Exercício aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro





Embora o estudo não tenha encontrado mudanças significativas na memória ou outra função cognitiva, os pesquisadores dizem que pode ser devido ao pequeno tamanho ou curto comprimento do ensaio.


Exercício ajuda a aumentar o fluxo sanguíneo para o cérebro em idosos com perda de memória leve UT Southwestern

Não são apenas suas pernas e coração que se exercitam quando você anda rapidamente; exercício afeta seu cérebro também. Um novo estudo realizado por pesquisadores da UT Southwestern mostra que quando idosos com perda de memória leve seguiram um programa de exercícios por um ano, o fluxo sanguíneo para seus cérebros aumentou.

Os resultados foram publicados hoje no Journal of Alzheimer's Disease.

"Isso faz parte de um conjunto crescente de evidências que ligam o exercício à saúde cerebral", diz o líder do estudo Rong Zhang, Ph.D., professor de neurologia da UTSW. "Mostramos pela primeira vez em um ensaio randomizado nesses idosos que o exercício recebe mais sangue fluindo para o cérebro."

Cerca de um quinto das pessoas com 65 anos ou mais têm algum nível de comprometimento cognitivo leve (IMC) – pequenas alterações no cérebro que afetam a memória, a tomada de decisões ou as habilidades de raciocínio. Em muitos casos, o IMC progride para a demência, incluindo a doença de Alzheimer.

Os cientistas já mostraram anteriormente que níveis mais baixos do que o normal de fluxo sanguíneo para o cérebro, e vasos sanguíneos mais rígidos que levam ao cérebro, estão associados com IMC e demência. Estudos também sugerem que exercícios aeróbicos regulares podem ajudar a melhorar a cognição e a memória em idosos saudáveis. No entanto, os cientistas não estabeleceram se há uma ligação direta entre exercício, vasos sanguíneos mais rígidos e fluxo sanguíneo cerebral.

"Ainda há muito que não sabemos sobre os efeitos do exercício sobre o declínio cognitivo mais tarde na vida", diz C. Munro Cullum, Ph.D., professor de psiquiatria da UTSW e coautor sênior do estudo. "O IMC e a demência provavelmente serão influenciados por uma complexa interação de muitos fatores, e achamos que, pelo menos para algumas pessoas, o exercício é um desses fatores."

No estudo, Zhang, Cullum e seus colegas acompanharam 70 homens e mulheres de 55 a 80 anos que haviam sido diagnosticados com IMC. Os participantes foram submetidos a exames cognitivos, testes de aptidão e ressonância magnética cerebral (RM). Em seguida, eles foram aleatoriamente designados para seguir um programa de exercício aeróbico moderado ou um programa de alongamento por um ano. O programa de exercícios envolveu de três a cinco sessões de exercícios por semana, cada uma com 30-40 minutos de exercício moderado, como uma caminhada rápida.

Em ambos os programas, fisiologistas do exercício supervisionaram os participantes durante as primeiras quatro a seis semanas, depois fizeram com que os pacientes registrassem seus exercícios e usassem um monitor de frequência cardíaca durante o exercício.

Quarenta e oito participantes do estudo – 29 no grupo de alongamento e 19 no grupo de exercícios aeróbicos – completaram o ano completo de treinamento e retornaram para testes de acompanhamento. Entre eles, aqueles que realizaram exercício aeróbico apresentaram diminuição da rigidez dos vasos sanguíneos no pescoço e aumento do fluxo sanguíneo geral para o cérebro. Quanto mais seu consumo de oxigênio (um marcador de aptidão aeróbica) aumenta, maiores foram as alterações na rigidez do vaso sanguíneo e no fluxo sanguíneo cerebral. Não foram encontradas alterações nessas medidas entre as pessoas que acompanharam o programa de alongamento.

Embora o estudo não tenha encontrado mudanças significativas na memória ou outra função cognitiva, os pesquisadores dizem que pode ser devido ao pequeno tamanho ou curto comprimento do ensaio. Mudanças no fluxo sanguíneo podem preceder mudanças na cognição, dizem eles. Eles já estão realizando um estudo maior de dois anos, Redução de Risco para Doença de Alzheimer (RRAD), que investiga ainda mais a ligação entre exercício e declínio cognitivo.

"Provavelmente algumas pessoas se beneficiam mais do exercício do que outras", diz Cullum. "Mas com o tamanho da amostra neste estudo, foi difícil analisar subgrupos de pessoas para tirar essas conclusões."

Ainda assim, os dados são importantes para ajudar a explicar os efeitos do exercício no cérebro e por que pode ser benéfico, dizem Zhang e Cullum, que são membros do Instituto de Cérebros Peter O'Donnell Jr.

"Ter descobertas fisiológicas como essa também pode ser útil para os médicos quando conversam com seus pacientes sobre os benefícios do exercício", diz Zhang. "Agora sabemos, com base em um ensaio randomizado e controlado, que o exercício pode aumentar o fluxo sanguíneo para o cérebro, o que é uma coisa boa."


Cullum possui o Professor Distinto de Pam Blumenthal em Psicologia Clínica na UT Southwestern.

Outros pesquisadores da UTSW que contribuíram para este estudo foram Tsubasa Tomoto, Danilo Cardim, Takashi Tarumi e Linda Hynan. Os colaboradores eram Jie Liu da Universidade Rutgers; Benjamin Tseng da Universidade do Texas em Tyler; e Evan Pasha do Hospital Presbiteriano texas health Dallas.

Financiamento: Esta pesquisa foi apoiada com recursos dos Institutos Nacionais de Saúde (R01AG033106 e R01HL102457).

Journal of Alzheimer’s Disease


45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo