top of page

E-mails revelam discussões internas do periódico antes de rejeitar o desafio à alegação de eficácia





Funcionários de uma grande revista discutiram a suposta atividade antivac de um professor no Twitter ao considerar a possibilidade de publicar seu artigo desafiando a alegação de que a vacina da Pfizer era 95% eficaz, mostram e-mails recém-divulgados.

A revista Lancet finalmente rejeitou o artigo de refutação.

O professor Norman Fenton "retuitou postagens anti-vaxx no Twitter", escreveu um funcionário da Lancet a colegas.

Eles também discutiram a "desinformação sobre vacinas" e o histórico de Fenton, mostram os e-mails fortemente redigidos.

"[redigido] investigou-o um pouco e ele parece ter uma nomeação acadêmica legítima", diz um e-mail, intitulado "Monitoramento de problemas em andamento".

Fenton, professor emérito de risco da Universidade Queen Mary de Londres, obteve os e-mails da Elsevier, que publica a The Lancet.

"Sabíamos que todas as principais revistas acadêmicas estavam rotineiramente rejeitando quaisquer artigos que estivessem de alguma forma questionando a precisão dos estudos que reivindicavam a eficácia ou a segurança da vacina. O que nos surpreendeu até mesmo sobre este caso foi a pura maldade e falta de profissionalismo exibida pela equipe editorial da revista", disse Fenton ao Epoch Times por e-mail.

"A noção de que as credenciais acadêmicas dos autores e as atividades do Twitter tiveram que ser investigadas como parte do processo de revisão é chocante."

A Lancet não respondeu a um pedido de comentário.


Alegação de eficácia

Em maio de 2021, a The Lancet publicou um artigo de autoridades israelenses e funcionários da Pfizer que afirmava que a vacina da empresa era 95% eficaz contra a infecção por COVID-19 em Israel de 24 de janeiro de 2021 a 3 de abril de 2021.

O estudo analisou dados de vigilância extraídos de provedores de seguros financiados pelo governo. A Pfizer e Israel entraram em vários acordos no início da pandemia, que viram o país usar principalmente a vacina da empresa e compartilhar dados com a empresa.

O estudo mostra que duas doses da vacina da Pfizer foram "altamente eficazes" em todas as faixas etárias de 16 anos ou mais na prevenção de COVID-19 sintomáticos, COVID-19 assintomáticos, hospitalização relacionada à COVID-19, doença grave e morte, disseram os pesquisadores no estudo, que foi revisado por pares antes da publicação.

"Essas descobertas sugerem que a vacinação contra a COVID-19 pode ajudar a controlar a pandemia", disseram.

O estudo foi financiado pelo Ministério da Saúde de Israel e pela Pfizer.


Contraprova

As estimativas de eficácia foram exageradas, escreveram Fenton e Martin Neil, professor de ciência da computação e estatística da Queen Mary de Londres, em uma resposta rápida ao artigo.

Isso resultou em parte do ajuste de como as pessoas não vacinadas eram rotineiramente testadas para COVID-19, enquanto as pessoas vacinadas não eram, disseram os professores.

"Também há falha em ajustar adequadamente os diferentes protocolos de teste para pessoas vacinadas e não vacinadas", escreveram.

A Lancet disse aos professores que eles estavam esperando para ouvir os autores do artigo antes de publicar a refutação.

Nenhuma outra correspondência foi enviada até janeiro de 2023.


Desculpa

Josefine Gibson, editora sênior da The Lancet, escreveu em um e-mail de 8 de janeiro de 2023 que viu que a refutação enviada não havia sido publicada.

"Convidamos a Dra. Sharon Alroy-Preis e os coautores do artigo publicado para considerar sua carta, mas lamento que nunca tenhamos recebido uma resposta formal deles e, portanto, não pudemos buscar um intercâmbio", escreveu Gibson.

Alroy-Preis é um alto funcionário do Ministério da Saúde de Israel.

"Mas lamento ainda mais não ter comunicado uma decisão com você em tempo hábil. Vou agora encerrar sua submissão, mas agradeço por apoiar o debate pós-publicação na The Lancet", escreveu Gibson.

Fenton divulgou o e-mail on-line, provocando uma enxurrada de críticas à decisão de não publicar a refutação. Ele e Neil também observaram que Alroy-Preis não declarou conflitos de interesse, apesar de as autoridades de saúde israelenses entrarem na colaboração que delineou uma estreita parceria.

"O mundo confiou fortemente em um grande estudo israelense na Lancet, que confirmou a eficiência da vacina da Pfizer, mas a principal autora não declarou seu conflito de interesses, no qual assinou um contrato para não divulgar informações prejudiciais ao produto da Pfizer sem sua permissão", escreveram Fenton e Neil em um post no blog.

As críticas desencadearam outra mensagem de Gibson, que disse que a The Lancet estava "analisando os próximos passos" em relação à refutação.


Oferta de Publicação

Depois que Fenton destacou o que havia acontecido com Richard Horton, editor-chefe da The Lancet, Gibson disse a ele que queria se desculpar "pela experiência precária que você teve com a Lancet".

"Tendo discutido esta situação infeliz com o meu editor-chefe, Richard Horton, gostaria de oferecer a publicação de sua carta original. Alternativamente, poderíamos publicar uma nova carta que reflita mais uma experiência atual com a vacina da Pfizer. Confiamos no seu melhor julgamento sobre o que melhor serviria à comunidade médica", disse ela. "Esperamos que você aceite esta oferta."

Fenton e Neil escreveram uma refutação atualizada, que concluiu que o estudo Pfizer-Israel deveria ser retirado devido a razões como o conflito não declarado de Alroy-Preis e a falha em se ajustar a diferentes protocolos de teste. Eles também levantaram preocupações sobre reações adversas à vacina, que eles disseram que agora são conhecidas por serem "substanciais".

Gibson rejeitou a refutação atualizada.

"Dadas as evidências existentes sobre a eficácia e a segurança da vacina da Pfizer, é factualmente incorreto – na verdade, é desinformação – dizer que as reações adversas relatadas são 'substanciais'", escreveu ela.

A Lancet também não considera o trabalho de Alroy-Preis no Ministério da Saúde de Israel como um conflito de interesses não declarado, disse Gibson.


Novos e-mails

A situação levou Fenton a buscar correspondência interna sobre ele.

Os e-mails foram motivados pela publicação de Fenton da carta de desculpas de Gibson.

A parcela foi fortemente redigida, mas mostrou como as autoridades consideraram as declarações públicas sobre a vacina.

"Tanto a Fenton [redigida] retuitou postagens anti-vaxx no Twitter, e seus artigos Substack valem uma varredura", afirmou um e-mail, referindo-se a Fenton e Neil. "[redigiram] especialistas para determinar se a carta original de Fenton e suas críticas ao artigo são válidas e atendem aos nossos padrões de publicação."

O e-mail recomendava adiar mais correspondências com Fenton até confirmar as informações editadas, "especialmente considerando que qualquer coisa que você diga diretamente à Fenton tem o potencial de ser compartilhada".

Em outra missiva, as autoridades disseram que houve novos desenvolvimentos no "caso Fenton Twitter", incluindo um post adicional de Fenton e "antecedentes úteis sobre Fenton". O resto do e-mail foi redigido.

Foi quando as autoridades disseram que Fenton havia sido investigado e descobriu ter "uma nomeação acadêmica legítima". As autoridades também disseram que "[redigido] uma fonte de desinformação sobre vacinas é um prof acadêmico baseado ao virar da esquina de nossos escritórios da Lancet".

As autoridades então propuseram o que acabou sendo a resposta final que rejeitou a submissão atualizada. Eles revisaram a resposta para mudar "reações adversas associadas" para "reações adversas relatadas".


Insatisfeito com Redações

Fenton disse que muitas das redações pareciam desnecessárias e que ele pediu à Elsevier para removê-las.

"Não estou feliz com a escala das redações na resposta da Elsevier. Se os editores da Lancet não estavam fazendo comentários depreciativos sobre mim e colegas, então não deveria haver razão para redigi-los. O que eles têm a esconder?", escreveu ele no Substack.

"A Lancet está escondendo sua correspondência interna relacionada à submissão (e rejeição final) de nossa carta criticando a Pfizer", escreveu Neil no Twitter. "No entanto, eles estão felizes em nos informar que pensam em nós como 'anti-vaxxers' e 'espalhadores de desinformação'!"

Fenton disse que informou à Elsevier que, se não removesse muitas das redações, ele as denunciaria ao Gabinete do Comissário de Informação.

A Elsevier não respondeu a um pedido de comentário.


156 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page