Evolução leva o autismo e outras condições a ocorrer com muito mais frequência em meninos



Os pesquisadores analisaram o autismo como uma ilustração da tendência geral de os homens desenvolverem condições médicas com mais frequência do que as mulheres.


Forças hereditárias que evoluíram ao longo de milhões de anos favorecem a seleção e a reprodução de companheiros nos primeiros anos da maturidade sexual masculina em detrimento do bem-estar a longo prazo. Isso pode explicar por que as fêmeas tendem a viver mais e são menos vulneráveis a certos transtornos de saúde e desenvolvimento.

Forças evolutivas impulsionam um flagrante desequilíbrio de gênero na ocorrência de muitas condições de saúde, incluindo o autismo, concluiu uma equipe de pesquisadores de genética.

O genoma humano evoluiu para favorecer a herança de características muito diferentes em machos e fêmeas, o que, por sua vez, torna os homens mais vulneráveis a uma série de condições de saúde física e mental, dizem os pesquisadores responsáveis por um novo artigo publicado no Journal of Molecular Evolution.

Sua análise mostra que, embora existam certas condições que ocorrem apenas em mulheres (câncer de colo do útero e câncer de ovário, por exemplo), ou muito mais frequentemente em mulheres (como a esclerose múltipla), os homens são mais propensos a condições médicas em geral e, como resultado, morrem em média mais cedo do que as mulheres.

"Nossas células têm memórias e carregam o acúmulo de todas as mudanças que nossos ancestrais experimentaram ao longo de milhões de anos", diz Rama Singh, professor de biologia da McMaster que escreveu o artigo com seu filho, Karun Singh, professor associado de neuropatologia na Universidade de Toronto, e Shiva Singh (sem relação), professor de biologia na Western University.

Os pesquisadores analisaram o autismo como uma ilustração da tendência geral de os homens desenvolverem condições médicas com mais frequência do que as mulheres. Embora mulheres e homens herdem as mesmas plantas genéticas de seus pais, a forma como essas plantas são expressas é muito diferente, dependendo do sexo.

"Se mulheres e homens fossem mais diferentes, seriam espécies diferentes", brinca Rama Singh, autor correspondente do artigo.

O trabalho dos pesquisadores faz parte de um movimento crescente para explorar influências genômicas na saúde, usando padrões hereditários para entender e projetar impactos na saúde em indivíduos e populações.

"Uma das razões pelas quais acho isso interessante é que oferece uma perspectiva que não está bem representada na literatura médica", diz Karun Singh. "Este é um bom exemplo da perspectiva que geneticistas e biólogos evolucionários podem adicionar à pesquisa em saúde."

O artigo explora forças hereditárias que evoluíram ao longo de milhões de anos, favorecendo a seleção e a reprodução de companheiros nos primeiros anos da maturidade sexual masculina em detrimento do bem-estar a longo prazo.

Embora o comportamento humano em relação à seleção de companheiros tenha mudado, essas características genéticas permanecem e continuam a ser expressas na saúde e desenvolvimento dos homens modernos.

As mulheres, dizem os pesquisadores, normalmente vivem mais tempo e são menos vulneráveis à maioria das condições de saúde porque sua composição genética evoluiu em reação às características insalubres do genoma masculino, criando melhor imunidade e maior longevidade.


Entender a saúde humana através das lentes da genômica pode e deve orientar a busca por tratamentos e prevenções, dizem os pesquisadores.


Embora as origens das condições de saúde mental sejam mais complexas, elas são influenciadas pelos mesmos fatores evolutivos, dizem os autores. As mulheres são mais propensas à depressão e ansiedade, por exemplo, enquanto os homens são mais propensos a desenvolver distúrbios antissociais.

No autismo, o desequilíbrio homem-mulher é especialmente pronunciado. Os meninos têm até quatro vezes mais chances de ter algum tipo de autismo e também são mais propensos a ter sintomas graves.

A evolução parece ter criado um limiar mais alto que protege mais mulheres de desenvolver a condição, dizem os autores.

Embora o autismo não seja apenas atribuível às características herdadas, parece que os meninos são mais propensos a herdar características que os tornam mais vulneráveis a fatores ambientais, de desenvolvimento e outros, criando mais caminhos que podem levar ao autismo.

“Origin of Sex-Biased Mental Disorders: An Evolutionary Perspective” by Rama S. Singh, Karun K. Singh, Shiva M. Singh. Journal of Molecular Evolution


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo