Estudo encontra lesões cerebrais na ressonância magnética ligadas a anos de jogo de futebol




As hiperintensidades da substância branca eram mais comuns em atletas que praticavam esportes de contato mais ou tinham mais lesões na cabeça e concussões durante suas carreiras esportivas.

Certos marcadores de lesão na substância branca do cérebro, chamados hiperintensidades da substância branca, podem ser vistos em tomografias cerebrais. Um novo estudo descobriu que exames cerebrais feitos durante a vida de atletas em esportes de contato, em comparação com as alterações em seus cérebros na autópsia, mostraram que as hiperintensidades da substância branca estavam associadas a alterações neuropatológicas.

A pesquisa é publicada na revista Neurology.

O estudo também constatou que as hiperintensidades da substância branca eram mais comuns em atletas que praticavam esportes de contato por mais tempo ou tinham mais impactos na cabeça durante suas carreiras.

Hiperintensidades da substância branca são áreas que aparecem brilhantes em ressonância magnética (RM). Eles são comuns em pessoas à medida que envelhecem e com condições médicas como pressão alta.

"Nossos resultados são emocionantes porque mostram que as hiperintensidades da substância branca podem capturar danos a longo prazo ao cérebro em pessoas que têm um histórico de impactos repetitivos na cabeça", disse o autor do estudo Michael Alosco, PhD, da Escola de Medicina da Universidade de Boston. "As hiperintensidades da substância branca na ressonância magnética podem ser de fato uma ferramenta eficaz para estudar os efeitos dos impactos repetitivos na cabeça na matéria branca do cérebro enquanto o atleta ainda está vivo."

O estudo envolveu 75 pessoas expostas a impactos repetitivos na cabeça e relataram sintomas. Isso incluiu 67 jogadores de futebol mais oito outros atletas em esportes de contato como futebol e boxe, ou veteranos militares. Dos jogadores de futebol, cada um jogou uma média de 12 anos, 16 atletas jogaram profissionalmente e 11 jogaram semi-profissionalmente.

Todos doaram seus cérebros para pesquisas após sua morte, a fim de avançar na pesquisa sobre os efeitos a longo prazo dos impactos repetitivos da cabeça. Os pesquisadores então analisaram os registros médicos, incluindo exames que foram feitos enquanto os atletas ainda estavam vivos. Os participantes fizeram exames no cérebro, em média, aos 62 anos. A média de idade dos atletas na morte foi de 67 anos.

Dos participantes, 64% foram julgados como portadores de demência antes da morte. Isso foi determinado por uma discussão com seus entes queridos. As autópsias mostraram que 53 pessoas, ou 71%, tinham encefalopatia traumática crônica (ECT). CTE é uma doença neurodegenerativa associada a impactos repetitivos na cabeça, incluindo os do futebol, que podem progredir para a demência.

Depois de examinar os exames cerebrais, os pesquisadores descobriram que para cada unidade diferença no volume de hiperintensidade da substância branca, havia cerca de duas vezes as chances de ter uma doença de pequenos vasos mais grave e outros indicadores de dano à matéria branca, bem como três vezes as chances de ter acúmulo de tau mais grave no lobo frontal do cérebro.

O acúmulo de proteína tau no cérebro é um biomarcador para doenças cerebrais progressivas como a doença de Alzheimer e cte. Os pesquisadores também descobriram que maiores quantidades de hiperintensidades de substância branca estavam associadas a mais anos jogando futebol.

Quando se tratava de completar tarefas diárias, maiores quantidades de hiperintensidades de substância branca foram associadas a pontuações mais altas em um questionário sobre a realização de tarefas diárias que foi preenchida pelos cuidadores dos doadores cerebrais.

"Existem limitações fundamentais para o estudo, e precisamos de mais pesquisas para determinar os fatores de risco únicos e as causas dessas lesões cerebrais em pessoas com histórico de impactos repetitivos na cabeça", disse Alosco.

As limitações do estudo incluíram o uso de Ressonância Magnética obtidas para fins clínicos, não de pesquisa, e que os participantes eram, em sua maioria, mais velhos, sintomáticos, homens, ex-jogadores de futebol americanos.

Financiamento: O estudo foi apoiado pelo National Institute on Aging, National Institute of Neurological Disorders and Stroke, Boston University Alzheimer's Disease Research Center, Department of Veterans Affairs, Nick and Lynn Buoniconti Foundation e Boston University's Clinical & Translational Science Institute.

Author: Mary Alice Rosko Source: AAN Contact: Mary Alice Rosko – AAN


314 visualizações0 comentário