Fatores externos podem ajudar crianças a desenvolver controle interno



Em uma sala de aula, essas pistas podem incluir coisas como decorações na parede, instruções verbais ou a forma como as mesas são configuradas.


Uma nova teoria propõe a função executiva, ou a capacidade de controlar seu comportamento, pode não existir apenas dentro da mente. Influências externas podem ditar o desenvolvimento do controle interno.

A habilidade de controlar seu próprio comportamento, conhecido como função executiva, pode não existir em sua cabeça. Uma nova teoria propõe que ela se desenvolve com muitas influências de fora da mente.

A teoria, detalhada em Perspectivas sobre Ciência Psicológica,baseia-se na teoria de sistemas dinâmicos que se originou em matemática e física e tem sido usada para descrever fenômenos organizados complexos como a formação de nuvens e padrões voadores de pássaros.

Agora, uma equipe de pesquisa liderada pelo professor assistente de desenvolvimento humano da Universidade estadual de Washington, Sammy Perone, está aplicando-a à função executiva, que tem se mostrado um papel em tudo, desde a prontidão das crianças para a escola até suas relações sociais. Seu desenvolvimento também está ligado a desfechos de longo prazo para a idade adulta.

"Propomos que a função executiva seja realmente sobre o uso de pistas do ambiente para orientar seu comportamento", disse Perone. "Como seres humanos, usamos nossa experiência e normas para decidir qual é o caminho apropriado a tomar, por isso, para incentivar o desenvolvimento de funções executivas, queremos ajudar as crianças a construir essas conexões entre pistas e comportamentos apropriados."

Em uma sala de aula, essas pistas podem incluir coisas como decorações na parede, instruções verbais ou a forma como as mesas são configuradas. Eliminar distrações ambientais também pode ajudar as crianças a controlar seu comportamento, como ter lápis afiados na mão ou resolver uma cadeira de escrivaninha cambaleante. Além disso, as coisas físicas normalmente consideradas periféricas, como se uma criança tem sono adequado ou o suficiente para comer, também influenciam a função executiva, disse Perone.

Anteriormente, a visão dominante sustentava que a função executiva era de três processos neurocognitivos distintos: memória de trabalho, controle inibidor, que é a capacidade de impedir-se de fazer algo, e flexibilidade cognitiva, que permite a transição de uma atividade para outra. Essa perspectiva foi questionada, disse Perone.

"Se esses diferentes processos cognitivos são o que compõe a função executiva, você pensaria que poderia apenas treinar esses processos e, em seguida, você pode usá-los em todos os lugares", disse ele. "Acontece que isso não funciona, e isso tem sido mostrado uma e outra vez. As pessoas pensam e se comportam em um ambiente, então não podemos simplesmente treinar a função executiva, dizendo fazer exercícios de computador na memória de trabalho."

A nova teoria baseia-se no trabalho da cientista cognitiva Sabine Doebel, que pediu a redefinição da função executiva em 2020 como o "desenvolvimento de habilidades no uso do controle a serviço do comportamento". Perone e seus coautores da Universidade do Kansas e da Universidade do Tennessee expandem essa nova definição trazendo a teoria dos sistemas dinâmicos para ajudar a explicar como os humanos usam uma variedade de fatores externos para organizar seu comportamento.

"Precisamos pensar mais na função executiva à medida que ela opera — como um comportamento direcionado a metas no mundo real", disse Perone. "Quando você toma essa perspectiva, de repente, torna-se muito mais prático para os prestadores de cuidados infantis e pais, porque é aí que as crianças estão pensando, se comportando e se desenvolvendo."


“A Dynamical Reconceptualization of Executive-Function Development” by Sammy Perone et al. Perspectives on Psychological Science



3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo