top of page

Diretor do CDC dá testemunho enganoso ao Congresso




Walensky enganou o Congresso sobre a eficácia da vacina contra a transmissão viral e sobre a revisão Cochrane das máscaras faciais

ABR 20

Esta semana, a diretora do CDC, Rochelle Walensky, prestou depoimento de testemunha ao Comitê de Apropriações da Câmara, responsável por supervisionar o financiamento de vários programas federais relacionados ao trabalho, saúde, educação e outras agências relacionadas.

Mas sérias questões foram levantadas sobre a veracidade do testemunho de Walensky.

O congressista Andrew Clyde (R-Ga) perguntou a Walensky se sua declaração pública de março de 2021 na MSNBC, na qual ela disse inequivocamente que "as pessoas vacinadas não carregam o vírus, elas não adoecem" foi precisa.

"Na época, era [preciso]", Walensky respondeu com confiança.

Ela então passou a explicar: "Tivemos uma evolução da ciência e uma evolução do vírus" e que "todos os dados na época sugeriam que as pessoas vacinadas, mesmo que ficassem doentes, não poderiam transmitir o vírus".

No entanto, não havia tal evidência na época e provocou críticas de cientistas que disseram que não havia dados suficientes para afirmar que as pessoas vacinadas estavam completamente protegidas ou que não podiam transmitir o vírus para outras pessoas.

Um desses críticos foi Jay Bhattacharya, professor de política de saúde na Escola de Medicina da Universidade de Stanford.

"Naquela época, Walensky não sabia se era verdade. Foi apenas um uso irresponsável de um púlpito intimidador como diretora do CDC para dizer algo que ela não sabia com certeza ser verdade na época", disse Bhattacharya.

"Infelizmente, as pessoas usaram essa informação para discriminar indivíduos não vacinados e certamente teriam sido usadas como combustível para políticas muito destrutivas, como mandatos de vacinas", acrescentou.

Notavelmente, apenas alguns dias depois que Walensky fez essa declaração à MSNBC, uma porta-voz de sua própria agência teve que voltar atrás nos comentários dizendo: "O Dr. Walensky falou amplamente nesta entrevista", acrescentando que era possível que pessoas totalmente vacinadas contraíssem COVID-19.

Walensky perdeu o memorando

Walensky deveria ter sabido que, quando as vacinas de mRNA foram autorizadas pela primeira vez em 2020, a FDA listou "lacunas" críticas na base de conhecimento. Um deles foi a eficácia desconhecida da vacina contra a transmissão viral.

Além disso, nos testes principais originais da Pfizer e da Moderna, houve 8 e 11 pessoas, respectivamente, que desenvolveram COVID-19 sintomático no grupo da vacina, provando que as vacinas nunca tiveram eficácia absoluta, como Walensky havia afirmado.


Vários meses depois, a avaliação da FDA permaneceu a mesma. Em uma revisão clínica, a FDA escreveu: "as incertezas remanescentes em relação aos benefícios clínicos do BNT162b2 em indivíduos com 16 anos ou mais, incluem seu nível de proteção contra infecção assintomática e transmissão do SARS-CoV-2, inclusive para a variante delta".

Ainda hoje, a FDA permanece clara de que a eficácia contra a transmissão não está comprovada. O site da FDA afirma: "Embora se espere que este seja o caso, a comunidade científica ainda não sabe se a Comirnaty reduzirá essa transmissão".

Walensky diz que resumo da Cochrane "se retratou"

Outra falsidade surpreendente feita por Walensky foi sua resposta à pergunta do congressista Clyde sobre a revisão Cochrane, que descobriu que o uso de máscaras faciais na comunidade "provavelmente faz pouca ou nenhuma diferença" na prevenção da transmissão viral.

Walensky declarou entusiasticamente: "Eu acho que é notável, que o Editor-Chefe da Cochrane, na verdade, disse que o resumo dessa revisão foi... [tropeço].. ela se retratou do resumo dessa revisão e disse que era impreciso".

No entanto, o resumo da revisão não foi retratado, nem os autores da revisão mudaram a linguagem no resumo.

Declarações enganosas da colunista do New York Times, Zeynep Tufekci, provavelmente levaram a que essa falsidade fosse repetida (que abordo em um artigo anterior).

Em resposta aos comentários de Walensky, Tom Jefferson, principal autor do estudo Cochrane, disse: "Walensky está claramente errado. Não houve retratação de nada."

"Vale a pena reiterar que somos os detentores dos direitos autorais da revisão, entãodecidimos o que entra ou sai da revisão e não mudaremos nossa revisão com base no que a mídia quer ou no que Walensky diz", observou Jefferson.

Bhattacharya também ficou chocado com os comentários de Walensky. "É irresponsável para ela afirmar que a revisão Cochrane foi retirada quando não foi. Isso prejudica sua credibilidade e prejudica o processo científico, que exige que os funcionários públicos sejam honestos sobre os resultados científicos", disse ele.

Walensky mentiu ao Congresso ou está mal informada?

Espera-se que as testemunhas nessas audiências forneçam informações verdadeiras e precisas ao comitê e possam estar sujeitas a penalidades legais se fornecerem informações falsas ou conscientemente fizerem declarações falsas.

Mas Walensky será responsabilizado por enganar o Congresso? Improvável.



170 visualizações0 comentário
bottom of page