Exercício durante a gravidez pode salvar crianças de problemas de saúde como adultos



Isso significa que um dia, em breve, a primeira ida de uma mulher ao médico depois de conceber pode incluir uma receita para um programa de exercícios.


Estudo feito pela Universidade de Virgínia revela que o exercício materno durante a gravidez reduziu a transmissão de distúrbios metabólicos de pais obesos para a prole, se o transtorno era aparente no pai ou na mãe.

O exercício durante a gravidez pode permitir que as mães reduzam significativamente as chances de seus filhos desenvolverem diabetes e outras doenças metabólicas mais tarde na vida, sugere uma nova pesquisa.

Um estudo realizado em camundongos de laboratório descobriu que o exercício materno durante a gravidez impediu a transmissão de doenças metabólicas de um pai obeso – mãe ou pai – para a criança. Se a descoberta se mantiver em humanos, terá "enormes implicações" para ajudar mulheres grávidas a garantir que seus filhos vivam a vida mais saudável possível, relatam os pesquisadores em um novo artigo científico.

Isso significa que um dia, em breve, a primeira ida de uma mulher ao médico depois de conceber pode incluir uma receita para um programa de exercícios.

"A maioria das doenças crônicas que falamos hoje são conhecidas por terem origem fetal. Isso quer dizer que as más condições de saúde dos pais antes e durante a gravidez têm consequências negativas para a criança, potencialmente através da modificação química dos genes", disse o pesquisador Zhen Yan, PhD, especialista em exercícios da Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia.

"Fomos inspirados por nossa pesquisa anterior de camundongos, implicando que exercícios aeróbicos regulares para uma mãe obesa antes e durante a gravidez podem proteger a criança do início precoce do diabetes. Neste estudo, fizemos as perguntas, e se uma mãe obesa se exercita apenas durante a gravidez, e se o pai for obeso?"

Exercício e Gravidez

Os cientistas sabem que o exercício durante a gravidez ajuda a levar a bebês saudáveis, reduzindo o risco de complicações da gravidez e parto prematuro. Mas Yan, diretor do Centro de Pesquisa de Músculos Esqueléticos do Centro de Pesquisa Cardiovascular Robert M. Berne da UVA, queria ver se os benefícios continuaram ao longo da vida das crianças. E seu trabalho, tanto anterior quanto novo, sugere que sim.

Para determinar isso, Yan e seus colaboradores estudaram ratos de laboratório e seus descendentes. Alguns dos camundongos adultos foram alimentados com comida típica de camundongos antes e durante a gravidez, enquanto outros foram alimentados com uma dieta rica em gordura e alta caloria para simular a obesidade.

Alguns que receberam a dieta rica em gordura antes do acasalamento tiveram acesso a uma roda de corrida voluntária apenas durante a gravidez, onde podiam correr tudo o que gostavam, enquanto outros não, o que significa que permaneceram sedentários.

Os resultados foram impressionantes: tanto mães quanto pais do grupo de alto teor de gordura poderiam predispor seus filhos a distúrbios metabólicos. Em particular, os descendentes masculinos das mães sedentárias em dietas com alto teor de gordura eram muito mais propensos a desenvolver alto açúcar no sangue e outros problemas metabólicos na idade adulta.

Para entender melhor o que estava acontecendo, os pesquisadores analisaram o metabolismo da prole adulta e a modificação química (epigenética) do DNA. Eles descobriram que havia diferenças significativas na saúde metabólica e quão ativos certos genes estavam entre os diferentes grupos de descendentes, sugerindo que os efeitos negativos da obesidade parental, embora diferentes entre o pai e a mãe, duram toda a vida da prole.

A boa notícia é que o exercício materno somente durante a gravidez impediu uma série de mudanças "epigenéticas" que afetam o funcionamento dos genes da prole, descobriram os pesquisadores. O exercício materno, eles determinaram, bloqueou completamente os efeitos negativos da obesidade da mãe ou do pai na prole.

Os resultados, dizem, fornecem a primeira evidência de que o exercício materno somente durante a gravidez pode impedir a transmissão de doenças metabólicas de pai para filho.

"A mensagem de levar para casa é que não é tarde demais para começar a se exercitar se uma mãe se encontra grávida. O exercício regular não só beneficiará a gravidez e o trabalho de parto, mas também a saúde do bebê a longo prazo", disse Yan.

"Esta é uma evidência mais emocionante de que o exercício regular é provavelmente a intervenção mais promissora que nos ajudará a deter a pandemia de doenças crônicas no mundo do envelhecimento, pois pode interromper o ciclo vicioso da transmissão de doenças entre pais e filhos."

Resultados Publicados

Os pesquisadores publicaram suas descobertas no Journal of Applied Physiology. Os autores do estudo foram Rhianna C. Laker, Ali Altnta, Travis S. Lillard, Mei Zhang, Jessica J. Connelly, Olivia L. Sabik, Suna Onengut, Stephen S. Rich, Charles R. Farber, Romain Barrès e Yan.

“Exercise during pregnancy mitigates negative effects of parental obesity on metabolic function in adult mouse offspring” by Zhen Yan et al. Journal of Applied Psychology


11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo