top of page

Eu nunca esqueço um rosto: A ciência da capacidade extraordinária dos super reconhecedores. Super-re




Super-reconhecedores focam menos na região dos olhos e distribuem seu olhar de forma mais uniforme do que os espectadores típicos, extraindo mais informações de outras características faciais.

Fonte: APS

Super-reconhecedores nunca esquecem um rosto. Eles podem ter um vislumbre de seu amigo de infância em um retrovisor e instantaneamente sabem que são eles. Eles ajudam departamentos de polícia e agências de segurança a identificar suspeitos. Eles também são bons detetives particulares e investigadores não oficiais.

Mas por mais fascinante que seja seu superpoder, ele permanece mal compreendido. Até agora, os cientistas acreditavam que os super-reconhecidores eram tão bons com rostos porque os processavam de forma holística tirando uma foto facial e memorizando-a.

Em um artigo publicado em 31 de agosto na revista Psychological Science, psicólogos da UNSW Sydney e da Universidade de Wollongong (UOW) desafiaram essa visão, provando que os super-reconhecidores — que compõem cerca de 2% da sociedade — olham para rostos como todos nós, mas o fazem mais rápido e com mais precisão.

Como isso acontece?

O pesquisador e autor principal do estudo, Dr. James Dunn, explica que quando os super-reconhecedores vislumbram um novo rosto, eles o dividem em partes e depois armazenam-nas no cérebro como imagens compostas.

"Eles ainda são capazes de reconhecer rostos melhores do que outros, mesmo quando só podem ver regiões menores de cada vez. Isso sugere que eles podem juntar uma impressão geral de pedaços menores, em vez de uma impressão holística tirada em um único olhar", disse Dunn.

Para efeitos do estudo, o coautor Dr. Sebastien Miellet, pesquisador da UOW na Escola de Psicologia e especialista em visão ativa, usou a tecnologia de rastreamento ocular para analisar como os super-reconhecedores digitalizam e processam rostos e suas partes.

"Com muita precisão, podemos ver não apenas onde as pessoas olham, mas também quais pedaços de informação visual eles usam", disse Miellet.

Ao estudar padrões de processamento visual de super-reconhecedores, Dunn e Miellet perceberam que, ao contrário dos reconhecidores típicos, os super-reconhecedores se concentraram menos na região dos olhos e distribuíram seu olhar de forma mais uniforme do que os espectadores típicos, extraindo informações de outras características faciais, particularmente quando aprendem rostos.

"Portanto, a vantagem dos super-reconhecedores é sua capacidade de pegar informações visuais altamente distintas e colocar todas as peças de um rosto juntas como um quebra-cabeça, rápida e com precisão", disse Miellet.

Os pesquisadores da UNSW e da UOW continuarão a estudar a população super-reconhecida.

Miellet acredita que uma hipótese é que o superpoder dos super-reconhecedores pode decorrer de uma curiosidade particular e interesse comportamental em outras pessoas. Potencialmente, super-reconhecedores também podem ser mais empáticos do que a maioria de nós.

"Nas próximas etapas do nosso estudo, equiparemos alguns super-reconhecedores e espectadores típicos com um rastreador de olhos portátil e os liberaremos nas ruas para observar, não no laboratório, mas na vida real, como eles interagem com o mundo", disse Miellet.


Face-Information Sampling in Super-Recognizers” by Sebastien Miellet et al. Psychological Science

57 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page