top of page

Ingredientes perigosos das vacs contra o HPV aumentam o risco para os jovens

Atualizado: 7 de mar.




Há ampla evidência científica que sugere que a mistura de adjuvantes contidos nas vacinas contra o HPV e outras vacinas é responsável por doenças autoimunes induzidas pela pós-vacinação em alguns pacientes.

Os distúrbios induzidos por adjuvantes tornaram-se tão difundidos que especialistas médicos cunharam um novo termo para descrever essa síndrome guarda-chuva: Síndrome Autoimune / Inflamatória Induzida por Adjuvantes (ASIA).

Na Parte 1, Parte 2 e Parte 3 desta série, discutimos as vacinas contra o HPV e suas ligações com a insuficiência ovariana, doenças neurológicas e autoimunes, a eficácia da vacina na prevenção do câncer cervical e a incapacidade dos ensaios clínicos de detectar problemas de segurança. Na Parte 4, discutiremos preocupações em relação a determinados ingredientes da vacina e forneceremos uma reflexão sobre o desenvolvimento da vacina contra o HPV.

Resumo dos principais fatos

· Os adjuvantes são utilizados em vacinas contra o HPV, incluindo Gardasil, para chamar a atenção do sistema imunitário.

· O alumínio é um adjuvante comum em Gardasil que pode ser responsável por eventos adversos.

· Outro ingrediente "secreto" descoberto de Gardasil "DNA HPV", também pode ser responsável por eventos adversos.

· Ambos os adjuvantes imunogênicos podem induzir uma forte resposta imune ou condições autoimunes.

· A pesquisa deve se concentrar em análises cuidadosas de risco-benefício para determinar quais populações se beneficiam da vacinação. Algumas pessoas podem não se beneficiar da vacinação, mas seriam melhor atendidas pelo alcance do rastreamento do câncer.

·

Alumínio, um adjuvante problemático da vacina


O CDC lista vacinas que usam alumínio como adjuvante, e a Gardasil está na lista.

Para estimular uma resposta imune aprimorada destinada a durar 50 anos, a Merck adicionou um adjuvante particularmente tóxico contendo alumínio, o sulfato de hidroxifosfato de alumínio amorfo (AAHS), à vacina Gardasil.

O alumínio é o terceiro metal mais abundante na crosta terrestre e está amplamente presente no meio ambiente – em plantas, solo, água, ar, cadeia alimentar e produtos farmacêuticos. Enquanto isso, o alumínio é uma toxina potente que pode prejudicar gravemente vários sistemas do corpo humano, incluindo, mas não se limitando a, sistemas nervoso, respiratório, musculoesquelético, digestivo, renal e hepático.

O cérebro é o principal órgão-alvo do alumínio. Pode penetrar a barreira no cérebro. O alumínio tem sido associado a mecanismos de ação, incluindo, mas não limitado a:

· gera espécies reativas de oxigênio

· induz apoptose de astrócitos

· desempenha um papel crucial na oligomerização β-amilóide

· induz a proteína tau a agregar

· induz condições autoimunes

· aumenta a permeabilidade da barreira hematoencefálica

· altera a homeostase intracelular do cálcio

· afeta a produção de energia celular

· altera o DNA

Estudos revisados por pares mostram que o alumínio se liga a proteínas não vacinais, incluindo proteínas hospedeiras e vírus latentes, desencadeando condições autoimunes e outras condições graves.

Especialistas em vacinas pediátricas estão determinando o nível aceitável de exposição das crianças ao alumínio.

Em um artigo de 2020 publicado na Frontiers in Microbiology, Paul Offit, MD, e colegas argumentaram que a exposição cumulativa de uma criança ao alumínio através de vacinas ao longo de seis meses de vida é menor do que as exposições naturais através do leite materno e fórmulas infantis.

Offit é diretor do Centro de Educação de Vacinas e médico assistente na Divisão de Doenças Infecciosas do Hospital Infantil da Filadélfia. Ele e seus colegas desenvolveram vacinas e escreveram extensivamente sobre a segurança das vacinas.

Mas esse argumento não é tranquilizador. Em causa está a exposição cumulativa de uma criança ao alumínio. Essas exposições vêm de fontes naturais, como leite materno e fórmulas infantis. Várias vacinas e outros produtos farmacêuticos em camadas sobre essas exposições naturais (por exemplo, várias marcas de injeções de vitamina K dadas a bebês no nascimento também contêm alumínio).

Ainda mais preocupante é que a versão mais recente desta vacina (Gardasil 9) contém quase o dobro da quantidade de AAHS que a versão anterior da vacina.


Ingrediente "secreto" da Gardasil


Médicos em nove países submeteram amostras de Gardasil para serem testadas para DNA do papilomavírus humano (HPV) porque suspeitavam que o DNA residual recombinante do HPV deixado na vacina poderia ter sido um fator contribuinte que levou a efeitos colaterais pós-vacinação inexplicáveis.

Para realizar esta pesquisa, os cientistas solicitaram amostras de Gardasil da Austrália, Bulgária, França, Índia, Nova Zelândia, Polônia, Rússia, Espanha e Estados Unidos. Cada amostra foi confirmada como sendo de um número de lote diferente.

Os testes de laboratório revelaram que todas as 16 amostras de Gardasil continham fragmentos de DNA do HPV. Os fragmentos específicos incluíram: DNA do HPV-11, DNA do HPV-18 ou fragmentos compostos por elementos de ambos os genótipos.

Os fragmentos de DNA do HPV foram encontrados firmemente ligados ao adjuvante (AAHS).

Se esses achados têm significado clínico é uma questão em aberto. Pesquisas adicionais de segurança de vacinas devem considerar isso e projetar os estudos apropriados para entender o impacto biológico de fragmentos residuais de DNA do HPV ligados a um adjuvante à base de minerais particulados.

O site da FDA afirma esta descoberta: "Informações da FDA sobre a presença de fragmentos de DNA esperados pela Gardasil, sem risco de segurança". No entanto, o conteúdo desta página não foi encontrado devido a razões desconhecidas quando o acesso foi tentado em 25 de fevereiro de 2023.


Este ingrediente pode estimular a inflamação

Os adjuvantes da vacina fazem com que o sistema imunológico monte uma resposta robusta. Isso é útil ao vacinar os idosos, que têm um sistema imunológico em "senescência", o que significa que está começando a diminuir. No entanto, os adjuvantes em vacinas projetadas para jovens com sistemas imunológicos saudáveis que sofrem tremendas alterações metabólicas durante a adolescência exigem mais cautela.

Esses fragmentos de DNA podem atuar como um agonista do receptor 9 ("TLR9"). TLR é um grupo de proteínas na superfície ou dentro das células, atuando na linha de frente do sistema imunológico, detectando vários patógenos ou sinais nocivos do ambiente e respondendo a eles.

O TLR9 liga-se preferencialmente ao DNA presente em vírus e bactérias e desencadeia cascatas de sinalização que levam a uma resposta pró-inflamatória de citocinas, o que pode desencadear respostas neuroinflamatórias distintas no sistema nervoso.

O Dr. Sin Hang Lee, diretor da Milford Molecular Diagnostics, com sede em Connecticut, supôs que, sem adicionar o agonista TLR9, Gardasil não seria imunogênico. De acordo com Lee, os fragmentos de DNA ligados às nanopartículas semelhantes ao vírus AAHS atuam como o agonista TLR9 nas vacinas Gardasil e Gardasil 9, criando o adjuvante imunoestimulante mais forte em uso em qualquer vacina.

Lee também encontrou fragmentos de DNA do HPV da vacina Gardasil em amostras de baço post-mortem e sangue retiradas de uma adolescente saudável que morreu seis meses após uma terceira vacina contra o HPV.

Um livro de 2015, Vacinas e Autoimunidade, editado pelo Dr. Yehuda Shoenfeld, o pai da pesquisa de autoimunidade, inclui artigos de muitos dos principais especialistas em autoimunidade do mundo. Estes cientistas concluíram que o Gardasil poderia causar doenças autoimunes devido aos potentes ingredientes imunoestimulantes da vacina.


Eventos Adversos Graves após receber vacinas contra o HPV


1. Doenças neurológicas e autoimunes

A literatura tem relatado potenciais distúrbios neurodegenerativos inflamatórios de base imunológica envolvendo o sistema nervoso central, conhecidos como encefalomielite disseminada aguda, após injeções de Gardasil. Extensos estudos baseados em registros realizados na Dinamarca, Suécia e Alemanha identificaram associações plausíveis entre a vacinação contra o HPV e condições autoimunes. Este tópico é abordado na Parte 2 desta série.


2. Morte inexplicável


Em um estudo JAMA Network Open publicado em 2009, 12.424 eventos adversos relatados foram registrados no Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) após a vacinação Gardasil de 1º de junho de 2006 a 31 de dezembro de 2008. Entre eles, 32 óbitos com idade média de 18 anos. As mortes ocorreram dois a 405 dias após a injeção de Gardasil.

Dos 32 óbitos, os prontuários e os laudos de necropsia foram revisados para 20. Essas revisões confirmaram quatro mortes inexplicáveis e seis mortes relacionadas ao coração. Não houve qualquer tentativa de estabelecer uma relação causal, o que significa qualquer esforço para garantir ou excluir uma ligação com a vacinação Gardasil. No entanto, os autores relataram que a síncope dos receptores de Gardasil (perda de consciência causada por uma queda na pressão arterial) e os eventos tromboembólicos (por exemplo, trombose venosa profunda ou embolia pulmonar) eram desproporcionalmente altos.


3. Síncope


A síncope ocorreu em 1.896 casos, metade dentro de 15 minutos após a injeção. Entre aqueles que desmaiaram, 15% resultaram em uma queda, e a maioria dessas quedas (68%) resultou em um ferimento na cabeça. Os receptores da vacina são aconselhados a sentar-se por 15 minutos após a injeção.


4. Tromboembolismo


A razão proporcional de notificação para eventos tromboembólicos foi de 4,8 para jovens de seis a 17 anos (p=0,04) e de 6,7 para jovens de 18 a 29 anos (p=0,006). Dos 31 casos, 28 tinham um fator de risco conhecido para tromboembolismo venoso. Os fatores de risco incluíram controle de natalidade contendo estrogênio em 20 dos 31 casos.


5. Anafilaxia


A anafilaxia entre as mulheres jovens que recebem a vacinação Gardasil é aproximadamente 10 a 53 vezes superior à identificada num programa escolar comparável para a vacinação meningocócica C. A incidência de anafilaxia relacionada ao HPV foi de 1,0 a 5,3 por 100.000, enquanto foi de 0,1 por 100.000 para a vacinação meningocócica C. Todos os casos de anafilaxia foram identificados usando a definição de anafilaxia de caso de Brighton.


Vacinação contra o HPV entre homens

A vacinação de rotina de meninos e homens foi implementada em apenas alguns países, incluindo Austrália, Canadá e os EUA Os programas de vacinação de base populacional são projetados para aumentar a imunidade de rebanho entre homens e mulheres e reduzir a incidência de câncer anal, peniano, de cabeça e pescoço entre homens especificamente.

Os sintomas da infecção por HPV entre os homens incluem os seguintes sintomas no pênis, ânus, escroto ou boca:

· Verrugas

· Crescimentos

· Feridas

· Protuberâncias

Uma revisão sistemática da eficácia e segurança da vacinação contra o HPV entre os homens foi realizada para reunir pesquisas até 2017. Sete estudos foram incluídos na análise, compreendendo dados de aproximadamente 5.000 homens; quatro estudos foram randomizados e três não randomizados. Apenas dois estudos incluíram eventos adversos graves e nenhum deles foi julgado pelos pesquisadores como relacionado à vacina.

Este estudo sugere que a vacinação é mais eficaz entre os homens se administrada antes do início da atividade sexual. Esta descoberta apoia a pesquisa que leva à mesma conclusão sobre as mulheres.

Os autores destacaram que mais pesquisas são necessárias para estabelecer os benefícios de programas de vacinação em larga escala entre os homens. Embora esta revisão sistemática de 2018 da eficácia e segurança da vacinação contra o HPV tenha sido a primeira a ser publicada para homens, sete revisões sistemáticas entre quase 46.000 participantes foram realizadas para mulheres, demonstrando uma parcela desproporcional de pesquisas entre as mulheres na época.

Certos fatores de risco aumentam a probabilidade de câncer anal, peniano e de garganta do HPV entre os homens, incluindo tabagismo, início precoce da atividade sexual, status de HIV positivo e homens que fazem sexo com homens. Usar um preservativo, manter redes sexuais estáveis e iniciar a atividade sexual mais tarde na vida reduzem o risco. Alguns profissionais de saúde podem oferecer um teste de Papanicolau anal para homens que estão em maior risco de câncer anal, como homens que vivem com HIV e aqueles que recebem sexo anal.

O CDC afirma que a vacinação não é universalmente recomendada para homens com mais de 26 anos: "A vacinação contra o HPV para idades entre 27 e 45 anos fornece menos benefícios. A maioria dos adultos sexualmente ativos já foi exposta ao HPV, embora a vacinação não tenha como alvo todos os tipos de HPV. Aqueles em um relacionamento estável são improváveis de obter uma nova infecção por HPV.


Nós realmente precisamos da vacinação contra o HPV?

A infecção pelo HPV é um fator de risco para o câncer cervical. No entanto, existem muitos outros fatores de risco para o câncer cervical. Estes incluem envolver-se em relações sexuais antes dos 16 anos, ter múltiplos parceiros sexuais, exposição ao HIV, fumar e ser exposto a agentes cancerígenos em uma idade jovem.

Pesquisas futuras devem considerar taxas de triagem diferenciais por etnia, idade e status socioeconômico. Os resultados devem ser estratificados por idade no primeiro contato sexual e história de vacinação para começar a desembaraçar os efeitos da vacinação precoce, juntamente com disparidades nas taxas de triagem.

A pesquisa também deve considerar os efeitos protetores da imunidade natural contra o HPV.

· Apelo a mais comportamentos sexuais éticos

Faria sentido testar as mulheres antes da vacinação se elas já tivessem se envolvido em atividade sexual? Talvez. Como a vacinação é profilática, poderíamos otimizar os benefícios da vacina e reduzir os danos, oferecendo vacinação para aqueles ainda não infectados (prevenção primária) e concentrando-nos no rastreamento do câncer (prevenção secundária) entre aqueles que já foram infectados com uma cepa de HPV.

Adolescentes que se envolvem em atividade sexual precoce estão em maior risco de uma série de problemas de saúde mental e física. O CDC divulgou recentemente um relatório afirmando: "Quase uma em cada cinco mulheres jovens sofreu violência sexual – um aumento de 20% desde 2017". Aproximadamente uma em cada 10 meninas adolescentes relatou ter sido forçada a fazer sexo.

A violência sexual é uma preocupação séria, e a prevenção do contato sexual indesejado deve ser uma prioridade. Pais, autoridades de saúde pública e médicos podem ajudar a proteger meninas adolescentes, treinando-as na antecipação de situações de alto risco. Isso também ajudará a prevenir cânceres cervicais e genitais, reduzindo o contato íntimo indesejado. Fortalecer o processo de rastreamento do câncer entre aqueles que já são sexualmente ativos é outra maneira de reduzir a mortalidade por câncer cervical.

Além da evidência de que as vacinas contra o HPV causam danos e ausentes de uma análise robusta de risco-benefício, a vacinação de adolescentes contra uma doença sexualmente transmissível levanta questões éticas e morais. Dar a pré-adolescentes, adolescentes e adultos muito jovens uma vacina que promete prevenir uma doença sexualmente transmissível introduz um risco moral – eles podem se envolver em práticas de maior risco porque sentem que é seguro fazê-lo.

Com a sensação de estar protegido, os adolescentes podem se envolver em comportamentos sexuais em uma idade muito jovem, o que é frequentemente associado a outras atividades de alto risco, como o uso de substâncias. Em vez disso, poderíamos direcionar recursos para ajudar os adolescentes a tomar medidas concretas para tornar o autocuidado uma prioridade em um momento em que os eventos e as pessoas ao seu redor desafiam sua autoestima.

· Incentive a Influência Social Positiva

Líderes comunitários e profissionais de saúde pública poderiam investir em atividades de promoção da saúde, como a construção de centros comunitários e academias para tornar a atividade física regular e as conexões sociais acessíveis, independentemente da renda familiar, permitindo que todos os adolescentes construam uma rede social robusta com valores compartilhados.

Os jovens adultos também devem definir bons hábitos de nutrição e sono, desenvolver um relacionamento saudável com o álcool e entender a ligação entre saúde mental e física.

Finalmente, os pais ocupados devem ser apoiados para melhorar o sentimento de pertença de seus filhos dentro de sua comunidade.

Embora a promessa da tecnologia de vacinas humanas seja atraente para prevenir doenças e até mesmo curar o câncer, devemos refletir racionalmente sobre a relação de longa data entre vírus e seres humanos.

Certamente, as vacinas melhoraram drasticamente os resultados pediátricos importantes, mas as vacinas mais recentes direcionadas a adultos jovens saudáveis, de outra forma, devem ser mantidas nos padrões mais rigorosos para estimar os riscos e benefícios associados.

· A qualidade e a transparência dos dados são necessárias

Ao considerar as evidências para inclusão em análises de risco-benefício, deve-se tomar cuidado para avaliar a qualidade das revisões sistemáticas. Uma publicação recente comparou a taxa de revisões sistemáticas de vacinas financiadas pela indústria versus revisões sistemáticas de vacinas não financiadas pela indústria. Os estudos não financiados pela indústria tiveram um índice de qualidade mais alto do que aqueles financiados pela indústria.

As autoridades de saúde pública devem abster-se de recomendações gerais baseadas em ciência frágil e, em vez disso, investir em ensaios robustos que possam realmente elucidar para quem uma vacina oferece o maior benefício. Os ensaios clínicos devem ser adequadamente dimensionados e conduzidos por um período suficientemente longo para detectar benefícios e riscos. Certamente alguns subgrupos podem ganhar valor, enquanto outros não.

Para proteger o programa de vacinas dos Estados Unidos, as autoridades da indústria e das autoridades de saúde devem:

1. Realizar testes robustos alimentados para detectar sinais de segurança,

2. Divulgar dados de ensaios individuais anonimizados prontamente para inspeção pública,

3. Desenvolver análises de risco-benefício transparentes e rigorosas antes que as recomendações sejam feitas, e

4. Erradicar os mandatos de vacinação.

Políticas éticas de vacinação são essenciais para incentivar escolhas de estilo de vida que promovam uma saúde mental e física vibrante.

◇ Referências:


STD Facts – Human papillomavirus (HPV) (cdc.gov)

HPV-Associated Cancer Statistics | CDC

Pinkbook | HPV | Epidemiology of Vaccine-Preventable Diseases | CDC

Immunologic treatments for precancerous lesions and uterine cervical cancer – PubMed (nih.gov)

Immune responses against virus and tumor in cervical carcinogenesis: treatment strategies for avoiding the HPV-induced immune escape – PubMed (nih.gov)

HPV Vaccine Schedule and Dosing | CDC

Recombinant human papillomavirus nonavalent vaccine in the prevention | IDR (dovepress.com)

Survey of pediatricians concerning the human papillomavirus vaccine in Japan: Positive attitudes toward vaccination during the period of proactive recommendation being withheld – PubMed (nih.gov)

Access to HPV vaccination in Japan: Increasing social trust to regain vaccine confidence – PubMed (nih.gov)

Impact of HPV vaccine hesitancy on cervical cancer in Japan: a modelling study – PubMed (nih.gov)

The controversy on HPV vaccination in Japan: Criticism of the ethical validity of the arguments for the suspension of the proactive recommendation – ScienceDirect

Japan relaunches its HPV vaccination drive. For thousands of women, it may be too late | Science | AAAS

Human Papillomavirus Vaccination and Premature Ovarian Failure: A Disproportionality Analysis Using the Vaccine Adverse Event Reporting System (nih.gov)

Association Between Human Papillomavirus Vaccination and Primary Ovarian Insufficiency in a Nationwide Cohort – PubMed (nih.gov)

Primary Ovarian Insufficiency Nationwide Incidence Rate and Etiology Among Israelia Adolescents – PubMed (nih.gov)

Benefits and harms of the human papillomavirus (HPV) vaccines: systematic review with meta-analyses of trial data from clinical study reports (nih.gov)

Autoimmune, neurological, and venous thromboembolic adverse events after immunisation of adolescent girls with quadrivalent human papillomavirus vaccine in Denmark and Sweden: cohort study | The BMJ

Human papillomavirus vaccination of adult women and risk of autoimmune and neurological diseases – Hviid – 2018 – Journal of Internal Medicine

Human papillomavirus vaccination and risk of autoimmune diseases: A large cohort study of over 2 million young girls in France – ScienceDirect

Human Papillomavirus Epitope Mimicry and Autoimmunity: The Molecular Truth of Peptide Sharing – FullText

Autoimmunity in patients reporting long-term complications after exposure to human papilloma virus vaccination – ScienceDirect

Human Papillomavirus Vaccine Impact and Effectiveness Through 12 Years After Vaccine Introduction in the United States, 2003 to 2018 – PubMed (nih.gov)

The effects of the national HPV vaccination programme in England, UK, on cervical cancer and grade 3 cervical intraepithelial neoplasia incidence: a register-based observational study – PubMed (nih.gov)

Is the recent increase in cervical cancer in women aged 20–24 years in England a cause for concern? (nih.gov)

Will HPV vaccination prevent cervical cancer? – PubMed (nih.gov)

Cervical screening uptake: A cross-sectional study of self-reported screening attitudes, behaviours and barriers to participation among South Asian immigrant women living in Australia (nih.gov)

Naturally Acquired Immunity Against Human Papillomavirus (HPV): Why It Matters in the HPV Vaccine Era | The Journal of Infectious Diseases | Oxford Academic (oup.com)

No increased risk of Guillain-Barré syndrome after human papillomavirus vaccine: A self-controlled case-series study in England – ScienceDirect

No increased risk of Guillain-Barré syndrome after human papillomavirus vaccine: A self-controlled case-series study in England – ScienceDirect

Post-licensure safety surveillance for human papillomavirus-16/18-AS04-adjuvanted vaccine: more than 4 years of experience our – PubMed (nih.gov)

Human papillomavirus vaccines and infertility. Weekly epidemiological record. 2017;92(28):393–404. wer9228_2017_vol92-28.pdf (who.int)

Natural History of HPV Infection across the Lifespan: Role of Viral Latency (nih.gov)

Lee, S.H. Detection of human papillomavirus (HPV) L1 gene DNA possibly bound to particulate aluminum adjuvant in the HPV vaccine Gardasil. J Inorg Biochem. 2012 Dec;117:85-92.

Impact of industry sponsorship on the quality of systematic reviews of vaccines: a cross-sectional analysis of studies published from 2016 to 2019 – PubMed (nih.gov)

STD Facts – HPV and Men (cdc.gov)

CDC report shows concerning increases in sadness and exposure to violence among teen girls and LGBQ+ youth | Fact Sheets | Newsroom | NCHHSTP | CDC

https://n.neurology.org/content/72/24/2132

https://jnnp.bmj.com/content/82/11/1296

https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1352458508096868

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0213485310700232?via%3Dihub

https://www.cmaj.ca/content/179/6/525


1.252 visualizações0 comentário

Posts recentes