top of page

Exaustão imunológica emerge após 3ª dose da vacina: resultados atuais



Descobertas sugerem o quão pouco sabemos sobre o sistema imunológico


As vacinas têm sido defendidas como a melhor estratégia para lidar com doenças infecciosas, mas isso é em grande parte devido a uma compreensão limitada do sistema imunológico e como melhor complementar e apoiar sua função. Nossos corpos normalmente são capazes de separar o joio do trigo quando se trata de patógenos invasores, ou quando uma vacina estimula o ataque, mas existem fatores que podem comprometer isso.

Um estudo publicado na Science Immunology em 2022 mostrou que doses incrementais dos reforços de mRNA podem ser um desses fatores, com base em como eles treinaram nosso sistema imunológico. Neste caso, o sistema imunológico parecia ganhar uma falsa sensação de segurança ao lidar com a versão de reforço da vacina, que deveria ensinar o sistema imunológico a lidar com o vírus. Infelizmente, neste caso, parecia que o sistema imunológico aprendeu que não precisava montar um forte contra-ataque. Pior, os reforços podem nem mesmo induzir qualquer efeito em pessoas com alto risco de infecção grave.


Composição do subtipo IgG alterada após a vacinação


De acordo com o estudo, a terceira dose das vacinas de mRNA parece estar ligada a uma mudança de classe nos subtipos de imunoglobulina G (IgG), o anticorpo sérico dominante em nosso sistema imunológico, o que levanta a questão da exaustão imunológica. A troca de classe é quando as células B redirecionam seus esforços para a produção de IgG. Para começar, eles produzem células de imunoglobulina genéricas como IgM. Mas uma vez que eles descobrem que o patógeno invasor é mais difícil do que eles pensavam, eles mudam para a produção da IgG mais eficaz para evitar a infecção.

A IgG é um importante anticorpo sérico que compõe cerca de 80% de todos os anticorpos do nosso sistema imunológico. Após a mudança de classe, as células B liberam diferentes tipos de IgG em vez de outras células de imunoglobulina menos eficazes. Dependendo da gravidade da infecção, a proporção de IgG também pode variar.

A IgG é o lutador mais eficaz em nosso sistema imunológico, pois tem a capacidade de opsonizar e fixar complementos, o que significa que se liga a células infectadas ou patógenos e instrui as células assassinas a engolir intrusos através da fagocitose. É também o único anticorpo que atravessa a placenta, desempenhando um papel crítico na proteção do feto.

Pesquisas mostram que a composição da IgG4 geralmente gira em torno de 4%, um número igualado pelo estudo acima mencionado para pacientes após cinco meses de receber a segunda dose da vacina.

Logo após a segunda dose, os níveis de IgG4 estavam em 0,04%, enquanto IgG1 e IgG3 – os membros mais potentes da família IgG – representavam 96,55% de toda a IgG, de acordo com o artigo da Science Immunology acima mencionado.

Essa mudança nos níveis de IgG indica que o corpo interpreta a segunda dose como uma infecção grave e produz a IgG mais eficaz para combater a infecção simulada. No entanto, as coisas parecem um pouco diferentes após a dose de reforço.

No estudo, a percentagem de IgG4 no soro sanguíneo subiu para níveis inesperadamente elevados após a terceira dose. Dez dias após a terceira vacinação, os níveis de IgG4 subiram para 13,91% e saltaram para 19,27% cinco meses depois. Ao mesmo tempo, os níveis de IgG1 e IgG3 caíram, mostrando uma mudança significativa na composição dos anticorpos séricos no sangue.

Um estudo publicado na Nature mostrou que as taxas de aquisição de anticorpos contra a COVID-19 foram "extremamente baixas" em pacientes transplantados renais. Este achado contradiz o propósito da vacina, uma vez que a vacina destina-se a induzir a aquisição de anticorpos.

Relatos semelhantes também surgiram em outros lugares, especialmente em relação a novas variantes da COVID-19. Um estudo observacional que afirma ser o maior ao analisar receptores de transplante de órgãos vacinados com quatro doses mostra que o reforço da vacina de mRNA demonstra uma "falta de neutralização formal" contra "variantes de preocupação, incluindo o Omicron".

Os dados também mostram que a neutralização de anticorpos contra o Omicron viu uma redução de 15 a 20 vezes quando comparada com o vírus do tipo selvagem em receptores de transplante. Estas conclusões são motivo de grande preocupação.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA ainda recomendam que as pessoas imunocomprometidas recebam uma vacina contra a COVID-19, bem como recebam seus reforços.

De acordo com dados publicados na revista médica Transplantation, durante a recente onda Omicron, embora os casos de COVID-19 tenham aumentado para receptores de transplante de órgãos, a taxa de mortalidade dessa população caiu cinco vezes.

Agora, os pesquisadores estão dizendo que as vacinas, especialmente os reforços, não conseguem ter um efeito significativo sobre os imunocomprometidos – o próprio grupo de pessoas especialmente suscetíveis a doenças graves e morte. Precisamos parar de colocar as injeções de mRNA em um pedestal e considerar todas as opções em resposta ao SARS-CoV-2, como focar em reforçar nosso sistema imunológico natural e o bem-estar holístico.



Class switch toward noninflammatory, spike-specific IgG4 antibodies after repeated SARS-CoV-2 mRNA vaccination

SCIENCE IMMUNOLOGY

22 Dec 2022

Vol 8, Issue 79


2.603 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page