top of page

Explosões de um minuto de atividade durante as tarefas diárias podem prolongar sua vida




VILPA são os ataques muito curtos de atividade vigorosa (até um a dois minutos) que fazemos com entusiasmo todos os dias, como correr para o ônibus, explosões de energia andando enquanto fazemos recados ou jogamos jogos de alta energia com as crianças.

Três a quatro sessões de um minuto de atividade física vigorosa por dia, como correr para um ônibus ou andar rápido para completar tarefas, reduzem o risco de morte por todas as causas e relacionadas ao câncer em 40% e um risco reduzido de 49% de morte por doença cardiovascular.

Em boas notícias para aqueles que não gostam de praticar esportes ou ir à academia, uma nova pesquisa descobriu que apenas três a quatro explosões de um minuto de bufar e bufar durante as tarefas diárias estão associadas a grandes reduções no risco de morte prematura, particularmente por doenças cardiovasculares.

Publicado na Nature Medicine hoje, o estudo é liderado pelo Centro Charles Perkins da Universidade de Sydney, na Austrália. É o primeiro a medir com precisão os benefícios para a saúde do que os pesquisadores chamaram de "atividade física vigorosa e intermitente no estilo de vida" ou VILPA.

VILPA são os ataques muito curtos de atividade vigorosa (até um a dois minutos) que fazemos com entusiasmo todos os dias, como correr para o ônibus, explosões de energia andando enquanto fazemos recados ou jogamos jogos de alta energia com as crianças.

Os pesquisadores descobriram que apenas três a quatro episódios de um minuto de VILPA todos os dias estão associados a uma redução de até 40% na mortalidade por todas as causas e relacionada ao câncer, e até uma redução de 49% na morte relacionada a doenças cardiovasculares.

"Nosso estudo mostra que benefícios semelhantes ao treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) podem ser alcançados através do aumento da intensidade das atividades incidentais feitas como parte da vida diária, e quanto mais, melhor", disse o principal autor Emmanuel Stamatakis, professor de Atividade Física, Estilo de Vida e Saúde da População no Centro Charles Perkins da Universidade de Sydney.

"Algumas sessões muito curtas, totalizando três a quatro minutos por dia, podem percorrer um longo caminho, e há muitas atividades diárias que podem ser ajustadas para aumentar sua frequência cardíaca por um minuto ou mais."

A maioria dos adultos com 40 anos ou mais não participa de exercícios regulares ou esportes, mas o professor Stamatakis disse que o estudo revela como a atividade física incidental pode superar muitas barreiras.

"Aumentar a intensidade das atividades diárias não requer compromisso de tempo, preparação, associação a clubes, habilidades especiais. Simplesmente envolve acelerar o ritmo enquanto caminha ou faz as tarefas domésticas com um pouco mais de energia", disse ele.

O que eles descobriram sobre o exercício como parte da vida diária?

· Cerca de 89% de todos os participantes fizeram alguma VILPA.

· Entre os que fizeram VILPA:

· 93 por cento de todas as lutas VILPA duram até 1 minuto.

· Em média, a cada dia, os participantes fizeram oito sessões de VILPA de até 1 minuto cada, totalizando 6 minutos por dia.

· Em média, cada luta VILPA durou cerca de 45 segundos.

· Os ganhos mais acentuados foram observados quando comparados aqueles com cerca de quatro a cinco lutas por dia com aqueles sem VILPA.

· No entanto, maiores benefícios foram encontrados com maiores quantidades de VILPA, sugerindo que quanto mais, melhor.

· O máximo de 11 surtos por dia foi associado a uma redução de 65% no risco de morte cardiovascular e 49% no risco de morte relacionada ao câncer, em comparação com nenhum VILPA.

Curiosamente, uma análise comparativa da atividade vigorosa de 62.000 pessoas que se envolveram regularmente em exercícios encontrou resultados comparáveis. Isso implica que se a atividade vigorosa é feita como parte do exercício estruturado ou do trabalho doméstico não compromete os benefícios para a saúde.

Como foi realizado o estudo?

Os pesquisadores usaram dados de rastreadores de pulso do UK Biobank, um banco de dados biomédico em larga escala, para medir a atividade de mais de 25.000 "não praticantes", participantes que se auto-relataram que não fazem nenhum esporte ou exercício durante o tempo de lazer.

Por esse método, os pesquisadores puderam concluir que qualquer atividade registrada por esse grupo era atividade física incidental feita como parte da vida cotidiana.

A equipe então acessou dados de saúde que lhes permitiram acompanhar os participantes ao longo de sete anos.

Os estudos são observacionais, o que significa que eles não podem estabelecer diretamente causa e efeito. No entanto, os pesquisadores tomaram medidas estatísticas rigorosas para minimizar a possibilidade de que os resultados sejam explicados por diferenças no estado de saúde entre os participantes.

"Essas descobertas demonstram o quão valiosas as medidas detalhadas e objetivas da atividade física podem ser quando coletadas em uma população em larga escala. Estamos incrivelmente gratos a todos os 100.000 participantes do UK Biobank que usaram um monitor de atividade por 7 dias para gerar esses dados valiosos", disse a professora Naomi Allen, cientista-chefe do UK Biobank.

Peça uma atualização das diretrizes de atividade física

A equipe internacional da Universidade de Sydney, do Instituto de Big Data da Universidade de Oxford (Reino Unido), da University College London (Reino Unido), da Universidade de Glasgow (Reino Unido), da Universidade do Sul da Dinamarca e da Universidade McMaster (Canadá) está pedindo que as diretrizes de atividade física e os conselhos clínicos sejam atualizados para acompanhar essa área em evolução.


As diretrizes globais atuais implicam que os benefícios para a saúde da atividade física de intensidade vigorosa são obtidos através da atividade física estruturada, como esporte ou corrida durante o tempo de lazer.

Foi apenas em 2020 que as Diretrizes Globais da OMS sobre Atividade Física e Comportamento Sedentário, co-presididas pelo professor Stamatakis, reconheceram que "todas as atividades contam" e a estipulação de que a atividade deve ser acumulada em surtos de 10 minutos foi removida.

"Nosso conhecimento prévio sobre os benefícios para a saúde da atividade física vigorosa vem de estudos baseados em questionários, mas os questionários não podem medir ataques curtos de qualquer intensidade", disse o professor Stamatakis.

"A capacidade da tecnologia vestível de revelar 'micropadrões' de atividade física, como o VILPA, tem um enorme potencial para entender as maneiras mais viáveis e eficientes em termos de tempo que as pessoas podem se beneficiar da atividade física, não importa se ela é feita para recreação ou como parte da vida diária."

Os autores declaram não haver interesses concorrentes.

Financiamento: O estudo é financiado por um Australian National Health and Medical Research Council Investigator Grant e Ideas Grant. Os investigadores individuais são apoiados pelo financiamento do Welcome Trust, do National Institute for Health Research Oxford Biomedical Research Centre, da Novo Nordisk, do British Heart Foundation Centre of Research Excellence, do Alan Turing Institute, da British Heart Foundation, da Health Data Research UK (uma iniciativa financiada pela UK Research and Innovation, pelo Department of Health and Social Care e pelas administrações descentralizadas, e as principais instituições de caridade de pesquisa médica.


Author: Michelle Blowes

Source: University of Sydney

Contact: Michelle Blowes – University of Sydney

Original Research: Open access.

“Association of wearable device-measured vigorous intermittent lifestyle physical activity with mortality” by Emmanuel Stamatakis et al. Nature Medicine

399 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page