Injeções de botox podem reduzir a ansiedade




Pacientes que receberam injeções de botox em quatro locais diferentes, não apenas na testa, relataram ansiedade significativamente menor do que aqueles submetidos a tratamentos diferentes para as mesmas condições.

Botox, ou toxina botulínica, um medicamento derivado de uma toxina bacteriana, é comumente injetado para aliviar rugas, enxaquecas, espasmos musculares, sudorese excessiva e incontinência.

Pesquisadores da Skaggs School of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences da Universidade da Califórnia em San Diego, em colaboração com dois médicos da Alemanha, podem ter encontrado um novo uso graças ao banco de dados do Sistema de Relatórios de Efeitos Adversos (FAERS) da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA, no qual cerca de 40.000 pessoas relataram o que aconteceu com eles após o tratamento de Botox por uma variedade de razões.

O estudo, publicado em 21 de dezembro de 2021 na revista Scientific Reports,constatou que pessoas que receberam injeções de Botox em quatro locais diferentes — não apenas na testa — relataram ansiedade significativamente menor do que pacientes submetidos a tratamentos diferentes para as mesmas condições.

"Um grande número de efeitos adversos diversos estão sendo relatados à FDA e o principal objetivo geralmente é encontrar esses efeitos colaterais prejudiciais que não haviam sido identificados durante os ensaios clínicos", disse Ruben Abagyan, PhD, professor de farmácia. "No entanto, nossa ideia era diferente. Por que não fazemos o oposto? Por que não encontramos efeitos benéficos?"

Abagyan e sua equipe vasculharam o banco de dados pela ausência ou redução da frequência de transtornos relacionados à ansiedade e ansiedade como queixa de saúde, em comparação com um grupo controle, ao tomar Botox. Em seguida, a equipe aplicou um algoritmo matemático para procurar diferenças estatisticamente significativas entre usuários de Botox e pacientes que receberam tratamentos diferentes para as mesmas condições.

"Um grande número de efeitos adversos diversos estão sendo relatados à FDA e o principal objetivo geralmente é encontrar esses efeitos colaterais prejudiciais que não haviam sido identificados durante os ensaios clínicos", disse Ruben Abagyan, PhD, professor de farmácia. "No entanto, nossa ideia era diferente. Por que não fazemos o oposto? Por que não encontramos efeitos benéficos?"

Abagyan e sua equipe vasculharam o banco de dados pela ausência ou redução da frequência de transtornos relacionados à ansiedade e ansiedade como queixa de saúde, em comparação com um grupo controle, ao tomar Botox. Em seguida, a equipe aplicou um algoritmo matemático para procurar diferenças estatisticamente significativas entre usuários de Botox e pacientes que receberam tratamentos diferentes para as mesmas condições.

O que eles descobriram foi que o risco de ansiedade relatado foi 22 a 72% menor em pacientes tratados com Botox para quatro das oito condições e locais de injeção: músculos faciais para uso cosmético; músculos faciais e da cabeça para enxaqueca; membros superiores e inferiores para espasmo e espasticidade; e músculos do pescoço para torcicolo. (Para os outros quatro locais de injeção, não houve dados suficientes para intervalos de confiança estatisticamente significativos, de acordo com Abagyan.)

Os transtornos de ansiedade são a classe mais comum de transtornos psiquiátricos, de acordo com a National Comorbidity Survey Replication, um levantamento da prevalência e correlatos de transtornos mentais nos EUA realizados entre 2001 e 2003. De acordo com a pesquisa, 32% da população dos EUA é afetada negativamente pela ansiedade em algum momento de suas vidas, e os tratamentos são ineficazes para quase um terço deles. É por isso que médicos e pesquisadores buscam outras opções terapêuticas.


Para ficar claro, os dados utilizados neste estudo não foram coletados com o objetivo de explorar exclusivamente a associação entre o uso de Botox e a ansiedade. Além disso, os dados do FAERS representam apenas o subconjunto de usuários de Botox que experimentaram efeitos colaterais negativos. Enquanto a equipe excluiu relatos em que uma pessoa também tomava antidepressivos (muitas vezes usados no tratamento da ansiedade) ou medicamentos ansiolíticos, o uso de outras prescrições e medicamentos sem prescrição poderia ter sido subnotificado em alguns casos.


Abagyan e sua equipe publicaram um estudo semelhante — na Scientific Reports, em julho de 2020 — no qual, usando o mesmo banco de dados, descobriram que pessoas que receberam injeções de Botox relataram depressão significativamente menos frequentemente do que pacientes submetidos a tratamentos diferentes para as mesmas condições.

Ambos os estudos encontraram uma diminuição nos sintomas relatados independentemente do local da injeção, lançando assim dúvidas sobre a especulação de que os pacientes podem ter se sentido mais felizes porque tinham menos rugas, ou porque o Botox previne franzir a testa. Mas os pesquisadores acreditam que os mecanismos moleculares específicos pelos quais o Botox reduz a depressão e a ansiedade — embora não sejam conhecidos — podem ser diferentes.