top of page

Enfermeira denuncia sobre a indústria médica: 'Eles não estão oferecendo consentimento informado'


Na semana passada, os Médicos da Linha de Frente da América (AFLDS)vieram falar em Kansas City, Missouri. A fundadora da AFLDS, Dra. Simone Gold, trouxe sua mensagem de que o COVID-19 não é nada a temer e que há tratamentos disponíveis. No início da pandemia, ela foi demitida depois de falar em apoio à medicação anti-malária (HCQ).

Na época, o presidente Donald Trump estava elogiando a eficácia da droga, mas pouco depois, a FDA revogou a autorização de uso emergencial para ela. Agora, estudos recentes estão confirmando que "hcq de baixa dose combinada com zinco e azitromicina foi uma abordagem terapêutica eficaz contra o COVID-19."

O Epoch Times entrevistou Sarah Absher, uma enfermeira registrada que trabalhou na área por 8 anos, mas desistiu nesta primavera e decidiu se voluntariar com a AFLDS depois do que testemunhou. Ela expressou sua paixão pela "luta pela liberdade médica" e ofereceu materiais inéditos para apoiar suas reivindicações.

Ela começou apresentando-se: "Eu amo ser enfermeira e tinha as mesmas preocupações que o Dr. Gold quando vimos o que estava acontecendo."

Absher trabalhou na pandemia até 17 de março deste ano. Ela disse que esperava que as coisas mudassem após a eleição, mas quando o grande impulso da vacina veio, ela sabia que não poderia, em boa consciência, manter a narrativa comum no COVID-19: "Parte do nosso trabalho é reunir consentimento informado. Com esses testes de vacinas, eles não estão oferecendo consentimento informado. Eles dizem que é seguro para mulheres grávidas, mas mulheres grávidas foram excluídas dos ensaios."



1.140 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page