Instagram é ruim para adolescentes — e Facebook sabe disso




Facebook sabe há um ano e meio que os pesquisadores estão certos, seu aplicativo instagram prejudica os adolescentes

Por Christia Spears Brown

25 de setembro de 2021


Funcionários do Facebook fizeram uma pesquisa interna em março de 2020 mostrando que o Instagram — a plataforma de mídia social mais usada por adolescentes — é prejudicial à imagem corporal e ao bem-estar das adolescentes, mas varreu essas descobertas para debaixo do tapete para continuar realizando negócios como de costume, de acordo com um relatório de 14 de setembro no The Wall Street Journal.

A política do Facebook de buscar lucros, independentemente dos danos documentados, provocou comparações com a Big Tobacco, que sabia na década de 1950 que seus produtos eram cancerígenos, mas negou publicamente no século XXI.

Todos nós que estudamos o uso de redes sociais em adolescentes não precisávamos de um estudo interno suprimido, para saber que o Instagram pode prejudicaria adolescentes. Muitos artigos de pesquisa revisados por pares mostram a mesma coisa.

Entender os efeitos das mídias sociais em adolescentes é importante porque quase todos os adolescentes entram online diariamente. Uma pesquisa do Pew Research Center mostra que 89% dos adolescentes relatam que estão online "quase constantemente" ou "várias vezes por dia".

Adolescentes são mais propensos a entrar no Instagram do que qualquer outro site de mídia social. É uma parte onipresente da vida adolescente. No entanto, estudos mostram consistentemente que quanto mais frequentemente os adolescentes usam o Instagram, pior será o bem-estar geral, a autoestima, a satisfação com a vida, o humor e a imagem corporal. Um estudo descobriu que quanto mais estudantes universitários usavam o Instagram em qualquer dia, pior era o humor e a satisfação com a vida naquele dia.

Comparações insalubres

Mas o Instagram não é problemático simplesmente porque é popular. Existem duas características-chave do Instagram que parecem torná-lo particularmente arriscado. Primeiro, permite que os usuários sigam celebridades e pares, ambos podem apresentar uma imagem manipulada e filtrada de um corpo irrealista, juntamente com uma impressão altamente curada de uma vida perfeita.

Embora todas as mídias sociais permitam que os usuários sejam seletivos no que mostram ao mundo, o Instagram é notório por seus recursos de edição e filtragem de fotos. Além disso, essa é a plataforma popular entre celebridades, modelos e influenciadores. O Facebook foi relegado às mães e avós do futebol não legal. Para os adolescentes, essa integração perfeita de celebridades e versões retocadas de pares da vida real apresenta um ambiente maduro para uma comparação social ascendente, ou comparando-se a alguém que é "melhor" em algum aspecto.

Os humanos, como regra geral, procuram os outros para saber como se encaixar e julgar suas próprias vidas. Os adolescentes são especialmente vulneráveis a essas comparações sociais. Quase todo mundo se lembra de se preocupar em se encaixar enquanto estava no ensino médio. O Instagram exacerba essa preocupação. Já é difícil comparar-se a uma supermodelo que parece fantástica (ainda que filtrada); pode ser ainda pior quando a comparação filtrada é Natalie no corredor.

Comparar-se negativamente com os outros leva as pessoas a sentirem inveja das vidas e corpos aparentemente melhores dos outros. Recentemente, pesquisadores até tentaram combater esse efeito lembrando aos usuários do Instagram que as postagens eram irrealistas.

Não funcionou. Comparações negativas, quase impossíveis de parar, ainda levaram à inveja e à baixa autoestima. Mesmo em estudos em que os participantes sabiam que as fotos que foram mostradas no Instagram foram retocadas e remodeladas, as adolescentes ainda se sentiam pior com seus corpos depois de vê-las. Para as meninas que tendem a fazer muitas comparações sociais, esses efeitos são ainda piores.

Objetificação e Imagem corporal

O Instagram também é arriscado para adolescentes porque sua ênfase em fotos do corpo leva os usuários a se concentrarem em como seus corpos se parecem com os outros. Nossa pesquisa mostra que, para meninas adolescentes — e meninos cada vez mais adolescentes — pensar em seus próprios corpos como objeto de uma foto aumenta pensamentos preocupantes sobre como eles olham para os outros, e isso leva a sentir vergonha sobre seus corpos. Só tirar uma selfie para ser postada mais tarde faz com que eles se sintam piores sobre como eles olham para os outros.

Ser um objeto para os outros verem não ajuda a "geração de selfies" a se sentir empoderada e segura de si mesma — pode fazer exatamente o oposto. Não são preocupações insignificantes para a saúde, porque a insatisfação corporal durante a adolescência é um poderoso e consistente preditor de sintomas posteriores de transtorno alimentar.

O Facebook reconheceu internamente o que os pesquisadores vêm documentando há anos: o Instagram pode ser prejudicial para adolescentes. Os pais podem ajudar conversando repetidamente com seus adolescentes sobre a diferença entre aparência e realidade, encorajando seus adolescentes a interagir com os pares cara a cara, e usar seus corpos de maneiras ativas em vez de se concentrar na selfie.

A grande questão será como o Facebook lida com esses resultados prejudiciais. A história e os tribunais têm sido menos do que perdoar a abordagem cabeça-na-areia do BIG TABACCO.

Christia Spears Brown é professora de psicologia na Universidade de Kentucky. Este artigo foi publicado pela primeira vez no The Conversation.


322 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo