Indivíduos com traços elevados de TDAH são mais vulneráveis à insônia


O TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade) é caracterizado por desatenção, impulsividade e hiperatividade; no entanto, os sintomas variam de pessoa para pessoa e, muitas vezes, também incluem instabilidade emocional.

Pessoas com sintomas sub-clínicos de TDAH são mais vulneráveis aos efeitos da privação do sono e apresentam maior comprometimento tanto na regulação da atenção quanto no controle emocional após a perda do sono do que aquelas sem TDAH.

Indivíduos com traços elevados de TDAH que não atendem aos critérios para um diagnóstico são menos capazes de realizar tarefas envolvendo regulação da atenção ou controle emocional após uma noite sem dormir do que indivíduos com baixos traços de TDAH, um novo estudo do Instituto Karolinska publicado na Biological Psychiatry: Cognitive Neuroscience and Neuroimaging reports.

Embora possa causar múltiplos prejuízos cognitivos, há uma considerável variação individual na sensibilidade aos efeitos da insônia. A razão dessa variabilidade tem sido uma questão de pesquisa não resolvida há muito tempo. No presente estudo, os pesquisadores da KI investigaram como a privação do sono afeta nossas funções executivas, ou seja, os processos cognitivos centrais que regem nossos pensamentos e ações. Eles também queriam verificar se pessoas com tendências de TDAH são mais sensíveis à insônia, com prejuízos funcionais mais graves como resultado.

O TDAH (transtorno do déficit de atenção com hiperatividade) é caracterizado por desatenção, impulsividade e hiperatividade; no entanto, os sintomas variam de pessoa para pessoa e, muitas vezes, também incluem instabilidade emocional.

"Pode-se dizer que muitas pessoas têm alguns sintomas subclínicos semelhantes ao TDAH, mas um diagnóstico só é feito quando os sintomas se tornam tão proeminentes que interferem em nossas vidas cotidianas", diz Predrag Petrovic, consultor e professor associado em psiquiatria do Departamento de Neurociência Clínica do Instituto Karolinska, na Suécia, que liderou o estudo junto com Tina Sundelin e John Axelsson, ambos pesquisadores do Instituto Karolinska e do Instituto de Pesquisa do Estresse da Universidade de Estocolmo.

O estudo incluiu 180 participantes saudáveis entre 17 e 45 anos sem diagnóstico de TDAH. Tendências de desatenção e instabilidade emocional foram avaliadas na escala do Transtorno do Déficit de Atenção Marrom (B-ADD).

Os participantes foram aleatoriamente designados para dois grupos, um que foi permitido dormir normalmente e outro que foi privado de sono por uma noite. Eles foram então instruídos a realizar um teste que mede funções executivas e controle emocional no dia seguinte (um teste de Stroop com rostos neutros e emocionais).

Os pesquisadores descobriram que o grupo privado de sono apresentou pior desempenho nas tarefas experimentais (incluindo maior variabilidade de resposta cognitiva). Além disso, pessoas com alto tDAH-traços eram mais vulneráveis à privação do sono e apresentavam maior prejuízo do que aquelas com baixos traços de TDAH.

Os efeitos também estiveram relacionados ao tipo mais proeminente de sintoma subclínico semelhante ao TDAH, no qual, após serem privados de sono, os participantes que apresentavam problemas mais cotidianos com instabilidade emocional tiveram problemas maiores com a tarefa cognitiva envolvendo regulação emocional, e aqueles que apresentavam sintomas de desatenção mais cotidianos tinham problemas maiores com a tarefa cognitiva não emocional.

"Uma das razões pelas quais esses resultados são importantes é que sabemos que os jovens estão dormindo muito menos do que há apenas dez anos", explica o Dr. Petrovic. "Se os jovens com traços elevados de TDAH regularmente dormem muito pouco, eles terão pior desempenho cognitivo e, além disso, seus sintomas podem até acabar em um nível clinicamente significativo."

Financiamento: O estudo foi apoiado por subsídios do Conselho Sueco de Pesquisa, Forte (Conselho Sueco de Pesquisa para Saúde, Vida profissional e Bem-Estar), Riksbankens Jubileumsfond, Instituto Karolinska, Região de Estocolmo, Sociedade Sueca de Medicina, Fundação Söderström-Königska e o Centro Osher de Medicina Integrativa. O estudo faz parte de um projeto de doutorado de Orestis Floros, que também é psiquiatra especializado em TDAH.


"A vulnerabilidade nas funções executivas à privação do sono é prevista por sintomas subclínicos de TDAH" porOrestis Floros, John Axelsson, Rita Almeida, Lars Tigerström, Mats Lekander, Tina Sundelin, Predrag Petrovic.Psiquiatria Biológica: Neurociência Cognitiva e Neuroimagem


48 visualizações0 comentário