Exercício de baixa intensidade durante a adolescência pode prevenir esquizofrenia




O exercício de baixa intensidade durante a adolescência reduz os sintomas comportamentais associados à esquizofrenia.

Embora a esquizofrenia seja cada vez mais entendida como uma desordem neurodesenvolvimentista, os fatores ambientais são conhecidos por desempenhar um papel importante no início e na progressão da doença. Mas agora, pesquisadores do Japão descobriram que o exercício durante um período pós-natal específico pode impedir o desenvolvimento de comportamentos associados à esquizofrenia.

Em um estudo publicado este mês na Bioquímica e Biophysical Research Communications,pesquisadores da Universidade de Tsukuba revelaram que o exercício de baixa intensidade durante a adolescência, que é um período crítico de desenvolvimento, reduziu significativamente comportamentos anormais em um modelo de camundongos de esquizofrenia.

Um ambiente enriquecido durante o desenvolvimento tem sido encontrado com uma série de efeitos positivos na função cerebral, incluindo a prevenção de distúrbios neurodesenvolvimento. Embora o exercício pareça ter um efeito particularmente importante, a combinação de variáveis presentes em ambientes enriquecidos pode dificultar o isolamento dos mecanismos subjacentes aos efeitos benéficos. Para lidar com isso, os pesquisadores da Universidade de Tsukuba desenvolveram um novo modelo de exercício no qual os ratos corriam em uma esteira a uma velocidade fixa. Eles então testaram se a corrida de esteira de baixa intensidade impediu comportamentos anormais em um modelo de rato de esquizofrenia.

"Estudos anteriores mostraram que o exercício pode melhorar a transmissão neuronal e ter outros efeitos benéficos", diz o autor principal do estudo Hikaru Koizumi. "No entanto, a intensidade, duração e frequência do exercício variaram entre os estudos usando a corrida das rodas, dificultando a determinação de quanto exercício seria necessário para ver esses efeitos positivos em humanos."

Para lidar com isso, os pesquisadores examinaram a função comportamental e neurológica em camundongos que haviam sido expostos ao cloridrato de fenciclidina (PCP) durante o desenvolvimento perinatal, que é um modelo comum de esquizofrenia. Os camundongos foram então expostos a 4 semanas de exercício de baixa intensidade durante a adolescência, e testados para ver se apresentavam comportamentos anormais e anormalidades neurológicas associadas.

"Os resultados foram surpreendentes", explica o autor sênior Professor Hideaki Soya. "Descobrir que o exercício de baixa intensidade poderia prevenir comportamentos anormais indica que o exercício pode contribuir diretamente para a prevenção da esquizofrenia."

Isso tem implicações importantes para a neuropatologia potencial da esquizofrenia, especialmente dado que o exercício de baixa intensidade recuperou alterações na sinalização neural associadas às anormalidades comportamentais esperadas.

"Nossos achados indicam que hábitos leves de exercício durante o desenvolvimento podem ter um poderoso efeito preventivo em indivíduos geneticamente predispostos à esquizofrenia. Como tal, o exercício pode ser uma consideração particularmente importante para os indivíduos que estão em risco de desenvolver a condição", diz o professor Soya.

Exercícios leves durante o desenvolvimento poderiam prevenir a esquizofrenia mascarando ou melhorando anormalidades neurodesenvolvimentares presentes devido à herança genética. Programas especializados de exercícios para indivíduos em risco podem ser bem sucedidos na prevenção do desenvolvimento da esquizofrenia, com sérias implicações para a qualidade de vida desses indivíduos.


“Preventive role of regular low-intensity exercise during adolescence in schizophrenia model mice with abnormal behaviors” by Hideaki Soya et al. Biochemical and Biophysical Research Communications

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo