top of page

G20 promove passaporte global de v@cs padronizado pela OMS e esquema de identidade de "saúde digital




Um frasco de vacina em um passaporte europeu em Paris, em 3 de março de 2021 Líderes do Grupo dos 20 (G20) emitiram uma declaração conjunta promovendo um padrão global sobre a prova de vacinação para viagens internacionais e pedindo o estabelecimento de "redes globais de saúde digital" que se baseiam nos esquemas de passaporte de vacina C-19 digitais existentes.

A declaração conjunta seguiu a conclusão da cúpula do G20 realizada em Bali, na Indonésia, onde os líderes discutiram os desafios globais e coordenaram as políticas em resposta, inclusive a futuras pandemias.

"Reconhecemos a importância de padrões técnicos compartilhados e métodos de verificação, sob a estrutura do RSI (2005), para facilitar viagens internacionais contínuas, interoperabilidade e reconhecimento de soluções digitais e não digitais, incluindo prova de vacinas", diz a declaração conjunta do G20.

O Regulamento Sanitário Internacional (2005) é um instrumento de direito internacional desenvolvido sob os auspícios da Organização Mundial da Saúde (OMS) que estabelece um quadro global para responder à propagação internacional de doenças.

A norma apoiada pela OMS, que entrou em vigor em 2007, exigia que os países fortalecessem as capacidades de vigilância nos postos fronteiriços e introduziu uma série de documentos sanitários, incluindo certificados internacionais de vacinação.

Além de reconhecer a utilidade da estrutura do RSI, os líderes do G20 disseram apoiar o "diálogo internacional e a colaboração em curso no estabelecimento de redes globais de saúde digital confiáveis como parte dos esforços para fortalecer a prevenção e a resposta a futuras pandemias".

Eles acrescentaram que essas redes globais de saúde digital devem "capitalizar e aproveitar o sucesso dos padrões existentes e dos certificados digitais COVID-19".

Os passaportes de vacina contra a COVID-19 – e várias outras formas de esquemas de identidade digital – têm sido criticados como uma invasão de privacidade e como tendo o potencial de permitir que governos e corporações coajam o comportamento humano, por exemplo, negando acesso a infraestrutura ou serviços.

'Vamos ter um certificado de saúde digital'?


A declaração conjunta segue as recomendações do ministro da Saúde da Indonésia, Budi Gunadi Sadikin, feitas durante um painel Business 20 (B20) realizado antes da cúpula do G20.

"Vamos ter um certificado de saúde digital reconhecido pela OMS – se você foi vacinado ou testado corretamente – então você pode se movimentar", disse ele durante um painel em 14 de novembro.

Sadikin acrescentou que o benefício de um passaporte de vacina padronizado pela OMS seria facilitar as viagens internacionais.

"Então, para a próxima pandemia, em vez de parar o movimento das pessoas 100%, que parou a economia globalmente, você ainda pode fornecer algum movimento das pessoas", acrescentou.

Sadikin acrescentou que os países do G20 concordaram com esse certificado de saúde digital global e que a ideia agora é apresentá-lo como uma revisão da estrutura do RSI na próxima Assembleia Mundial da Saúde, marcada para maio de 2023 em Genebra, na Suíça.

Em um documento de 132 páginas que contém uma série de recomendações para o G20, o B20 pediu a adoção generalizada de documentação digital de certificados COVID-19 que fariam parte de uma "infraestrutura de saúde global 'sempre ativa' habilitada para tecnologia".

O Fórum Econômico Mundial (WEF) disse em um relatório de fevereiro de 2022 (pdf) que os passaportes de vacina servem como uma forma de identidade digital.

Em um relatório anterior (pdf), o WEF disse que "a identidade digital determina quais produtos, serviços e informações podemos acessar – ou, inversamente, o que está fechado para nós".


'Gulag Digital'


O jornalista Nick Corbishley, que escreve sobre tendências econômicas e políticas na Europa e na América Latina, alertou que os passaportes de vacina podem levar à implementação de um esquema global de identidade digital que ameaçará a privacidade e a liberdade em todo o mundo.

"É como essa sociedade de checkpoint. Onde quer que você queira ir, você tem que mostrar seu telefone celular, sua identidade ... mesmo que seja apenas para entrar em um supermercado ou entrar em uma loja", disse ele ao programa "Crossroads" .

Corbishley descreveu os aspectos negativos de um esquema global de identificação digital como uma espécie de "gulag digital" no qual as pessoas poderiam ser "efetivamente banidas da sociedade".

"Essa é uma visão aterrorizante", disse ele.


Tom Ozimek Journalista do Epoch TV

799 visualizações0 comentário
bottom of page