Exercício pode reduzir gatilhos de enxaqueca



Duas horas e meia por semana de exercício moderado a vigoroso, ou 150 minutos, é a quantidade mínima de exercício recomendada pela Organização Mundial da Saúde.


Os portadores de enxaqueca que embarcaram em duas horas e meia de exercício moderado a vigoroso por semana relataram um declínio significativo em seus gatilhos de enxaqueca, incluindo estresse, depressão e problemas de sono.

Mais de dois terços das pessoas com enxaqueca não recebem exercícios suficientes, de acordo com um estudo preliminar divulgado hoje, 23 de fevereiro de 2021, que será apresentado na 73ª Reunião Anual da Academia Americana de Neurologia, que será realizada praticamente de 17 a 22 de abril de 2021. O estudo constatou que as pessoas que recebem um mínimo de duas horas e meia de exercício moderado a vigoroso por semana tiveram uma taxa reduzida de gatilhos de enxaqueca, como estresse, depressão e problemas de sono.

"A enxaqueca é uma condição incapacitante que afeta milhões de pessoas nos Estados Unidos, e ainda assim o exercício regular pode ser uma maneira eficaz de reduzir a frequência e a intensidade de algumas enxaquecas", disse o autor do estudo, Mason Dyess, D.O., da Universidade de Washington, em Seattle, e membro da Academia Americana de Neurologia. "O exercício libera analgésicos naturais chamados endorfinas, ajuda as pessoas a dormir melhor e reduz o estresse. Mas se as pessoas com enxaqueca não estão se exercitando, elas podem não estar colhendo esses benefícios."

O estudo envolveu 4.647 pessoas diagnosticadas com enxaqueca. Aproximadamente três quartos dos participantes tiveram enxaqueca crônica, o que significa 15 ou mais enxaquecas por mês. Os outros tinham enxaqueca episódica, ou até 14 por mês.

Os participantes preencheram um questionário sobre suas características de enxaqueca, sono, depressão, estresse, ansiedade e a quantidade de exercícios moderados a vigorosos que recebem a cada semana. Os tipos de exercícios que se qualificavam como moderados a vigorosos incluíam corrida, caminhada muito rápida, praticar um esporte, limpeza pesada e ciclismo.

Duas horas e meia por semana de exercício moderado a vigoroso, ou 150 minutos, é a quantidade mínima de exercício recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

Os pesquisadores dividiram os participantes em cinco grupos com base no nível de exercício semanal moderado a vigoroso: pessoas que exerciam zero minutos por semana; pessoas que se exercitaram de 1 a 30 minutos; pessoas que exerciam de 31 a 90 minutos; pessoas que exerceram de 91 a 150 minutos; e pessoas que se exercitavam mais de 150 minutos por semana.

Pesquisadores descobriram que 1.270 pessoas, ou apenas 27% das pessoas no estudo, relataram ter recebido a maior quantidade de exercícios.

Pesquisadores descobriram que as pessoas que tiveram menos de duas horas e meia de exercício moderado a vigoroso por semana tiveram taxas aumentadas de depressão, ansiedade e problemas de sono.

A depressão foi relatada por 47% das pessoas do grupo que não se exercitaram, ou 377 das 806 pessoas, em comparação com 25% das pessoas do grupo que mais se exerciam, ou 318 de 1.270 pessoas.

Além disso, a ansiedade foi relatada por 39% das pessoas no grupo sem exercício, em comparação com 28% das pessoas do grupo de exercícios elevados. Os problemas de sono foram relatados por 77% das pessoas no grupo sem exercício, em comparação com 61% no grupo de exercícios elevados.


Os pesquisadores também encontraram associação entre o exercício e o risco de enxaquecas. Das pessoas do grupo sem exercício, 5% apresentaram baixa frequência de dor de cabeça definida como zero a quatro dias de dor de cabeça por mês, e 48% tiveram alta frequência de dor de cabeça definida como tendo 25 ou mais dias de dor de cabeça por mês. Das pessoas do grupo de exercícios elevados, 10% apresentaram baixa frequência de dor de cabeça e 28% apresentaram alta frequência de dor de cabeça.

"Há novas terapêuticas disponíveis para enxaqueca, mas são muito caras. Pessoas com enxaqueca devem considerar incorporar mais exercícios em sua vida diária, porque pode ser uma maneira segura e de baixo custo de gerenciar e minimizar alguns dos outros problemas que muitas vezes acompanham a enxaqueca", disse Dyess.

Uma limitação do estudo foi que os participantes relataram minutos semanais de exercício em vez de terem sua atividade monitorada com um dispositivo. Esta pesquisa mostra apenas associações entre gatilhos de exercício e enxaqueca. Não prova causa e efeito.

The findings will be presented at the American Academy of Neurology 73rd Annual Meeting Rosco et al


28 visualizações0 comentário