Fadiga cognitiva muda conectividade funcional na rede de fadiga do cérebro



Mudanças na conectividade funcional dentro da rede de fadiga ocorrem em resposta à fadiga cognitiva.

Pesquisadores da Fundação Kessler demonstraram mudanças na conectividade funcional dentro da "rede de fadiga" em resposta à fadiga cognitiva.

Os autores são Glenn Wylie, DPhil, Brian Yao, PhD, Helen M. Genova, PhD, Michele H. Chen, PhD, e John DeLuca, PhD, da Fundação Kessler. Todos têm consultas na Rutgers New Jersey Medical School. Wylie também é cientista de pesquisa do Centro de Estudos de Lesões e Doenças relacionados à Guerra dos Veteranos no Sistema de Saúde de Nova Jersey.

A fadiga cognitiva, um sintoma problemático entre populações saudáveis e clínicas, é um grande foco de pesquisa na Fundação Kessler. Com este estudo, os cientistas da Fundação estenderam sua exploração da "rede de fadiga", um conjunto de regiões cerebrais associadas à fadiga cognitiva, compreendendo o estriado do gânglio basal, o córtex pré-frontal dorsolateral, o córtex pré-frontal ventro-medial e o sula anterior.

Compreender os mecanismos subjacentes da fadiga cognitiva é essencial para o desenvolvimento de intervenções eficazes para pessoas com fadiga incapacitante causada por esclerose múltipla, Doença da Guerra do Golfo, lesão cerebral, síndrome da fadiga crônica e outras condições.

O estudo foi realizado no Rocco Ortenzio Neuroimaging Center da Fundação Kessler, uma instalação especializada dedicada exclusivamente à pesquisa de reabilitação. A equipe induziu a fadiga cognitiva em 39 voluntários saudáveis enquanto eles foram submetidos à ressonância magnética funcional de seus padrões de ativação cerebral.

A fadiga dos participantes em resposta a múltiplas corridas de tarefas desafiadoras da memória de trabalho foi medida usando uma escala analógica visual de fadiga (VAS-F). Os pesquisadores descobriram que, à medida que a fadiga cognitiva aumentava, houve um declínio na conectividade entre as regiões que compõem a rede de fadiga, e um aumento da conectividade entre a rede e regiões mais posteriores.

Dr. Wylie, diretor do Centro Ortenzio, comentou sobre os resultados desse paradigma de neuroimagem funcional baseado em tarefas: "Nossas descobertas fornecem mais evidências para uma 'rede de fadiga' funcionalmente conectada no cérebro. Mais importante ainda, mostramos pela primeira vez que essa conectividade de rede funcional muda de associação com a fadiga cognitiva", enfatizou. "Isso promete acelerar o progresso em direção a intervenções eficazes que visam aliviar a fadiga debilitante."

Financiamento: New Jersey Commission for Brain Injury Research (10.005.BIR1 to GW), The Department of Veterans' Affairs (5I01CX000893 to GW) e Kessler Foundation.

“Using functional connectivity changes associated with cognitive fatigue to delineate a fatigue network” by Wylie, G.R., Yao, B., Genova, H.M. et al. Scientific Reports


7 visualizações0 comentário