top of page

Falta de sono aumenta o risco de infecção




Uma boa noite de sono pode torná-lo menos vulnerável a infecções, relata um novo estudo. Os pesquisadores descobriram que dormir menos de seis horas, ou mais de nove horas por noite, estava ligado a um risco maior de contrair uma infecção.

Fonte: Fronteiras

Uma boa noite de sono pode resolver todos os tipos de problemas – mas os cientistas descobriram agora novas evidências de que dormir bem pode torná-lo menos vulnerável à infecção.

Cientistas da Universidade de Bergen recrutaram estudantes de medicina que trabalham em cirurgias médicas para distribuir questionários curtos aos pacientes, perguntando sobre a qualidade do sono e infecções recentes.

Eles descobriram que os pacientes que relataram dormir muito pouco ou muito eram mais propensos também a relatar uma infecção recente, e os pacientes que experimentaram problemas crônicos de sono eram mais propensos a relatar a necessidade de antibióticos.

"A maioria dos estudos observacionais anteriores analisou a associação entre sono e infecção em uma amostra da população em geral", disse a Dra. Ingeborg Forthun, autora correspondente do estudo publicado em Frontiers in Psychiatry.

"Queríamos avaliar essa associação entre os pacientes da atenção primária, onde sabemos que a prevalência de problemas de sono é muito maior do que na população em geral."

Estudando o sono no consultório do médico

Já existem evidências de que os problemas de sono aumentam o risco de infecção: em um estudo anterior, as pessoas deliberadamente infectadas com rinovírus eram menos propensas a pegar um resfriado se relatassem um sono saudável.

Os distúrbios do sono são comuns e tratáveis, e se uma ligação com a infecção e um mecanismo puder ser confirmada, isso pode tornar possível reduzir o uso de antibióticos e proteger as pessoas contra infecções antes que elas aconteçam. Mas os estudos experimentais não podem reproduzir circunstâncias da vida real.

Forthun e seus colegas deram aos estudantes de medicina um questionário e pediram que eles o entregassem aos pacientes nas salas de espera das cirurgias dos clínicos gerais onde os alunos estavam trabalhando. Foram recolhidos 1.848 inquéritos em toda a Noruega.

As pesquisas pediram às pessoas que descrevessem sua qualidade de sono – quanto tempo normalmente dormem, quão bem se sentem dormindo e quando preferem dormir – bem como se tiveram alguma infecção ou usaram antibióticos nos últimos três meses. A pesquisa também continha uma escala que identifica casos de transtorno de insônia crônica.

Risco de infecção aumentado em um quarto ou mais

Os cientistas descobriram que os pacientes que relataram dormir menos de seis horas por noite eram 27% mais propensos a relatar uma infecção, enquanto os pacientes que dormiam mais de nove horas eram 44% mais propensos a relatar uma. Menos de seis horas de sono, ou insônia crônica, também aumentou o risco de que você precisaria de um antibiótico para superar uma infecção.

"O maior risco de relatar uma infecção entre os pacientes que relataram curta ou longa duração do sono não é tão surpreendente, pois sabemos que ter uma infecção pode causar sono ruim e sonolência", disse Forthun.

"Mas o maior risco de uma infecção entre aqueles com um distúrbio crônico de insônia indica que a direção dessa relação também vai na outra direção; o sono ruim pode torná-lo mais suscetível a uma infecção."

Embora houvesse algum potencial de viés no sentido de que a lembrança das pessoas do sono ou problemas de saúde recentes não é necessariamente perfeita, e nenhuma informação clínica foi coletada dos médicos que posteriormente viram os pacientes, o desenho do estudo permitiu a coleta de dados de um grande grupo de estudo que experimentou condições do mundo real.

"Não sabemos por que os pacientes visitaram seus médicos de família, e pode ser que um problema de saúde subjacente afete tanto o risco de sono ruim quanto o risco de infecção, mas não achamos que isso possa explicar completamente nossos resultados", disse Forthun.

Ela continuou: "A insônia é muito comum entre os pacientes na atenção primária, mas encontrada para ser sub-reconhecida pelos clínicos gerais. É necessária uma maior conscientização sobre a importância do sono, não apenas para o bem-estar geral, mas para a saúde dos pacientes, tanto entre os pacientes quanto entre os clínicos gerais".


Author: Angharad Brewer Gillham

Source: Frontiers

Contact: Angharad Brewer Gillham – Frontiers

Original Research: Open access.

“The association between self-reported sleep problems, infection, and antibiotic use in patients in general practice” by Ingeborg Forthun et al. Frontiers in Psychiatry


תגובות


bottom of page