Estudo mergulha no bem-estar emocional no cérebro humano




Esta imagem ilustra um voxel MRS em um composto no cérebro chamado NAA e os principais construtos subjacentes reservas neuroafetivas. Foto: White Lab / Brown University



A NAA ( N-acetil -Aspartato), um composto no cérebro, desempenha um papel fundamental na agência emocional e flexibilidade em pessoas saudáveis.

Um novo estudo é o primeiro a revelar compostos cerebrais específicos que sinalizam o bem-estar emocional em pessoas saudáveis.

Isso deve nortear muitas pesquisas que apontam para através de recursos de neuroimagem poder detectar precocemente em jovens com idade escolar, alterações precoces que necessitem de intervenção em saúde mental visando o pleno restabelecimento de memória e atenção.

Cientistas do Instituto Carney de Neurociências da Universidade Brown usaram espectroscopia magnética de prótons (1H-MRS), uma técnica de imagem cerebral não invasiva, para determinar como compostos bioquímicos específicos no cérebro se relacionam com emoções diárias. Os pesquisadores se concentraram em duas emoções: agência, a capacidade de moldar o mundo e a flexibilidade, a capacidade de responder fluidamente aos eventos à medida que se desenrolam. O estudo é o primeiro a identificar que um composto no cérebro chamado NAA desempenha um papel fundamental na agência e flexibilidade em pessoas saudáveis.

O estudo foi publicado em 27 de outubro no NeuroImage, um periódico que comunica avanços nas relações cérebro-comportamento que podem ser avaliados por métodos de imagem não invasivos. O trabalho foi liderado por Tara White, professora assistente de ciências comportamentais e sociais (pesquisa) na Brown, e sua equipe na Brown, na Universidade da Flórida e na Universidade de Calgary.

"Agência e flexibilidade são aspectos importantes da vida cotidiana", disse White, que é afiliado ao Instituto Carney e ao Centro de Estudos de Álcool e Vícios na Escola de Saúde Pública de Brown. "Nossos dados fornecem insights sobre os mecanismos cerebrais que apoiam a agência, a emoção imersiva e a resiliência à agressão em pessoas saudáveis."

A NAA, que é encontrada em altas concentrações dentro dos neurônios, é considerada um marcador de saúde neuronal. Os pesquisadores descobriram que a NAA estava fortemente relacionada a três características em indivíduos saudáveis: fluidez emocional, agência positiva e não agressão.

O composto NAA foi avaliado dentro do cingulado dorsal anterior, uma região cerebral envolvida em múltiplas redes de emoção, cognição e comportamento. De acordo com o estudo, indivíduos com maior nível de NAA relataram emoção mais imersiva e mais rica em comparação com aqueles com NAA mais baixo, bem como maior nível de direcionamento de metas, emoção mais positiva e menos agressividade. Os pesquisadores definem a relação da NAA com a agência e a flexibilidade em pessoas saudáveis como uma nova dimensão denominada "Reservas Neuroafetivas".

"Essas descobertas nos dizem como a emoção imersiva, a agência positiva e a resiliência à agressão funcionam no cérebro humano", disse White. "Esses achados indicam que a NAA e outros compostos cerebrais desempenham um papel fundamental no bem-estar emocional e nos resultados emocionais positivos em indivíduos saudáveis."

Os pesquisadores também descobriram que a flexibilidade comportamental e o engajamento estavam moderadamente relacionados aos compostos glutamatericos envolvidos na neurotransmissão excitatória, aprendizado, memória e comportamento direcionado a objetivos, disse White.

Além disso, a ligação afiliativa estava relacionada à Colina, precursora da acetilcolina neurotransmissor, que está envolvida na aprendizagem emocional. Esses achados informam os fundamentos cerebrais de emoção positiva, engajamento e conexão interpessoal em pessoas saudáveis.

"Essa abordagem de imagem é interessante porque esses compostos bioquímicos poderiam ser usados como um marcador cerebral objetivo para características relacionadas ao bem-estar", disse Meghan Gonsalves, autora do estudo e doutoranda na Brown, que possui bacharelado e mestrado pela Universidade.

Como próximo passo, White e sua equipe estabelecerão um programa de pesquisa de três pontas sobre metabólitos cerebrais que contribuem para emoções em adultos saudáveis. White recebeu um Prêmio Zimmerman de Inovação no ano passado do Instituto Carney para coletar os dados preliminares sobre este tema. O objetivo a longo prazo, disse ela, é construir um programa de pesquisa sobre a neurobiologia da emoção humana em Brown. Estes aspectos são de inteira importância para que possamos identificar nossos alunos desde cedo em suas interações afetivas muitas vezes desequilibradas e portanto entrar com as terapias pertinentes de estabilização.

“The neurobiology of wellness: 1H-MRS correlates of agency, flexibility and neuroaffective reserves in healthy young adults” by Tara White et al. NeuroImage.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo