Experiências de TEPT ligadas à saúde nutricional



Outros fatores relacionados à dieta estão associados a uma maior probabilidade de TEPT, incluindo o consumo diário de doces, nozes ou chocolate.


Pesquisadores identificaram uma nova ligação entre a nutrição dietética e o aumento do risco de TEPT. O aumento do consumo de doces, chocolates e nozes aumentou diariamente o risco de TEPT. No entanto, consumir de duas a três fontes de fibra diariamente diminuiu o risco.

Um estudo de fatores associados ao Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) levou a uma série de novos achados ligando a nutrição a experiências de TEPT. Entre eles, destacam-se a descoberta de que os canadenses, entre 45 e 85 anos, eram menos propensos a apresentar TEPT se consumissem uma média de duas a três fontes de fibra por dia.

"É possível que os níveis ideais de fibras dietéticas tenham algum tipo de efeito protetor relacionado à saúde mental", diz Karen Davison, diretora do Grupo de Pesquisa em Informática nutricional e membro do Programa de Ciência da Saúde da Universidade Politécnica Kwantlen. "Isso pode ser devido à rede de comunicação que conecta o intestino e o cérebro através de ácidos graxos de cadeia curta (SCFAs), que são subprodutos metabólicos da fermentação bacteriana feita por micróbios no intestino humano."

"Produzidas a partir da fermentação de fibras no cólon, as moléculas de SCFA podem se comunicar com as células e podem afetar a função cerebral", diz Davison.

Outros fatores relacionados à dieta estão associados a uma maior probabilidade de TEPT, incluindo o consumo diário de doces e nozes, ou chocolate.

"Essa constatação de que o aumento da ingestão de pastéis doces e nozes estava associado ao aumento das chances de TEPT foi inesperado", afirma Christina Hyland, estudante de doutorado da FIFSW da Universidade de Toronto. "No entanto, as medidas para estes no conjunto de dados canadense Longitudinal Study on Aging incluíram fontes como manteiga de amendoim, e também podem ter incluído variações menos saudáveis, como nozes salgadas ou cristalinas."

A equipe do estudo analisou dados do estudo longitudinal canadense de base sobre envelhecimento, que incluiu 27.211 participantes de 45 a 85 anos, dos quais 1.323 tinham TEPT.

Outros fatores associados ao TEPT

O estudo também encontrou relações entre TEPT e fatores como pobreza, sexo, idade, histórico de imigração, etnia, estado civil e saúde física.

A pobreza foi fortemente associada ao TEPT, com um em cada sete entrevistados cuja renda familiar era inferior a US $ 20.000 por ano experimentando o transtorno.

"Infelizmente, não sabemos se os sintomas de TEPT minaram a capacidade de trabalho de um indivíduo, o que resultou na pobreza ou se o estresse associado à pobreza exacerbou sintomas de TEPT nos entrevistados", diz a autora sênior, Esme Fuller-Thomson, diretora do Instituto para Cursos e Envelhecimento da Vida e professora da Faculdade de Trabalho Social factor-inwentash da Universidade de Toronto (FIFSW) e do Departamento de Medicina Familiar e Comunitária.

As mulheres apresentaram quase o dobro da prevalência de TEPT em relação aos homens (6,9% versus 3,9%). E aqueles que eram viúvos ou divorciados tinham duas vezes mais chances de experimentar o transtorno em comparação com aqueles que eram casados ou viviam de direito comum (8,8% versus 4,4%).


Quando se chegou à maioridade, a prevalência de TEPT foi maior para aqueles de 45 a 54 anos (6,4%) e menor para aqueles com 75 anos ou mais (3,1%).

"Isso apoia pesquisas anteriores, que descobriram que o TEPT tende a ser mais comum entre homens na casa dos 40 anos e mulheres na casa dos 50 anos", diz a coautora Karen Kobayashi, professora do Departamento de Sociologia e pesquisadora do Instituto de Envelhecimento & Saúde Ao Longo da Vida da Universidade de Victoria.

A prevalência de TEPT foi maior entre os indivíduos que apresentavam pelo menos duas condições de saúde, que estavam com dor crônica ou que tinham histórico de tabagismo.

"Isso é consistente com os resultados de outros estudos, que encontraram riscos aumentados de condições cardiovasculares, metabólicas e musculoesqueléticos entre indivíduos com TEPT", afirma a coautora Meghan West, estudante de Mestrado em Serviço Social na U of T's FIFSW. "Esses elos podem ser devido a alterações no eixo hipotalâmico-pituitário-adrenal (eixo HPA), inflamação do sistema nervoso simpático ou comportamentos de saúde que aumentam o risco de má saúde física."

A prevalência de TEPT entre os imigrantes minoritários visíveis (7,5%) foi mais que o dobro dos imigrantes brancos (3,6%) e aproximadamente 50% maior do que os brancos nascidos no Canadá (5,6%).

"Nossas descobertas ressaltam a importância de considerar o status de raça e imigração separadamente", afirma o coautor Hongmei Tong, professor assistente de serviço social da Universidade de MacEwan, em Edmonton.

"Os imigrantes minoritários visíveis no Canadá são em grande parte do sul da Ásia, China e Oriente Médio, onde grupos de indivíduos sofreram conflitos políticos e/ou rupturas nos últimos 60 anos", diz ele. "Os imigrantes dessas regiões também são mais propensos a ter experimentado incidentes traumáticos, como desastres naturais e conflitos armados, e poderiam estar em maior risco de TEPT como resultado. Como tal, pode haver uma necessidade maior de recursos de saúde mental para os imigrantes minoritários visíveis.


“Post-traumatic stress disorder (PTSD) in mid-age and older adults differs by immigrant status and ethnicity, nutrition, and other determinants of health in the Canadian Longitudinal Study on Aging (CLSA)” by Karen Davison et al. Social Psychiatry and Psychiatric Epidemiology


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo