top of page

'Forte associação' entre obesidade e doença autoimune: relatório




Há "evidências epidemiológicas convincentes" revelando uma "forte associação" entre ser obeso ou com sobrepeso e o risco de desenvolver doenças autoimunes como diabetes tipo 1 e esclerose múltipla.

"Do ponto de vista imunológico, os mecanismos celulares e moleculares ligados a essa associação incluem a superestimulação dos linfócitos T por vias de detecção de nutrientes e energia", de acordo com uma publicação de 30 de março na revista "Science" pelo Dr. Giuseppe Matarese, professor de imunologia da Universidade de Nápoles Federico II, em Nápoles, Itália.

Os linfócitos T são um componente importante do sistema imunológico adaptativo.

O tecido adiposo, também conhecido como gordura corporal, é um órgão imunologicamente ativo que influencia as respostas imunes sistêmicas de um corpo através da produção de adipocitocinas. "Por sua vez, as células imunes afetam a homeostase e o metabolismo dos adipócitos através da produção de citocinas pró e anti-inflamatórias", escreveu Matarese.

"Proponho que a carga de trabalho metabólica – induzida por nutrientes, fatores de crescimento derivados de adipócitos e adipocitocinas – pode representar um acelerador de distúrbios autoimunes em pessoas que normalmente consomem uma dieta ocidental obesogênica".

Artrite reumatoide, doença inflamatória intestinal, esclerose múltipla, diabetes tipo 1, psoríase e esclerose sistêmica estão sob doenças autoimunes – um distúrbio caracterizado por atividade anormalmente baixa ou excessiva pelo sistema imunológico do corpo.

A obesidade continua a ser um fator de risco para condições autoimunes como esclerose múltipla e diabetes tipo 1 (DM1), como apontou Matarese. Entre os fatores de estilo de vida que aumentam o risco de esclerose múltipla inclui um alto índice de massa corporal (IMC).

Ele citou estudos entre jovens obesos que descobriram que há um aumento de 1,6 a 1,9 vezes no risco de desenvolver esclerose múltipla durante a adolescência e a idade adulta jovem.

"Da mesma forma, o IMC mais alto ao nascer está associado a uma maior suscetibilidade ao DM1 em crianças. De fato, a incidência de DM1 aumentou quase linearmente com um maior peso ao nascer (aumento de 1,7% na incidência por aumento de 100 g no peso ao nascer).

Para controlar a resposta autoimune do corpo, Matarese sugere intervenções comportamentais, incluindo a restrição da ingestão de calorias, bem como a prática do jejum. Ele também levanta a possibilidade de usar drogas que possam imitar o jejum.


Obesidade nos Estados Unidos

De acordo com a pesquisa National Health and Nutrition Examination realizada nos Estados Unidos entre 2017 e março de 2020, a taxa de prevalência de obesidade no país foi de 41,9%. Isso é acima dos 30,5% entre 1999 e 2000. Durante esse período, a prevalência de obesidade grave quase dobrou de 4,7% para 9,2%.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) estimam que a prevalência de obesidade seja a mais alta entre adultos de 40 a 59 anos, com 44,3% desse grupo demográfico afetado por ela. Isto foi seguido por adultos com 60 anos ou mais, com 41,5%, e adultos com idades entre 20 e 39 anos, com 39,8%.

Racialmente, os adultos negros não hispânicos tiveram a maior prevalência de obesidade ajustada por idade em 49,9%, seguidos por adultos hispânicos em 45,6% e adultos brancos não hispânicos em 41,4%. Adultos asiáticos não hispânicos tiveram a menor prevalência de obesidade em apenas 16,1%.

Um estudo de março de 2021 publicado na revista PLOS descobriu que a obesidade estava associada a US $ 1.861 em excesso de custo médico anual por indivíduo entre adultos. Isso se traduziu em US $ 172,74 bilhões em despesas anuais extras no país.


Combatendo os alimentos causadores de obesidade

Alimentos fritos contribuem para a obesidade. Quando um item é frito, ele perde seu teor de água e absorve mais gordura. Consumir esses alimentos significa maior ingestão de calorias.

Além disso, os alimentos fritos também podem aumentar os níveis de colesterol. Pode conter gorduras trans que são capazes de alterar a estrutura química das gorduras a tal ponto que o corpo acha difícil de quebrar.

Adicionar manteiga à sua comida também é uma escolha arriscada quando se trata de peso corporal. Apenas uma única colher de sopa contém cerca de 102 calorias.

Carnes processadas que são curadas e salgadas tendem a ser ricas em gorduras saturadas e calorias. Doces e bebidas adoçadas com açúcar também podem aumentar o peso corporal se consumidos excessivamente.

Em maio do ano passado, uma equipe de pesquisa da Universidade Batista de Hong Kong publicou os resultados de seu estudo mostrando que a maneira mais eficaz de lidar com a obesidade é simplesmente reduzir a ingestão de alimentos.

Inibir uma protease hidrolítica chamada MT1-MMP foi encontrada para aumentar a sensação de saciedade do corpo, ajudando assim as pessoas a comer menos e perder peso. Protease hidrolítica refere-se a um grupo de enzimas. Os cientistas concluíram que as drogas direcionadas ao MT1-MMP podem ser um tratamento eficaz para a obesidade.


The link between obesity and autoimmunity

Overnutrition could lead to loss of self-tolerance by impinging on immune regulation

SCIENCE

30 Mar 2023

Vol 379, Issue 6639

pp. 1298-1300

Compelling epidemiological evidence reveals a strong association between being overweight or obese and the risk of developing autoimmune diseases (1). From an immunological standpoint, the cellular and molecular mechanisms linked to this association include the overstimulation of T lymphocytes by nutrient- and energy-sensing pathways. The immunometabolic state of an individual is central to the modulation of immunological self-tolerance that suppresses self-reactivity to avoid autoimmunity. Adipose tissue is an immunologically active organ that influences systemic immune responses through the production of adipocytokines, and, in turn, immune cells affect adipocyte homeostasis and metabolism through the production of pro- and anti-inflammatory cytokines (2). This implies that metabolic overload from obesity can affect immunometabolism, which can alter susceptibility to autoimmune diseases.

Immunological adaptations occur in response to nutritional status: Undernutrition impairs immunity, causing inefficient responses to infections and vaccinations. Conversely, overnutrition favors chronic activation of both innate and adaptive immune cells, with subsequent (low-grade) systemic inflammation. These phenomena occur through the engagement of intracellular nutrient- and energy-sensing pathways and the NACHT, LRR and PYD domains–containing protein 3 (NLRP3) inflammasome, which is a sensor of metabolic stress that is induced by an excess of glucose and lipids, especially in macrophages (2, 3).

Obesity is a risk factor for autoimmune conditions such as type 1 diabetes (T1D) and multiple sclerosis (MS) (4, 5). Environmental and lifestyle factors that increase MS risk include smoking, sun exposure, low vitamin D, Epstein-Barr virus infection, and high body mass index (BMI). Prospective longitudinal studies in young obese individuals found a 1.6- to 1.9-fold increase in the risk of developing MS during adolescence and young adulthood (but not at the time of MS onset); this association with obesity was also confirmed in carriers of the human leukocyte antigen (HLA)–DRB1*15:01 susceptibility allele that is responsible for the presentation of myelin self-antigens to autoreactive T cells (5). Similarly, higher BMI at birth is associated with higher T1D susceptibility in children. Indeed, the incidence of T1D increased almost linearly with a higher birth weight (1.7% increase in incidence per 100-g increase in birth weight) (4).

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário


139 visualizações2 comentários

2 Σχόλια


ginaquantumluz
ginaquantumluz
10 Απρ 2023

Digo efeito desejado.

Μου αρέσει

ginaquantumluz
ginaquantumluz
10 Απρ 2023

O mais desafiador é sentir que nada faz efeito.

Μου αρέσει
bottom of page