lado se concentra em tarefas mais específicas à medida que as crianças envelhecem. Seria interessante saber se os problemas com a leitura e a escrita são causados pela forma como os hemisférios cerebrais se especializam", acrescenta Nora.

Os participantes do estudo estavam no primeiro e segundo anos de estudo e tinham sido identificados, com a ajuda de um professor, como de alto risco. A equipe de pesquisa realizou exames neuropsicológicos, testou habilidades de leitura e escrita e habilidades cognitivas, e mediu funções cerebrais. As crianças também foram questionadas sobre sua motivação, incluindo suas crenças sobre suas próprias habilidades de leitura.

Suporte a partir de dicas e feedback

A atividade cerebral anômal aos 7 ou 8 anos não previu completamente o desenvolvimento posterior da leitura; outros fatores parecem estar envolvidos, incluindo a crença de uma criança em sua própria capacidade de aprender. O Instituto Niilo Mäki estudou isso mais adiante, usando ferramentas e testes, incluindo um jogo chamado GraphoLearn (em Ekapeli finlandês), que é usado para ensinar habilidades de leitura para crianças finlandesas.

"As crianças foram convidadas a ler ambas as palavras e pseudowords sem sentido que eles não podiam adivinhar. O estudo também incluiu uma parte que testou como o GraphoLearn afetou as dificuldades na leitura e na escrita.


Geralmente, jogar este jogo de aprendizagem não teve um efeito significativo. Mas as crianças que estavam confiantes sobre suas habilidades de leitura tiveram benefícios adicionais de jogar o jogo, e fizeram melhores progressos em suas habilidades de leitura do que aquelas no grupo de controle. Pode ser uma boa ideia desenvolver ferramentas para professores de educação especial para ajudá-los a apoiar a autoeficácia das crianças", diz a pesquisadora de pós-doutorado Miia Ronimus, do Instituto Niilo Mäki.

GraphoLearn é um jogo de aprendizagem móvel desenvolvido na Universidade de Jyväskylä e no Instituto Niilo Mäki. Os jogadores conectam letras aos sons da fala e o jogo se adapta ao nível de habilidade da criança. As crianças com as habilidades de leitura e escrita mais fracas foram selecionadas para o período de seis semanas de GraphoLearn. A supervisão do exercício foi deixada aos professores e pais. Com base no estudo, recursos como dicas e feedback verbal foram adicionados ao jogo.

"O jogo de aprendizagem agora oferece dicas de como melhorar o desempenho. Se uma criança reagir muito rapidamente, por exemplo, o jogo pode instruir a criança a ir com calma e diminuir a velocidade", diz Ronimus.

A pesquisa foi conduzida por um consórcio financiado pela Academia da Finlândia. Os principais pesquisadores foram, além de Riitta Salmelin, os professores Heikki Lyytinen da Universidade de Jyväskylä e Juha Kere de Folkhälsan. O projeto de pesquisa começou no outono de 2015 e levou um total de quatro anos. 300 crianças participaram do estudo de leitura, e 35 delas participaram do estudo cerebral. Das crianças que participaram do estudo cerebral, 23 apresentavam alto risco de desenvolver dislexia e 12 lidas em um nível normal.

“Children at risk for dyslexia show deficient left-hemispheric memory representations for new spoken word forms” by A. Nora et al. NeuroImage


616 visualizações0 comentário